24 de maio de 2017

Jim del Monaco: Ladrões do tempo

Já se encontra disponível o 9º álbum da série Jim Del Monaco, uma criação de Luís Louro e António José Simões.

Eis a sinopse de "Ladrões do tempo":

A inauguração de um museu de paleontologia, que esconde um poderoso segredo, está no centro de uma conspiração de perigosos extremistas amantes de práticas desviantes que desejam restabelecer a nova ordem mundial. Quando, inusitadamente, rebenta uma velha guerra de ossos, é revelada a verdade que deu buraco, o mesmo através do qual se inicia uma perseguição errática no tempo, que leva Jim Del Monaco ao regresso ao passado e a um salto ao futuro, sempre no encalço dos meliantes com ameaçadoras criaturas a morderem-lhe os calcanhares.

Jim Del Monaco vol. 9: Ladrões do Tempo, Tozé Simões e Luís Louro, ASA, 48 pp., cor, capa dura, 14,95€

Novos álbuns de Corto Maltese

Depois de, no mês de Abril, a Arte de Autor ter apresentado obras de dois dos maiores autores de banda desenhada Italianos (Manara e Serpieri), chegou agora a informação de que a editora passará a editar em Portugal o personagem Corto Maltese.

Este personagem, considerado por alguns a criação maior do autor italiano Hugo Pratt (e que foi publicado pela primeira vez na revista Sgt Kirk a 10 de Julho de 1967) comemora este ano 50 anos.

Mas 2017 é, no que refere a Pratt e a Corto Maltese, um ano de dupla efeméride, pois, se Pratt fosse vivo, completaria no próximo dia 15 de Junho 90 anos.
Para comemorar este duplo evento, a Arte de Autor irá publicar, em simultâneo, dois livros:

  • "A balada do mar salgado", em edição cartonada, a preto e branco com capa mate e verniz cartonado; esta edição, que conta com o prefácio de Umberto Eco e um caderno introdutório com aguarelas a cores, é limitada a 1000 exemplares.
  •  "Sob o sol da meia-noite", o último título assinado por Canales e Pellejero, o qual terá uma primeira edição a cores.
Sinopse do primeiro episódio das nova aventuras de Corto Maltese:

1915. Acabado de chegar ao Panamá acompanhado por Rasputine, Corto Maltese está novamente de partida! O destino é São Francisco e a sua Exposição Internacional onde espera encontrar um amigo de longa data, o escritor Jack London. Mas o autor de "O Apelo da Selva" dirige-se já para o México, a fim de efectuar uma reportagem sobre a revolução de Pancho Villa e ambos desencontram-se. Deixou no entanto uma mensagem pedindo a Corto que entregasse uma carta a uma certa Waka Yamada; esta, uma antiga estrela de ‘saloon’ em Dawson City durante a corrida para o ouro, havia-se convertido em militante contra o tráfego de brancas no Alasca. Em troca de lhe fazer chegar essa carta, London promete a Corto uma nova aventura… e um misterioso tesouro! Corto Maltese inicia assim um longo périplo pelas vastas extensões geladas do Grande Norte, numa viagem pautada por inúmeros perigos e ameaças. Porque, sob o sol da meia-noite, há outros predadores que rondam para além dos lobos e dos ursos… Criada pelos espanhóis Juan Díaz Canales e Ruben Pellejero, a obra é a primeira história do personagem Corto Maltese escrita sem a participação de Hugo Pratt, e foi inicialmente publicada em França em Setembro de 2015.

Os autores:

Juan Díaz Canales nasceu em Madrid em 1972. Desde muito novo que gosta de banda desenhada. Aos 18 anos, começou a trabalhar num estúdio de desenhos animados de nome “Lápiz Azul”, onde conhece Juanjo Guarnido, com quem trava uma grande amizade. Juan continuou a viver em Espanha enquanto Juanjo é contratado pelo novo estúdio que a Disney abriu em Paris. Apesar da distância, começam ambos a realizar um projecto comum que obtém um êxito fulgurante: Blacksad, série da qual acabam por publicar cinco volumes e a qual obteve, em Espanha, o Prémio Nacional del Comic 2014. Entretanto, Canales estuda Belas Artes na Universidade Complutense de Madrid, tendo decidido, em 1996, fundar a sociedade “Tridente Animación” juntamente com Teresa Valero e outros dois amigos. Desde então, a sua actividade profissional divide-se entre a sua faceta de desenhador de pré-produção para séries de televisão e longas-metragens de  animação, e a de argumentista de banda desenhada, a qual inclui obras como Los Patricios (desenhos de Gabor), ou Fraternity (desenhos de José Luis Munuera).

Rúben Pellejero nasceu em Badalona (Barcelona – Espanha), em 1952. Desenhador profissional desde 1970, dedica-se à BD a partir de 1982 com a publicação de Historias de una Barcelona. Com argumento de Jorge Zentner, assina as histórias As Memórias de Mr. Griffaton e, mais tarde, FM em Frequência Modulada. Dieter Lumpen surge em 1985. Em 1996, publica O Silêncio de Malka obra que no ano seguinte obtem, em Angoulême,  o Alph’Art para o Melhor Álbum Estrangeiro. Publica ainda  L’Impertinence d’un été (com Denis Lapière) e Loup de pluie (com Jean Dufaux), antes de retomar  Corto Maltese  em parceria com Juan Diaz Canales.

Os livros estão disponiveis no site www.artedeautor.pt  com distribuição na próxima semana  nas livrarias e na Feira do Livro de Lisboa.

Corto Maltese: A balada do mar salgado, edição comemorativa dos 50 anos, Hugo Pratt, Arte de Autor, 184 pp., p&b, 26,95€
Corto Maltese: Sob o sol da meia-noite, Juan Díaz Cañales e Rúben Pellejero, Arte de Autor, 88 pp., cor, 18,65€

Vega - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Tintin, 1978-1979
Stephen Desberg (argumento) e Felicíssimo Coria (desenhos)
Estreia em PortugalTintin #18/12º ano, 15 de Setembro de 1979

Histórias de filibusteiros.

Quadriculografia portuguesa:
  • O ouro dos amotinados (L’or des mutinés), 1979, Tintin #18/12º ano

23 de maio de 2017

Lançamento do 1º volume de Cockman


"Lugar Maldito", André Oliveira e João Sequeira

A Polvo prepara-se para lançar em Junho mais uma novidade da banda desenhada portuguesa. Dos autores de "Tormenta" surge a obra "Lugar Maldito". A obra terá apresentação no XIII Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja, dia 27 de Maio (Sábado), às 14h30, no Cine-Teatro Municipal Pax Julia, com a participação dos autores e do editor, Rui Brito. A sessão de autógrafos das 18 às 19h30. 

Sinopse da editora:
Nunca vos contaram do rapaz de carvão?
Tantas, tantas histórias…
Daquelas que escapam ao entendimento e flutuam na memória, às vezes durante toda uma vida.
Samuel e Maria estão em fuga. De tudo, de todos e até de si próprios. Assombrados pelo amor proibido que é o seu, decidem refugiar-se no sítio mais improvável: uma casa antiga, situada numa clareira de silêncios e caretos vigilante.
Entre o pó do carvão, inundada pelo cheiro a sangue e a cinzas, nada vai ser como dantes.
Lugar Maldito” é uma BD de terror à portuguesa, passada no Alto Douro. Porque os demónios, é sabido, também lá moram.

OS AUTORES

ANDRÉ OLIVEIRA. Lisboa, 1982. Licenciado em Design de Comunicação, é hoje copywriter e escritor. Co-editou a antologia de banda desenhada “Zona” e foi comissário da “Trienal Movimento Desenho, 2012”, tendo organizado o evento “BD ao Forte”. Editou curtas de banda desenhada na revista CAIS, de 2012 a 2016, e fez parte do colectivo TheLisbonStudio. Escreveu os livros de BD “Há Sempre um Eléctrico que Espera por Mim” (com Maria João Careto, Bedeteca de Beja), “Hawk”(com Osvaldo Medina, KingpinBooks), “Casulo” (com vários autores, KingpinBooks), “Vil – A Tragédia de Diogo Alves" (com Xico Santos, KingpinBooks), “O Incrível Tarantantan de Balbino o Esfutricador”(com Pedro Carvalho, KingpinBooks), “Tiras do Baralho!” (com Pedro Carvalho, El Pep), “Volta - O Segredo do Vale das Sombras”(com André Caetano, Polvo), “Tormenta”(com João Sequeira, Polvo), “Milagreiro”(com André Caetano, Filipe Andrade, Nuno Plati, Ricardo Cabral, Ricardo Tércio, Ricardo Drumond e Jorge Coelho, Polvo), os cinco primeiros números da série “LivingWill” (com Joana Afonso e Pedro Serpa, Ave Rara) e o primeiro da série “Gentleman” (com Ricardo Reis, Ave Rara). Ao longo do seu percurso, tem contado com várias exposições e prémios, entre os quais o Prémio Nacional de BD de “Melhor Argumento para Álbum Português”com “Hawk” (2014) e “Volta – O Segredo do Vale das Sombras” (2015).


JOÃO SEQUEIRA. Portalegre, 1971. Licenciado em Arquitectura (1995). Frequentou os cursos de Desenho na SNBA, Desenho e Pintura no atelier Arte Ilimitada, Banda Desenhada no CITEN e Design de Animação e Multimédia na ESTG-Portalegre. Faz BD desde 1994, tendo participado nos fanzines Alçapão, Gambuzine, Tertúlia BDzine e Efeméride. Ao longo dos anos, participou em diversas exposições individuais e colectivas com trabalhos de desenho e banda desenhada. Em 2005, publica o álbum “Metamorfina” (texto de Miguel Mocho e edição Bedeteca de Lisboa); em 2012, “Psicose” (texto de Miguel Costa Ferreira e edição da El Pep); em 2014, “F(r)icções“ (texto de Nuno Duarte e edição da El Pep) e, em 2015, “Tormenta” (texto de André Oliveira e edição da Polvo). Em 2010, ganha o 1º prémio (escalão A+) no festival de BD da Amadora com a BD “República” e em 2011o 1º prémio (escalão B) no festival Moura BD com a BD “Movimento perpétuo”, ambas com texto de Miguel Costa Ferreira. Em 2016, conquista o Prémio Nacional de BD de “Melhor Desenho para Álbum Português” com “Tormenta” e o mesmo álbum garante-lhe uma nomeação para o Galardão de Excelência na Ilustração da ComicCon Portugal.

Lugar Maldito, André Oliveira e João Sequeira, Polvo, 96 pp., p/b, cartonado, 12,90€

Tai-Dor - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Ficção Científica
(França) Éditions Novedi, 1987
Serge Le Tendre e Rodolphe (argumento) e Jean-Luc Serrano (desenho)
Estreia em Portugal: Álbum Meribérica, 1987
Outras publicações: Selecções BD (1ª série), Público Júnior


Tai-Dor é um mundo diferente com vegetação luxuriante povoado por animais fabulosos. Após passar o espelho-porta de acesso a este mundo, Tierrien Servin casa com a princesa Tanis, da qual tem um filho, Gilles de Tai-Dor, que, quando crescido, combaterá os inimigos. A partir de 1997, Serrano dá o seu lugar ao belga Luc Foccroulle.

Quadriculografia portuguesa:
  • As luvas de Tai-Dor (Les gants de Tai-Dor), 1987, Álbum Meribérica [1987]; Selecções #7 a #9; Público Júnior #47 a #69
  • A máscara de Tai-Dor (Le masque de Tai-Dor), 1988,  Álbum Meribérica [1989]; Público Júnior #76 a #99

22 de maio de 2017

XIII Festival Internacional de BD de Beja

O Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja realiza-se este ano entre os dias 26 de Maio e 11 de Junho, abraçando exclusivamente o Centro Histórico da cidade e em especial o Largo do Museu Regional, epicentro desta Festa da BD.

São 18, as exposições patentes ao público, e 10, os países representados, da Argentina à Dinamarca, passando por Angola e pela Roménia…

Para além das exposições, o Festival oferece aos visitantes uma Programação Paralela bastante diversificada onde pontuam as apresentações de projetos, as conversas à volta da BD, o lançamento de livros, as sessões de autógrafos, workshops, concertos desenhados, etc., etc.

Como não podia deixar de ser, o Festival tem também à disposição dos visitantes o Mercado do Livro - a maior livraria do país durante este período, com mais de 60 editores presentes - e uma zona comercial com várias tendas instaladas (venda de action figures, arte original, posters, prints, etc.).
               
O Festival inaugura sexta-feira, 26 de Maio, às 21h00, no Pax Julia – Teatro Municipal.

Na sexta-feira 26 e no sábado 27 as noites são de concertos desenhados (a programação só termina às 4h00 da manhã).

O primeiro fim-de-semana (26, 27 e 28 de Maio) reunirá grande parte dos autores representados nas exposições.

Para informações sobre o programa do Festival siga o link http://www.festivalbdbeja.com.