30 de abril de 2019

Entradas na minha biblioteca de BD no mês de Abril

Álbuns

  • Lenine, Gradiva, 2019
  • Comanche - Volume 1, Ala dos Livros, 2019

Revistas

  • Hop #160, décembre 2018

Livros


Outros

  • Moeda comemorativa dos 90 anos de Tintin, Casa da Moeda da Bélgica

29 de abril de 2019

Duke - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Western
(Bélgica) Le Lombard, Janeiro de 2017
Hermann (desenho) e Yves H. (argumento)
Estreia em Portugal: Álbum Arte de Autor, Outubro de 2017

Duke é um homem atormentado. Sendo o ajudante do xerife local num dos pequenos povoados do Colorado, nos Estados Unidos da América de 1886, graças à dimensão moral que esta missão acarreta, é também um pistoleiro de elite habituado à violência. Entretanto, o povoado vê-se atemorizado por sádicos pistoleiros contratados pelo proprietário de uma mina, os quais não têm quaisquer escrúpulos em assassinar todos os que cruzam o seu caminho. Mas quando as vítimas começam a ser mulheres e crianças, Duke é obrigado a abandonar a sua neutralidade e a revelar que melhor sabe fazer: recorrer às armas.

Quadriculografia portuguesa:
  1. A lama e o sangue (La boue et le sang), 2017, Álbum Arte de Autor [2017]
  2. Aquele que mata (The one who kills), 2018, Álbum Arte de Autor [2018]
  3. Sou uma sombra (Je suis une ombre), 2019, Álbum Arte de Autor [2019]
[actualizado em 12.01.2019]

Jacques Ferrandez - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador, argumentista
(França) Argélia, 12 de Dezembro de 1955

Depois de ter frequentado a Escola de Artes Decorativas de Nice, vira-se para a ilustração e banda desenhada. Em 1987 inicia Carnets d’Orient, um fresco sobre a história da presença francesa na Argélia, obra que acabará 20 anos mais tarde. Especialista incontestado na questão algeriana, adapta, em 2009, a novela O Hóspede, de Camus. Os seus livros são objeto de inúmeras exposições, nomeadamente em França e na Argélia. Em 2012, e para a obra Carnets d’Orient, recebeu o prémio especial do júri Historia 2012.

One-shots publicados em Portugal:
  • O estrangeiro (L'étranger), 2013, Álbum Arcádia [2014]
  • O primeiro homem (Le premier homme), 2017, Álbum Porto Editora [2019]
[actualizado a 28.04.2019]

Dick Calkins - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador
Richard William "Dick" Calkins
(EUA) Grands Rapids, Michigan, 12 de Agosto de 1894 – Tucson, Arizona, 12 de Maio de 1962 

Calkins forma-se no Chicago Art Institute. O seu primeiro trabalho é de desenhador n o Detroit Free Press. Durante a Primeira Guerra Mundial serve no Army Air Service como piloto e instrutor de voo.
Após a guerra, trabalha como cartunista editorial para o Chicago American até 1929, ano em que começa a desenhar Buck Rogers. 
Calkins também co-cria e ilustra a tira diária com tema de aviação Skyroads, com o pioneiro da aviação e companheiro Lester J. Maitland, da Primeira Guerra Mundial, de 1929 a 1933.

Séries publicadas em Portugal:

[actualizado em 29.04.2019]

Philip Francis Nowlan - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(EUA) Filadélfia, 1888 — Filadélfia, 1 de Fevereiro de 1940

Francis Nowlan é um escritor de ficção científica. 
Depois de se formar pela Universidade da Pensilvânia, trabalha como colunista de jornal. Casa-se com Theresa Junker Nowlan (com quem teve dez filhos), muda-se para um subúrbio de Filadélfia (Bala Cynwyd) onde cria e escreve a tira de jornal da série de BD Buck Rogers, ilustrada por Dick Calkins. O personagem Buck Rogers aparece pela primeira vez na novela Armageddon 2419 A.D., escrita por Nowlan em 1928, como Anthony Rogers. A tira de jornal dura mais de 40 anos e gera uma série radiofónica e um cinematográfica (1939) e duas séries de TV.
Nowlan também escreve várias outras novelas para revistas de ficção científica bem como uma história de mistério, The Girl from Nowhere.

Séries publicadas em Portugal:

[actualizado em 29.04.2019]

Robert Genin - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(França) 18 de Março de 1928

Participa nas séries Brunelle e Colin com François Bourgeon, bem como na série O Corcel Negro com Michel Faure (publicada no Journal de Mickey e publicada pela Hachette).

Séries publicadas em Portugal:

[actualizado em 29.04.2019]

28 de abril de 2019

O primeiro homem - Segundo a obra de Albert Camus

A Porto Editora acaba de lançar mais um álbum em banda desenhada versando uma obra literária famosa. Desta vez, trata-se de O primeiro homem (Le premier homme, 2017), romance homónimo de Albert Camus. Este é o segundo romance de Camus desenhado por Jacques Ferrandez publicado em Portugal, já que em 2014, a Arcádia havia editado O estrangeiro.
Publicada pela primeira vez mais de trinta anos depois da morte de Albert Camus, O Primeiro Homem rapidamente se tornou um bestseller mundial, sendo considerada a mais autobiográfica obra do autor. A 24 de abril, a Porto Editora publicou a adaptação a banda desenhada deste romance marcante da literatura francesa pela mão de Jacques Ferrandez. Na sua origem fragmentado e inacabado, o manuscrito de Camus ganha uma nova leitura através das imagens de Ferrandez, que preenchem com delicadeza espaços que haviam ficado vazios. 
No prefácio a esta edição, Alice Kaplan – professora doutorada em Literatura Francesa – defende que neste livro se sente o dom da improvisação, aliado à fidelidade ao romance: «Para Jacques Ferrandez, o grande desafio era transmitir o essencial da obra, preservando as suas zonas de mistério.»  
A adaptação gráfica do manuscrito inacabado de Camus conta a história de Jacques Cormery, um menino que teve uma vida semelhante à de Camus. Esta edição impressionante convoca o panorama, os sons e as texturas de uma infância circunscrita pela pobreza e pela morte de um pai, mas redimida pela beleza austera de Argel, pelo amor que Jacques tem à mãe e à avó, e por um professor que transformará a sua visão do mundo. 

O primeiro homem, Jacques Ferrandez, Porto Editora, 184 pp., capa dura, cor, 18,80€

Claudio Nizzi - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(França) Setif, Argélia, 9 de Setembro de 1938

Claudio Nizzi é, provavelmente, o mais prolífico argumentista do fumetto italiano. Em 50 anos de carreira, é um dos estandartes das revistas para jovens como Il Vittorioso e Il Giornalino, em cujas páginas teve oportunidade de criar séries e personagens como Safari, Larry Yuma, Capitan Erik, Coonnello Caster Bum, Nico e Pepo, Tenente Marlo e Rosco & Sonny. Começa a colaborar com a Sergio Bonelli Editore em 1981, escrevendo duas aventuras para Mister No, antes de passar para Tex (anonimamente nos primeiros anos) e, mais tarde, criar Nick Raider e Leo Pulp. A sua estreia em Tex acontece em 1983 com a aventura La valanga d’acqua, desenhada por Enio Nicolò, na realidade a segunda história escrita por Nizzi, uma vez que a primeira, Il ritorno del carnicero, só foi publicada posteriormente. Nas suas histórias, Tex é absolutamente a figura central, o protagonista indiscutível, tudo gira em seu redor, assumindo-se como a base de toda a narração. Escreve ininterruptamente até 2008 e, depois de mais de 150 histórias com o ranger, Nizzi deixa a série e dedica-se à escrita de romances, até regressar surpreendentemente em 2017, com a aventura Dal tramonto all’alba, desenhada por Roberto Zaghi. A sua carreira conta com prémios como o Yellow Kid em 1995, ou o Inca Winter em 1997.

Séries publicadas em Portugal:

One-shots publicados em Portugal:
  • Um capitão de 15 anos (Uno capitano di 15 anni), Franco Caprioli e Nizzi, Álbum Edições Paulinas [1983]
  • A ilha misteriosa (L'isola misteriosa), Franco Caprioli e Nizzi, Álbum SCIRE [1976]; Álbum Editorial Pública [2 volumes] [1983]; Jornal da BD #169 a #184
[actualizado em 27.04.2019]

27 de abril de 2019

Bruno Brindisi - Ensaio de quadriculografia

Desenhador
(Itália) Salerno, 3 de Junho de 1964

Brindisi cresce no seio de uma família de artistas. Autodidacta, com apenas 19 anos funda a chamada Scuola Salernitana com Roberto De Angelis e Luigi Siniscalchi, publicando a revista amadora Trumoon. A sua carreira profissional começa em 1986, desenhando histórias eróticas para a Blue Press e para a Ediperiodici e, mais tarde, para as Edizioni Cioé e Edizioni ACME. Em 1990, aos 25 anos, entra na Sergio Bonelli Editore, debutando em alguns episódios de Nick Raider, até entrar na equipa de Dylan Dog. Em 2002 começa a trabalhar em Tex, desenhando “I predatori del deserto”, sob argumento de Claudio Nizzi. Termina “Muddy Creek”, na série mensal, uma aventura que Vincenzo Monti deixara incompleta devido ao seu falecimento, e inaugura o Color Tex com a história “E vienne il giorno”. Em 2012, desenha “Il segreto di Diabolik”, por ocasião dos 50 anos desta série. Ainda na Bonelli desenha “La rivolta dei Sepoy”, um episódio de Le Storie escrito por Giuseppe De Nardo, e o primeiro número de Brad Barron, mini-série de Tito Faraci. Ao mesmo tempo, trabalha para o mercado francófono com a Humanoides Associés na série Novikov. Em 2015, foi galardoado com o prémio Romics d’Oro, mas antes, entre 1993 e 2012, já tinha vencido inúmeros prémios pelo seu trabalho, entre os quais o Comicon 2003.

Séries publicadas em Portugal:
Dylan Dog, Tex

[actualizado em 26.04.2019]

Barreiro Ilustra BD


Lenine

A Gradiva prepara-se para lançar a biografia de Lenine em banda desenhada. O presente volume consta da colecção francesa "Les grands personnages de l'histoire en bandes dessinées", sendo precisamente o último a ser editado (o sétimo), já este ano de 2019. 

A partir dos anos 1880, Vladimir Ilitch Ulianov, conhecido como Lenine, faz da sua vida um combate permanente para defender as suas ideias e impor o comunismo na Rússia. Mas, antes de se tornar o ícone internacional do comunismo no século XX, Lenine constrói-se como um intelectual radical escrevendo obras de reflexão política e textos programáticos.
Também quer ser um homem de acção e faz valer a necessidade de criar uma vanguarda revolucionária para mostrar a via ao proletariado e guiá-lo em direcção a uma sociedade mais justa, e se for preciso através da ditadura do Partido bolchevique.

Lenine, Antoine Ozanam, Denis Rodier e Marie Pierre Rey, Gradiva, 56 pp., cor, capa dura, 16,90€

26 de abril de 2019

NOVIDADE - Tex: Os predadores do deserto

A editora Polvo edita mais uma obra do ranger Tex Willer. "Os predadores do deserto" de Claudio Nizzi (argumento) e Bruno Brindisi (desenho) terá apresentação na 6.ª Mostra do Clube Tex Portugal, dia 27 de Abril (sábado), às 16h00, no Auditório do Museu do Vinho Bairrada – Anadia, com a participação de Bruno Brindisi, Rui Brito e Mário Marques.

A distribuição comercial ocorrerá na segunda quinzena de Maio.

O LIVRO

Não é propriamente uma mensagem de amor e paz, aquela que é transmitida pelos homens às ordens do Pregador. Disfarçados de soldados, cometem assaltos sangrentos, sem mostrar qualquer indício de piedade pelos infelizes que se cruzam no seu caminho. Mas tais actos não se irão prolongar por muito tempo, pois o comandante do Fort Defiance encarregou Tex e Carson de partirem na peugada do bando. O início do fim, para o grupo do Pregador, chegou com o inesperado sequestro do filho de Tex!

DA INTRODUÇÃO (de Pedro Cleto)

Publicado inicialmente em Junho de 2002, em Itália, “Os Predadores do Deserto” é um álbum diferente de Tex. ”São todos diferentes”, dirão alguns, mas este destaca-se pela sua construção narrativa.
Escrito por Claudio Nizzi, segue de perto e de forma assumida a estrutura narrativa de “A Balada do Mar Salgado”, a mítica aventura de 1967 que assinala a estreia de Corto Maltese, o alter-ego de Hugo Pratt, numa obra que é claramente uma homenagem a este autor.
Nizzi aproveitou para dividir o protagonismo deste relato pelos quatro pards habituais, sozinhos e/ou em grupo reduzido, enquanto Brindisi recriou com bastante credibilidade as vastidões do deserto e, com bastante distinção, ultrapassou aquele que é recorrentemente um dos maiores obstáculos para quem se inicia em Tex: o desenho dos cavalos.
Desta forma os autores oferecem aos leitores um western consistente, na linha das grandes produções cinematográficas e das míticas séries de Banda Desenhada que fizeram deste um género de eleição.

Tex: Os predadores do deserto, Claudio Nizzi e Bruno Brindisi, Polvo, 232 pp., p/b, brochado com badanas, Colecção “Tex – Romance Gráfico” #6

A fúria dos reis - Volume 1

O primeiro de três volumes da adaptação em romance gráfico a cores do segundo livro da série original Crónicas de Gelo e Fogo, de George R.R. Martin, que inspirou a série para televisão da HBO A Guerra dos Tronos. A adaptação do primeiro livro em BD – muito fiel ao original – revelou que a série Crónicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin tem o poder de encantar a todos os níveis. A história prossegue juntando o argumentista de best-sellers do New York Times Landry Q. Walker ao ilustrador Mel Rubi, que apresentam a empolgante adaptação em banda desenhada do segundo livro da saga de referência. Este volume já está disponível nas livrarias.

Crónicas de Gelo e Fogo #2: A Fúria dos Reis vol. 1 (baseado na obra de George R. R. Martin), Landry Q. Walker e Mel Rubi, Planeta, 192 pp., capa dura, 18,95€

Levoir - Ensaio de quadriculografia

Ficha técnica:
Estado: Activa
Morada: Oeiras
E-mail:
Link:
Telefones:

A editora é constituída para a  criação de conteúdos por encomenda  para os media. O seu portefólio é constituído por projectos de literatura, música, cinema e conteúdos digitais, trabalhando com equipas multidisciplinares em Espanha, França, Portugal, Brasil e Argentina para os concretizar. Os seus principais clientes são os jornais de referência nos mercados locais onde opera, apesar de nos últimos anos começar a ter experiência com o canal livreiro.

No que toca à banda desenhada editada em Portugal, a actividade inicia-se em 2012 com uma série dedicada aos heróis da Marvel. No subgénero de super-heróis, tem também publicado banda desenhada da DC Comics, bem como outros géneros da chancela Vertigo. Paralelamente, tem editado diversas séries de “Novelas Gráficas”, originalmente publicadas em diferentes pontos do globo, bem como uma série dedicada à editora italiana Bonelli e outra à série de BD espanhola Torpedo.

Séries publicadas em Portugal:
Apocalipse, Aquaman, Arqueiro Verde, Batman, Batwoman, Black Hammer, Capitão América, Catwoman, 100 Balas, Cidades Obscuras (As), Dampyr, Demolidor, Dr. Destino, Dr. Estranho, Dragonero, Dylan Dog, Esquadrão Suicida, Flash, Flesh Mentallo, Gavião (O), Gavião Arqueiro, Get Jiro!, Guardiões da Galáxia, Guerras Secretas, Harley Quinn, Hellblazer, Homem-Aranha, Homem de Ferro, Homem Formiga, Hulk, Joker, Julia, Justiceiro, Lanterna Verde, Legião dos Super-Heróis, Lex Luthor, Liga da Justiça, Major Fatal, Martin Mystére, Mister No, Mort Cinder, Morte, Mónica, Mulher Maravilha, Nick Fury, Novos Titãs, Novos Vingadores, Preacher, Quarteto Fantástico, Quarto Mundo (O), Sandman, Sinestro, Storie (Le), Super-Homem, Surfista Prateado, Tex, Thor, Torpedo 1936, Torpedo 1972, Universo DC, Valentina,  Vingadores (Os), Viúva Negra, WE3, Wolverine, X-Men, X-Women, Y: O Último Homem  

One-shots publicados em Portugal:
  • Crise nas terras infinitas [2 volumes], George Pérez, Jerry Ordway, Dick Giordano e Marv Wolfman, Colecção Super-Heróis DC Comics #7 e #8 [2013]
  • Marvels, Alex Ross e Kurt Busiek, Colecção Universo Marvel #7 [2014]
  • Billie Holiday, José Muñoz e Carlos Sampayo [2014]
  • Um contrato com Deus (A contract with God and other tenement stories), 1978, Will Eisner, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #1 [2015]
  • A louca de Sacré-Coeur, Moebius e Alejandro Jodorowsky, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #2 [2015]
  • A viagem, Edmond Baudain, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #3 [2015]
  • Foi assim a guerra das trincheiras (C'était la guerre des tranchées), 1983, Jacques Tardi, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #4 [2015]
  • Beterraba, a vida numa colher, Miguel Rocha, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #5 [2015]
  • A arte de voar, Kim e António Altarriba, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #6 [2015]
  • O livro do Mister Natural, Robert Crumb, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #7 [2015]
  • Em busca de Peter Pan (A la recherche de Peter Pan), 1984, Cosey, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #8 [2015]
  • Sharaz-De: Contos das mil e uma noites, Sérgio Toppi, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #9 [2015]
  • O diário de meu pai, Jirô Taniguchi, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #10 [2015]
  • Bando de dois, Danilo Beyruth, Colecção Novela Gráfica [1ª série] #12 [2015]
  • Marvels: através da objectiva, Jay Anacleto e Kurt Busiek, Colecção Poderosos Heróis Marvel #15 [2015]
  • Chernobyl, a zona (Chernóbil, la zona), 2011, Natacha Bustos e Francisco Sánchez [2016]
  • V de Vingança (V for Vendetta), 1982, David Lloyd e Alan Moore, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #1 [2016]
  • Terra de sonhos, Jirô Tanigushi, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #2 [2016]
  • Presas fáceis (Presas fáciles), 2016, Miguelanxo Prado, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #3 [2016]
  • A dança das andorinhas – morrer, partir, regressar (Mourir, partir, revenir - Le Jeu des hirondelles), 2007, Zeina Abirached, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #4 [2016]
  • Parque Chas (Parque Chas), 1997, Eduardo Risso e Ricardo Barreiro, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #7 [2016]
  • Fax de Saravejo (Fax from Sarajevo: a story of survival), 1996, Joe Kubert, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #8 [2016]
  • Daytripper, 2010, Fábio Moon e Gabriel Bá, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #10 [2016]
  • Luna Park (Luna Park), 2009, Daniel Zerelj e Kevin Baker, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #11 [2016]
  • Fogos e murmúrios, Lorenzo Mattotti e Jerry Kramsky, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #12 [2016]
  • O inverno do desenhador (El invierno del dibujante), Paco Roca, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #13 [2016]
  • A asa quebrada, Kim e Antonio Altarriba, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #14 [2016]
  • Os exércitos do conquistador (Les armées du conquérant), 1977, Jean-Claude Gal e Jean-Pierre Dionnet, Colecção Novela Gráfica [2ª série] #15 [2016]
  • Alice num mundo real, Susana Martín e Isabel Franc [2016]
  • A casa, Paco Roca [2016]
  • Traço de giz (Trazo de tiza), 1993, Miguelanxo Prazo, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Ronin (Ronin), 1983, Frank Miller, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Os ignorantes (Les ignorants), 2011, Étienne Davodeau, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Polina (Polina), 2011, Bastien Vivès, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • K.O. Telavive (K.O. à Tel Aviv), 2003, Asaf Hanuka, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Vapor (Vapor), 2013, Max, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Os livros de magia (The books of magic), 1990, John Bolton, Scott Hampton, Charles Vess, Paul Johnson e Neil Gaiman, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Uma aldeia branca - O bar do barbudo (Un pueblo branco), Tomeu Pinya, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Tempos amargos (Amères saisons), 2008, Étienne Schréder, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Histórias do bairro (Historias del barrio), 2014, Bartolomé Seguí e Gabi Beltrán, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • Os trilhos do acaso (Los surcos del azar) [2 volumes], 2013, Paco Roca, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • O idiota, André Diniz, Colecção Novela Gráfica [3ª série] [2017]
  • A vida de Che, Alberto Breccia, Henrique Breccia e Hector Oesterheld [2017]
  • Os guardiões do Louvre, Jirô Tanigushi, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #1 [2018]
  • Aqui mesmo (Ici même), 1979, Jacques Tardi e Jean-Claude Forest, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #2 [2018]
  • O fantasma de Gaudí (El fantasma de Gaudí), 2015, Jesús Alonso Iglesias e Juan Torres, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #3 [2018]
  • Calipso (Calypso), Cosey, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #4 [2018]
  • O farol + Jogo lúgubre (El jogo lúgubre + El faro), Paco Roca, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #5 [2018]
  • Uma irmã (Une souer), Bastien Vivès, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #6 [2018]
  • Destemidas - Mulheres que só fazem o que querem (Culotées -  Des femmes qui ne font que ce qu'elles veulent), 2016, Penélope Bagieu, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #7 [2018]
  • Tatuagem (Tatuage), Bartolomé Seguí e Hernán Migoya, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #8 [2018]
  • Gente de Dublin (Dublinés), Alfonzo Zapico, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #9 [2018]
  • O jogador de xadrez (Le joueur d'échecs), David Sala, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #10 [2018]
  • O último recreio (El último recreo), 1982, Carlos Trillo e Horacio Altuna, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #11 [2018]
  • Novembro (November), Sebastià Cabot, Colecção Novela Gráfica [4ª série] #12 [2018]
  • O xerife da Babilónia (The Sheriff of Babylon), 2018, Mitch Gerads e Tom King [2018] [2 volumes]
  • Jesus Punk Rock (Punk Rock Jesus), 2012, Sean Murphy [2018]
  • O Tesouro do Cisne Negro (El tesouro del Cisne Negro), 2018, Paco Roca e Guillermo Corral, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • Frango com Ameixas (Poullet aux prunes), 2005, Marjane Satrapi, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • O Rasto de García Lorca (La huella de Lorca), 2011, Carlos Hernández e El Torres, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • Monika (Monika), 2015, Guillem March e Thilde Barboni, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • Gorazde: Zona Protegida (Safe Area Gorazde), 2000, Joe Sacco, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • Dias Sombrios, Juan Escandell e Lluis Ferrer Ferrer, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019] 
  • Como uma luva de veludo moldada em ferro (Like a Velvet Glove Cast in Iron), 1993, Daniel Clowes, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • As Serpentes Cegas (Las serpientes cegas), 2008, Bartolomé Segui e Felipe Hernández Cava, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • O Número: 73304-23-4153-6-96-8 (The Number 73304-23-4153-6-96-8), 2008, Thomas Ott, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • Neve nos Bolsos (Nieve en los bolsillos), 2018, Kim, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
  • Café Budapeste (Café Budapest), 2008, Alfonso Zapico, Colecção Novela Gráfica (5ª série) [2019]
[actualizado em 13.09.2019]

25 de abril de 2019

Colecção Spirou e Fantásio de Franquin #1: O Feiticeiro de Champignac + Spirou e os Herdeiros

Eis que chegou às bancas o primeiro volume desta colecção da editora ASA com distribuição pelo jornal Público. O presente volume apresenta-nos dois episódios:

O Feiticeiro de Champignac 
"Os dois amigos (Spirou e Fantásio)  vão acampar nos arredores da simpática aldeia de Champignac, onde a população vive atemorizada pela ocorrência de estranhos e inexplicáveis acontecimentos: porcos com pele cor-de-rosa e grandes bolas azuis, coelhos do tamanho de ovelhas, uma vitela que morre de velhice..."

"Il y a un sorcier à Champignac", com argumento de Jean Darc (pseudónimo de Henri Gillain), irmão de Jijé, foi originalmente publicado na revista belga Journal de Spirou em 1950 e 1951 (#653 a #685). Trata-se do segundo álbum da série, editado pela Dupuis em 1951. Neste episódio, estreiam-se o Conde de Champignac e Gustave Labarbe, o Presidente da Câmara. O presente episódio estreia-se em Portugal em 1959 na segunda série da revista Camarada (#1 ao #25 do 2º ano), com o Spirou baptizado de Clarim. Será editado em álbum pela editora Camarada em 1966 com o título "O feiticeiro de Vila Nova de Mil Fungos", sendo reeditado pela Editorial Pública [1981] com o título "O feiticeiro de Talmourol". A revista Jornal da BD também publicou a aventura no número 195 de 29 de Abril de 1986. Finalmente, é reeditado em álbum numa colecção de 2007 da parceria Público/ASA.

Spirou e os Herdeiros 
"Na segunda história deste álbum duplo, um tio afastado e quase desconhecido morre, deixando a sua herança aos dois sobrinhos, Fantásio e Zantáfio. Mas só um deles a pode receber depois de ganhar pelo menos duas das três provas por ele estabelecidas..."

"Spirou et les héritiers", quarto álbum da série (Dupuis, 1952), é da autoria total de Franquin. O episódio foi seriado na revista Journal de Spirou em 1951 e 1952 entre os números #693 e #726. É neste episódio que se estreia o mítico animal Marsupilami, assim como Zantáfio, primo de Fantásio. A aventura estreia-se em Portugal em 1975 em álbuns da Arcádia e do Círculo de Leitores, sendo reeditada pela Meribérica [1989] e na já citada colecção do Público/ASA em 2007. Em revista, "Spirou e os herdeiros" foi publicado pelo suplemento do jornal Publico Público Júnior (#1 a #30) em 1990.

Colecção Spirou e Fantásio de Franquin #1: O feiticeiro de Champignac + Spirou e os herdeiros, ASA, 128 pp., cor, capa dura, 11,90€

Colecção Batman 80 Anos #10: Antologia Batman - 80 Anos de Aventura

E chega ao fim esta colecção comemorativa dos 80 anos do Batman com a publicação de uma antologia de histórias do super-herói.
Esta antologia foi criada em exclusivo para esta colecção onde teremos a origem do Batman pelos seus criadores originais,  passando  pela  fase  de  Sheldon Moldoff  nos  anos  50,  continuando com o regresso à dimensão mais sombria do Cavaleiro das Trevas nos anos 70,  em  histórias  ilustradas  por  Neal Adams  e  Jim  Aparo,  incluindo  ainda o trabalho de Alan Davis e Paul Neary na  década  de  80  e  terminando  com duas histórias escritas por Tom King, o actual  escritor  da  principal  revista  do Cavaleiro das Trevas.
Nesta viagem no tempo, podemos ir até às origens do Batman, quando em 1940 Bob Kane e Bill Finger publicam no nº 1 na revista Batman. Nos anos 50 e 60 a história continua com intrigas mais próximas da ficção científica do que do policial e o alargar da Batfamília, aqui representada por Ace, o Batcão. A antologia continua com o regresso à dimensão mais sombria do Cavaleiro das Trevas nos anos 70, A Casa que assombrou Batman, escrita  por Len Wein, o criador do Monstro do Pântano, cria um clima sobrenatural para uma  intriga que tem uma explicação racional,  mas que assenta muito no realismo heróico de Neal Adams, aqui contando com o veterano Dick Giordano na arte-final.
Um dos melhores momentos da dupla Bob Haney-Jim Aparo acontece em O Cadáver Que se Recusava a Morrer, na revista  The Brave and the Bold, numa história em que um Batman em morte cerebral conta com a ajuda do Átomo para salvar uma mulher em perigo.
Ao longo dos anos outros nomes importantes da BD foram escrevendo e ilustrando histórias do Batman. Alguns Desses Dias, é uma belíssima história de amor, escrita por Tom King (autor de Xerife da Babilónia, editado recentemente pela Levoir) e com a arte de Lee Weeks e Michael Lark. King conta a história de amor entre Batman e a Catwoman, desde o seu primeiro até ao último beijo.

Colecção Batman 80 Anos #10: Antologia Batman - 80 Anos de Aventura, vários autores, Levoir, cor, 120 pp, capa dura, 11,90€

24 de abril de 2019

Top das vendas de BD em França de 8 a 14 de Abril de 2019

1º lugar (=) [3ª semana]
Le retour à la terre #6: Les Métamorphoses
Manu Larcenet, Jean-Yves Ferri
DARGAUD

2º lugar (=) [2ª semana]
Titeuf #16: Petite poésie des saisons
Zep
GLÉNAT

3º lugar (novo)
Les Schtroumpfs #37: Les Schtroumpfs et la machine à rêver
Jeroen De Coninck,Miguel Diaz, Alain Jost, Thierry Culliford
LOMBARD

6ª Mostra do Clube Tex Portugal


23 de abril de 2019

Star Wars: A cidadela dos gritos

A editora Planeta lançou mais um volume das aventuras de Star Wars. Desta vez, trata-se de A Cidadela dos Gritos, que compila os #31 e #32 de Star Wars (vol. 2), #7 e #8 de Star Wars: Doctor Aphra e o one-shot Star Wars: The Sreaming Citadel #1, publicados nos EUA em Maio e Junho de 2017. 
Um piloto rebelde e uma arqueóloga sem escrúpulos unem forças, entrando numa das zonas mais sombrias e obscuras da galáxia. A pérfida doutora Aphra fará a um jovem e confuso Luke Skywalker uma oferta que não poderá recusar… Uma que o vai conduzir a um encontro muito estranho no coração da infame Cidadela dos Gritos. Encontrará Luke o que procura? Poderá confiar em Aphra? Ou acabarão ambos por ser vítimas da rainha da Cidadela? Enquanto este improvisado duo entra no covil de uma das mulheres mais poderosas, solitárias e perigosas da galáxia, conseguirão Han e Leia manter-se longe deste lugar?
Neste volume, escrito por Jason Aaron com arte de Salvador Larroca, um jovem e confuso Luke Skywalker é aliciado para aceder aos ensinamentos dos Jedi. A história tem referências a outras sagas galácticas, o que é uma desculpa para entrarem personagens, como Aphra e as fortes personagens que se apoderam da história, como BT-1, Krrsantan e Triplo-Zero. Novo livro entre séries depois de Vader Abatido, desta vez recompilando números de Star Wars e Star Wars Doutora Aphra, onde a acção decorre entre Star Wars: Episódio IV – Uma Nova Esperança e Star Wars: Episódio V – O Império Contra-Ataca. Uma história emocionante recheada de personagens novos e clássicos.

Star Wars: A Cidadela dos Gritos, Salvador Larroca, Marco Checchetto, Andrea Broccardo, Jason Aaron e Kieron Gillen, Planeta, cor, 128 pp., capa dura, 16,95€

22 de abril de 2019

Dylan Dog nas bancas

Já estão em bancas os dois primeiros volumes da série de Dylan Dog!

O Detective do Oculto chegou ao nosso país na nova colecção da G. Floy, e por causa de um erro da distribuidora, que enviou o segundo volume para bancas em vez do primeiro, decidiu-se adiantar a distribuição de AMBOS! Podem ser encontrados em pontos de venda por todo o país, durante o resto do mês de Abril e primeira metade de Maio, e podem também ser encomendados via bancas, pedindo aos pontos de venda que usem os contactos abaixo. Deverão chegar a livrarias, Fnac's, etc... lá mais para o final de Maio.

São duas excelentes histórias de Dylan Dog: 'O Velho que lê' mergulha-nos numa bizarra investigação em jeito de homenagem a Borges e também a Mort Cinder, enquanto 'Até que a morte vos separe' nos conta uma das mais importantes histórias da personagem, que nos explica como ele se tornou detective privado especializado no sobrenatural, depois de abandonar (ser expulso) a Scotland Yard, e inclui o seu primeiro encontro com Groucho.

No próximo fim de semana, Bruno Brindisi, desenhador de 'Até que a morte vos separe' estará presente no Festival Tex em Anadia! Uma excelente oportunidade de obterem o vosso exemplar do livro autografado!

Dylan Dog vol. 1: O Velho que Lê (12,50 €)
Dylan Dog vol. 2: Até que a Morte vos Separe (12,50 €)
120 pgs, preto e branco, capa dura (formato 17 x 23)

Podem fazer os pedidos directamente à G. Floy, ou então, via bancas, usando o seguintes contactos:
INP: internews@internews.com.pt ou 800 282 010

21 de abril de 2019

Jenfèvre - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador
(França) Montbéliard, 14 de Outubro de 1968

Depois de vários anos de estudo, Henri Jeanfaivre só pensa em desenhar. Contudo, a sua carreira inicia-se trabalhando por um ano na venda de Bíblias em doze volumes a serem pagos em prestações. É em 1993 que o desenho começa a ser a sua actividade principal.
O serviço militar, quase uma premonição, dá-lhe a oportunidade de conhecer Olivier Sulpice com quem cria a Grafic Bamboo, uma empresa que oferece BD para agências de publicidade. Quando Sulpice Olivier lhe propõe criar, em 1997, a Bamboo Publishing, prefere não participar para manter a sua liberdade total.

Séries publicadas em Portugal: 
Bruce Kid, Chuis (Os), Dirty Henry, Maluquinhos da Bola (Os), Ó da Guarda!, Vovô Motard

[actualizado em 21.04.2019]

Sulpice Olivier - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(França) Mâcon, 29 de Maio de 1971

Depois de uma infância turbulenta, obtém seu BA e um DUT em Marketing Technique.
Em 1993, conhece Henri Jeanfaivre no serviço militar. Juntam-se no trabalho e criam o estúdio Bamboo Grafic.
Apaixonado, desde sempre, por banda desenhada, cria, em 1997, a Bamboo Edition.
Por dois anos, a Bamboo publica apenas trabalhos da dupla Jenfèvre-Sulpice. Progressivamente, novas séries vão aparecendo no universo editorial da empresa.

Séries publicadas em Portugal:
Bruce Kid, Chuis (Os), Maluquinhos da Bola (Os), Ó da Guarda!, Vovô Motard

[actualizado em 21.04.2019]

20 de abril de 2019

Andrea Mutti - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador
(Itália) Brescia, 5 de Março de 1973

Andrea Mutti frequenta a Escola de Banda Desenhada em Brescia. Inicia a carreira, ilustrando os quadradinhos dos super-heróis DNAction para a Xenia Edizioni. Ilustra bandas desenhadas de terror para a Fenix. Ingressa na Star Comics, onde desenha histórias com Lazarus Ledd e alguns episódios de Hammer. Entre 1993 e 2000, é um dos artistas da série Bonelli Nathan Never.
Para o mercado francês realiza as séries Break Point (2004) e Brumes Hurlantes (2005-2006) com Philippe Saimbert para a editora Albin Michel. Durante o mesmo período, faz uma adaptação do romance de Luca Crovi Arrivederci Amore para a Dargaud. Desenha séries de detectives como S.A.S. com textos de Umberto Ciance para a Glénat (2006), Nero com Alex Crippa para a Casterman (2006) e Re-mind com Alcante para a Dargaud (2010).
Com Richard Malka, cria a série Section Financière para a editora Les Vents d'Ouest (2006-2007). Associa-se ao escritor Nicolas Tackian para criar a série histórica de aventuras Le Syndrome de Cain para a Soleil em 2007. Mutti também participa na série I.R.$. - All Watcher (Lombard, 2010) e Garous (Soleil, 2011).
Nos EUA, trabalha para as editoras DC/Vertigo (The Executor com Jon Evans, e DMZ), Marvel (Iron Man) e IDW (GI Joe Origins). 

Séries publicadas em Portugal:

[actualizado em 20.04.2019]

Philippe Saimbert - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(França) Pau, 18 de Agosto de 1962

Desde 1999 é argumentista de várias séries em campos tão variados como fantasia, suspense, ficção científica e humor, como Les processionaires, Break Point, Les brumes hurlantes, Les âmes d’Hélios e Objectif rencontres.

Séries publicadas em Portugal:
Break Point

[actualizado em 20.04.2019]

19 de abril de 2019

Georges Pichard - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador, argumentista
(França) Paris, 17 de Janeiro de 1920 - Paris, 7 de Junho de 2003

Estuda na École des Arts Appliques e, após a Segunda Guerra Mundial, trabalha como ilustrador em publicidade, antes de publicar a sua primeira tira em La Semaine de Suzette, em 1956, apresentando a personagem Miss Mimi.
No início dos anos 1960, conhece Jacques Lob, com quem colabora com as paródias de super-heróis Ténébrax e Submerman. Ténébrax é publicado pela primeira vez na revista franco-belga Chouchou, continuando na revista italiana Linus. Em 1967, Submerman é serializado na revista Pilote. 
Tendo colaborado com Danie Dubos na audaciosa Lolly-strip que é serializada em Le Rire em 1966, Pichard e Lob começam a trabalhar no género de banda desenhada erótica, enquanto Branca-Flor começa a ser publicada V Magazine em 1968. 
Pichard continua a empurrar os limites morais quando colabora com Georges Wolinski para criar uma série ainda mais polémica com um personagem homónimo, Paulette, que é publicada na revista Charlie Mensuel a partir de 1970. Continuando no género erótico, Pichard junta-se a Danie Dubos para produzir Caroline Choléra, que é serializada em L'Écho des savanes a partir de 1975. Após a publicação de Marie-Gabrielle de Saint-Eutrope em 1977, a natureza explícita do trabalho de Pichard leva à proibição das vendas em livrarias e quiosques.
Menos escrutinadas por sua ênfase erótica são as colaborações que Pichard faz com o autor de ficção científica Jean-Pierre Andrevon, La Reserve e Édouard, de 1974, e Ceux-là, de 1977, publicadas na Charlie Mensuel.
Perto do fim da sua vida, Pichard adapta histórias eróticas clássicas como Les Exploits d'un jeune Don Juan de Guillaume Apollinaire, O Kama-Sutra de Vatsyayana, Trois filles de leur mère de Pierre Louÿs, La Religieuse de Denis Diderot e Germinal de Émile Zola.

Séries publicadas em Portugal:
Branca-Flor, Paulette 

One-shots publicados em Portugal:
  • Lolly-strip, Pichard e Danie Dubois, 1966, Álbum Edições Sexo e não só [1977]
[actualizado em 19.04.2019]

Charles Jarry - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador, argumentista
(Bélgica) 5 de Dezembro de 1942 - 5 de Setembro de 2019

Nos finais dos anos sessenta, Jarry colabora nas revistas Pilote, Le Soir Jeunesse e Spirou. Em 1970, cria para a revista Tintin a série Elodie d'Avray. Em 1978, após uma carreira no atletismo, onde é campeão belga de 400 metros por três vezes, publica para a editora Dupuis a série Les baroudeurs sans frontières (em Portugal a série tem o nome de Boy), dedicada aos problemas do Terceiro Mundo. Entre 1987 e 1993, publica para a Lombard dez álbuns da série Costa. Continuando na Lombard, em 1995, lança o volume Arkhane. No final do século XX, sob o pseudónimo Vinicius, Jarry dedica-se à BD erótica, enquanto desenha a história do clube belga Anderletch. Em 2007, regressa com a série L'Etoile du Sud, e em 2009 realiza Requiem for Malvina, com argumento da croata Lara Ferkovic.

Séries publicadas em Portugal:
Boy

One-shots publicados em Portugal:
  • O homem que podia explodir (L'homme qui pouvait exploser !), 1967, Jarry e Pierre Step, Mundo de Aventuras (2ª fase) #359
  • O palhaço de coração de ouro: Jerry Lewis (Un clown au grand cur), 1968, Jarry e Yves Duval, Nau Catrineta #380 a #383
  • O Cabo das Tormentas (Le Cap des Tourmentes), 1969, Jarry e Yves Duval, Mundo de Aventuras (2ª fase) #368
  • O homem que nunca riu (L'homme qui n'a jamais ri: Buster Keaton), 1969, Jarry e Yves Duval, Tintin #18/6º ano; Selecções do Mundo de Aventuras #237
  • Puskas (Allez Puskas!), 1969, Jarry e Pierre Step, Nau Catrineta #384 a #388
  • Sonja Henie: a rainha do gelo (La reine de la glace : Sonja Henie), 1970, Jarry e Yves Duval, Mundo de Aventuras (2ª fase) #491
  • Johnny Wayne: o rei do western (Le roi du western John Wayne), 1978, Mundo de Aventuras (2ª fase) #398
[actualizado em 13.09.2019]

18 de abril de 2019

"A morte viva" - Lançamento da Ala dos Livros

A Ala dos Livros lançou "A morte viva" ("La mort vivante", 2018) de Alberto Varanda e Olivier Vatine.

Poderá a ciência vencer a morte? Em caso afirmativo, a que preço?

Joachim, um jovem cientista que em Marte efectua pesquisas proibidas, é raptado por uma poderosa e misteriosa mulher enclausurada na antiga Terra: Martha. Para se refazer do drama que há meses a perturba, esta ordena-lhe o impossível: que ressuscite a filha, Lisa, a qual, durante umas escavações arqueológicas, deu uma queda mortal.

Joachim, que vê nisso uma oportunidade de continuar as suas pesquisas em total liberdade, aceita esse papel de pai criador. Depois de conseguir reunir o material necessário, lança-se então nessa experiência que poderá ser irreversível. Porque não é impunemente que se dá vida à Morte…

Com esta narrativa, Alberto Varanda está de regresso assinando aquela que é provavelmente a sua maior obra-prima gráfica. Sobre um argumento e um story-board de Olivier Vatine, Varanda realiza um trabalho simultaneamente épico e extremamente minucioso, evocando tanto as gravuras de Gustave Doré, como Júlio Verne, Lovecraft ou Schuiten!

A edição portuguesa inclui o caderno gráfico a preto e branco que foi objecto de publicação na edição de luxo da Comix Buro, permitindo dar uma outra ideia da dimensão do trabalho dos autores.

A Morte Viva é uma adaptação da obra La Mort Vivante de Stefan Wull.

A obra original foi publicada em Portugal na Colecção Argonauta, em 1966, com o título O Império dos Mutantes.

A Morte Viva, Olivier Vatine e Alberto Varanda, Ala dos Livros, 96 pp., p&b e cor, inclui caderno gráfico de 16 páginas, a preto e branco, capa dura, 19,90€

Colecção Batman 80 Anos #9: O Cavaleiro das Trevas Volta a Atacar - Parte 2

Neste segundo volume, Batman: O Cavaleiro das Trevas Volta a Atacar -Parte 2, que saiu hoje nas bancas, conclui-se o regresso do Batman crepuscular de Frank Miller.

A complexa intriga  que  envolve  a  maioria dos membros da Liga da Justiça cruza- se com a dura realidade do ataque às  Torres  Gémeas  em  11  de  Setembro de  2001. Um acontecimento real,  que Frank Miller acompanhou do seu estúdio em Nova Iorque e que acabou por influenciar  decisivamente  a  evolução desta  história,  que  começou  como uma  homenagem  aos  heróis e vilões do universo DC, para se tornar, tal  como  aconteceu  com  O  Regresso do Cavaleiro das Trevas, um reflexo da época em que a história foi feita.

Editado pela DC Comics em 1986, Batman: O Cavaleiro das Trevas foi uma das primeiras histórias de banda desenhada a receber destaque na grande imprensa do mundo inteiro. Juntamente com Watchmen de Alan Moore e Dave Gibbons, já editado pela Levoir. Até hoje a sua influência faz-se sentir na indústria da BD do mundo inteiro. O Cavaleiro das Trevas inspirou autores a ousarem mais nas suas obras, enquanto levou muitos a cultivar uma estética violenta que quase se tornou padrão dos super-heróis no final dos anos oitenta e começo dos noventa.

Um dos contributos de Frank Miller neste livro para o universo DC foi a criação de Lana, a filha superpoderosa do Super-Homem e da Mulher-Maravilha. Resultado da união entre os dois mais poderosos heróis da DC, relação essa que se tornará canónica durante a fase dos Novos 52, a personagem de Lana irá ser uma das protagonistas de DKIII.: The Master Race, a continuação, ainda inédita em Portugal, deste O Cavaleiro das Trevas Volta a Atacar, que assinalou o regresso de Frank Miller após alguns anos de afastamento, motivado por doença. Obra tão controversa como incontornável, O Cavaleiro das Trevas Volta a Atacar confirma a vontade de arriscar, por parte de um autor que nunca descansou à sombra dos louros conquistados — e obras como Ronin, 300, O Regresso do Cavaleiro das Trevas, Batman: Ano Um, Sin City e Demoli-dor: Renascido já seriam mais do que suficientes para lhe assegurar um lugar no panteão dos melhores autores de comics de todos tempos — e que procurou explorar novos caminhos, mesmo que esses  não sejam necessariamente aqueles que a maioria dos seus leitores esperava que ele seguisse.

Colecção Batman 80 Anos #9: O Cavaleiro das Trevas Volta a Atacar - Parte 2, Frank Miller, Levoir, capa dura, cor, 11,90€

17 de abril de 2019

Top das vendas de BD em França de 1 a 7 de Abril de 2019

1º lugar (=) [2ª semana]
Le retour à la terre #6: Les Métamorphoses
Manu Larcenet, Jean-Yves Ferri
DARGAUD

2º lugar (novo)
Titeuf #16: Petite poésie des saisons
Zep
GLÉNAT

3º lugar (novo)
Les Mondes de Thorgal : La Jeunesse #7: La Dent bleue
Roman Surzhenko, Yann
LOMBARD


ASA e Público reúnem obra integral Spirou, 80 anos depois da sua criação


A ASA e o Público reúnem a obra integral Spirou da autoria de Franquin, 80 anos depois da sua criação.
Estamos perante um grande clássico da banda desenhada de aventuras, em que o Spirou e o seu inseparável Fantásio fazem história percorrendo o mundo, combatendo malfeitores, fazendo reportagens e inúmeras descobertas.

Para as crianças esta colecção apresenta aventuras fantásticas. Para os adultos, humor inteligente. Para todos, um clássico sempre jovem - e para muitos, um dos vértices da "Sagrada Trindade" da BD franco-belga clássica, a par de Tintin e Astérix. Junte-se numa viagem pelo mundo à boleia das aventuras de Spirou, do seu amigo inseparável Fantásio e do esquilo Spip.

Esta colecção, que resulta da parceria ASA/Público é composta por 11 volumes, alguns duplos e outros com várias histórias, e integra todas as aventuras de Spirou e Fantásio da autoria de Franquin, proporcionando assim uma compilação inédita em português.

Todas as quartas-feiras, entre 24 de Abril e 4 de Julho de 2019.

O PVP de cada álbum é de 11,90€.

Formato: 21,2*29,2cm, edição de coleccionador em capa dura

Títulos da colecção:

1. O feiticeiro de Champignac / Spirou e os herdeiros
2. Os ladrões do Marsupilami / O chifre do rinoceronte
3. O ditador e o cogumelo / A máscara misteriosa
4. O refúgio da moreia / Os piratas do silêncio
5. O gorila e outras aventuras
6. O dinossauro congelado e outras aventuras
7. Z de Zorglub / A sombra do Z
8. QRN sobre Bretzelburg / Sarilhos em Champignac
9. A herança e outras aventuras 
10. Os chapéus pretos e outras aventuras
11. Os elefantes sagrados e outras aventuras