22 de outubro de 2017

Os Aristocratas - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Gli Aristocrati
Policial
(Itália) Il Corrieri del Ragazzo, 1973 - (Alemanha), Zack, 1982
Alfredo Castelli (argumento) e Ferdinando Tacconi (desenho)
Estreia em Portugal: Jornal do Cuto #114, 8 de Outubro de 1975


Os Aristocratas são um grupo de cinco ingleses (O Conde, Moose, Kurt, Pédro e Jane) que roubam aos ricos para doarem aos pobres, despistando com sucesso as diligências da Scotland Yard.

Quadriculografia portuguesa:
  • [1º episódio], Jornal do Cuto #114
  • Atrás das frias muralhas de Dartmoor, Jornal do Cuto #123
  • O assalto ao banco, Jornal do Cuto #137
  • A porta aberta, Jornal do Cuto #156
[actualizado a 22-1-2015]

Os Krostons - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Ficção científica
(Bélgica) Spirou, 1968-1999
Paul Deliège (argumento e desenho)
Estreia em Portugal: Álbum Assírio & Alvim, Julho de 1982
Outras publicações: Jornal da BD


Os Krostons são três pequenos diabinhos com chapéus vermelhos, decorados com uma caveira, e uns mantos verdes. Verdadeiros génios do mal, constroem planos maquiavélicos, por vezes, ridículos.

Quadriculografia portuguesa:


  • A passeata de um Kroston (Balade pour un kroston), 1973, Álbum Assírio e Alvim [1982]; Jornal da BD #183
[actualizado a 9-2-2015]

21 de outubro de 2017

Max Fridman - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Espionagem/Histórico
(Itália) Orient Express #1, Junho de 1982
Vittorio Giardino (desenhos e argumento)
Estreia em PortugalJornal da BD #243, 31 de Março de 1987
Outras publicações: Álbum Público/Edições ASA


Max Fridman, a obra mais prestigiada de Vittorio Giardino, é uma série de espionagem, ambientada em 1938, na Europa já a um passo da guerra.
Antigo espião francês, reformado e a viver na Suíça com a filha, Max é chantageado pelos dirigentes da contraespionagem de Paris e obrigado a voltar ao activo por uma missão, em Budapeste, onde a rede francesa (Rapsódia) está a ser aniquilada.
Esse é o ponto de partida para o primeiro episódio da série, “Rapsódia Húngara”, onde a disputa é intensa entre os franceses e os alemães nazis da Abwehr e os russos soviéticos da NKVD.
Pouco se sabe do passado de Max, um quarentão de barba ruiva, divorciado, a não ser que já esteve na Catalunha, fica nervoso com as armas de fogo, dificilmente é seduzido por mulheres mas é facilmente derrubado a soco. O apelido não engana, é judeu.
O primeiro episódio da série passa-se quase todo em Budapeste, mas também nas ilhas gregas, nos meses de Fevereiro e Março de 1938 e termina com o Anschluss, a anexação nazi da Áustria.
Ainda em 1938, Max Fridman vai estar em Istambul (“La Porta d’Oriente”) e na Catalunha (“No Pasaran”), nos outros dois títulos da série, inéditos em português.
Não tiverem a mesma receção que “Rapsódia Húngara”, lançada em 1982 na revista italiana Orient Express e que elevou Giardino ao estatuto de grande autor de BD.
Pela introdução que Giardino escreveu para a obra, fica-se a saber que tudo começou com a passagem do autor por Budapeste, em 1972, e com a intensa paixão pela cidade.
“Este é o lugar por onde começar, não pode ser outro. E a história chamar-se-á Rapsódia Húngara”, escreveu Giardino, que já tinha definido a época histórica, o período imediatamente anterior à II Guerra Mundial.
Budapeste era, então, um intenso entreposto de espionagem, onde se cruzavam todas as grandes potências da altura. Numa Europa onde o nazismo e o fascismo avançavam, a Hungria tentava manter algum equilíbrio democrático, sob a regência do almirante Horty.
Minucioso e elegante no desenho, Giardino é brilhante na reconstituição da Budapeste dos anos 30, o que logo se percebe com a primeira vinheta, uma magnífica representação da ponte Erzsebét, entre as margens de Buda e Peste. 
O traço realista de Giardino, que virá a ser excepcional em obras mais recentes (Little Ego ou Jonas Fink, por exemplo), é próximo da Linha Clara realista belga e por vezes, no arranque de Max Fridman, recorda Tardi.
A série destaca-se também pela elaboração do argumento, a um nível romanesco que é digno dos enredos de espionagem de Graham Greene. Sempre com uma visão social muito forte, refletindo os anos de militância comunista do jovem Vittorio Giardino.

Quadriculografia portuguesa:
  • Rapsódia Húngara (Rapsodia Ungherese), 1982, Jornal da BD #243 e #247; Álbum Público/Edições ASA [2011]
[actualizado a 24-1-2015]

Bóinas Verdes - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Tales of the Green Beret
Guerra
(EUA), 20 de Setembro de 1965
Joe Kubert (desenho) e Robin Moore (texto)
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #259, 14 de Setembro de 1978


Histórias de guerra dos soldados das Forças Especiais dos Estados Unidos da América. A série foi publicada sob a forma de tiras diárias e pranchas dominicais. Kubert desenha a série até Janeiro de 1968, sendo substituído por John Celardo.


Quadriculografia portuguesa:
  • [05-04-1966 a 16-06-1966] (Sucket Bait), Kubert e Moore, Mundo de Aventuras (2ª fase) #259
[actualizado em 10-2-2015]

28º Festival de BD da Amadora

A 28ª edição do AmadoraBD, organizado pela Câmara Municipal da Amadora, abre as portas já no dia 27 de Outubro. O núcleo central das exposições terá lugar mais uma vez no Fórum Luís de Camões.

A par das exposições, a programação inclui as habituais sessões de autógrafos, apresentações e lançamentos, sessões de cinema e workshops.

O tema da exposição central deste ano é “CONTAR O MUNDO - A reportagem em banda desenhada”, comissariada por Sara Figueiredo Costa e com cenografia de Catarina Pé-Curto. Nesta exposição sobre o que é, para muitos, o género nobre do jornalismo serão percorridos temas da actualidade e da história recente a partir de reportagens assinadas por jornalistas de muitas geografias que usam a banda desenhada como linguagem do seu trabalho, a solo ou em parceria. Será uma exposição sobre reportagem e jornalismo, com a particularidade de só mostrar obras em banda desenhada - assumindo a banda desenhada sem fronteiras muito delimitadas, porque serão expostos trabalhos como os de Constantin Guys que são ilustrações de determinados momentos. O que se pretende é mostrar trabalhos jornalísticos, ou a caminho de o serem, e levantar algumas questões sobre as fronteiras do jornalismo e da reportagem (a questão da objectividade, da imparcialidade e do apagamento do repórter no trabalho), mostrando que a escolha da banda desenhada como linguagem ajuda a levantar estas questões, colocando outras, também.

O autor em destaque é Nuno Saraiva, vencedor do Prémio de Melhor Álbum Português de Banda Desenhada 2016, com o álbum “Tudo Isto é Fado”, que reuniu um conjunto de curtas narrativas de BD publicadas na extinta revista Tabu do semanário Sol, entre 2014 e 2015, numa edição conjunta EGEAC/Museu do Fado e Sol. A exposição retrospectiva sobre os 30 anos de trabalho de Nuno Saraiva terá cenografia de Carlos Farinha.

Este ano a AmadoraBD estará também a comemorar os centenários de dois autores lendários, com duas exposições evocativas - Jack Kirby, com cenografia de Susana Vicente e Will Eisner com cenografia de Rui Horta Pereira. Estas exposições irão reunir pranchas de coleccionadores importantes como Tom Kraft, Bechara Maalaf e Denis Kitchen.

Jack Kirby (1917-1994) é reconhecido como um dos artistas mais influentes e prolíficos na banda desenhada. Ao lado do parceiro Joe Simon, teve o seu primeiro sucesso ao criar um patriótico herói, popular até aos dias de hoje, em Captain America Comics # 1 na Timely Comics (empresa mais tarde conhecida como Marvel). O estilo de Kirby apaixonou os leitores, com acções dinâmicas e personagens que mal se continham nas suas vinhetas. Ele regressaria à Marvel no início da década de 1960 e inaugurou a era da Marvel na banda desenhada com a criação dos Quatro Fantásticos, os Vingadores, Thor, Hulk e muitos outros. "The King" - como Stan Lee o apelidou apropriadamente - continuou a criar histórias e inspirar admiradores até à sua morte prematura em 1994. O seu trabalho inspirou uma geração de artistas profissionais e escritores modernos que continuam a explorar seus conceitos e personagens no cinema e na televisão, assim como na banda desenhada.

Jack Kirby foi e continua a ser uma força criativa fundamental na história da banda desenhada. Ele conseguiu mudar a maneira como olhamos para a banda desenhada, tendo inventado novos conceitos, novas ideias, centenas de novos personagens e mundos inteiramente novos. A sua linguagem visual e forma de desenhar foram absolutamente originais.” (Tom Kraft)

Will Eisner (1917-2005) foi o pai da novela gráfica americana e teve uma influência determinante na banda desenhada ao desenvolver estudos formais sobre a linguagem visual e narrativa e ao propor novos conteúdos e formatos, por exemplo, nas suas obras “The Spirit”, lançada na década de 1940, e “A Contract with God”, lançada em 1978. Foi reconhecido internacionalmente como um gigante no campo da arte sequencial, um termo que ele próprio inventou. Eisner deu nome aos “óscares” da banda desenhada - os Eisner Awards – que todos os anos premeiam as melhores publicações nas diversas categorias da nona arte.

Ele era respeitado e reverenciado em todo o mundo na medida em que ele nos permitia respeitá-lo e reverenciá-lo. Foi um professor e um inovador. Ele partiu de tal forma na dianteira, que o resto do mundo levou literalmente 60 anos para recuperar o atraso.” (Neil Gaiman, The Guardian)




Horário:
27 de Outubro: inauguração (21h30)
Segunda a Sexta: 9h00 às 17h00
Sábado, Domingo e Feriado: 10h00 às 21h00

Preços:
Bilhetes até aos 12 anos*: Gratuito
Público em Geral: 3 €
Munícipes da Amadora, estudantes, portadores de cartão-jovem, pensionistas e seniores (+65): 2€
Livre-Trânsito: 10 € (mediante inscrição na base de dados do AmadoraBD)
Gratuito para as escolas e instituições de solidariedade social da Amadora.
*os menores de 12 anos só podem entrar devidamente acompanhados por um adulto

Y, o último homem

Y the last man é a nova colecção da Levoir em parceria com o jornal Público. Y, o último homem é uma das obras mais premiadas nos últimos tempos e tem o selo da prestigiada Vertigo. A história foi escrita por Brian K. Vaughan e desenhada por Pia Guerra e José Marzán Jr.. A colecção possui dez tomos com os dois primeiros a serem lançados este mês e os restantes no próximo ano.,

Sinopse da série:
Quando em 2002 todas as criaturas com cromossoma Y morreram instantaneamente – sem qualquer explicação – a Terra mudou para sempre. A sociedade encontra-se à beira do colapso com o desaparecimento de mais de metade da população. As mulheres dominam o mundo, mesmo sabendo que não há salvação para a raça humana. O que elas não sabem é que por qualquer razão misteriosa, Yorick Brown e o seu macaco são os únicos machos que ainda caminham sobre a Terra. De um dia para o outro este jovem torna-se a pessoa mais importante do planeta e ao mesmo tempo a chave para decifrar todo este mistério. A namorada de Yorick vive no outro hemisfério, na Austrália, e nada o impedirá de ir ter com ela. Na sua viagem, homem e macaco descobrirão em conjunto quão valiosos se tornaram: um como prémio, o outro como alvo. Se conseguirem continuar vivos, eles vão descobrir o que matou todos os homens – e salvar o planeta.


Y - O Último Homem: Um mundo sem homens, Brian K. Vaughan, Pia Guerra e José Marzán Jr., Levoir, 128 pp., cor, capa dura, 12,90€ com o jornal Público

A Entediante Vida de Morte Crens

A Entendiante Vida de Morte Crens” é a novidade para este mês de Outubro da editora Bicho Carpinteiro. Esta obra leva o leitor a conhecer a morte de perto. Um universo caótico nos limiares da vida, onde Morte Crens, fadado ao seu trabalho sem fim, crítico, mal-humorado, sarcástico e comicamente trágico, vai divertir o leitor em cada tira com o seu ponto de vista sobre a vida, cativando-o com a sua “entediante” existência.

A Bicho Carpinteiro Edições orgulha-se de ter contribuído para a vinda de Gustavo Borges ao Festival da Amadora BD de 2017 com este lançamento exclusivo no festival mais importante do país. No dia 11 de novembro, às 18h30, Gustavo Borges, em conjunto com os editores/agentes artísticos André Morgado e Miguel Peres, apresenta este livro para todas as idades.

Gustavo Borges trabalha com BD e ilustração há três anos e já publicou quatro álbuns independentes: “A Entediante Vida de Morte Crens”, “A Entediante Família de Morte Crens”, “Edgar” (vencedor do HQ Mix na categoria “Melhor Álbum Independente de Autor”) ao lado de Giovane Mello e “Pétalas” com Cris Peter. Já participou em várias coletâneas como “321 Fast Comics”, “Tudo já foi dito”, “A Samurai” e “Memórias do Mauricio” (Panini/Mauricio de Sousa Produções).

A Entendiante Vida de Morte Crens, Gustavo Borges, Bicho Carpinteiro, capa mole, 64 pp., cor, 9 €

20 de outubro de 2017

Cro-Magnon - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Humorístico
(Bélgica) Super As, 1973-Hello Bédé, 1993
Bara (argumento e desenho)
Estreia em Portugal: Almanaque Tintin #7, janeiro de 1984

BofUmph e Scmurtz são personagens pré-históricos. Sob as ordens do seu chefe, evoluem em cenários exóticos onde vivem animais selvagens, entre os quais, a fêmea dinossauro Henriqueta. As histórias são apresentadas na forma de gags ou em histórias curtas.

Quadriculografia portuguesa:
  • A Henriqueta desapareceu (Henriette a disparu!), 1975, Almanaque Tintin #7
[actualizado em 28-12-2014]

Little Ego - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Erotismo
(Itália) Comic Art, 1983 - Éditions Glenat, 1988
Vittorio Giardino (texto e desenho)
Estreia em PortugalÁlbum Meribérica
Outras publicaçõesSelecções BD (2ª série)


Baseada na série de Winson MacCayLittle NemoLittle Ego tem sonhos libertinos e sensuais, acompanhados por belas mulheres e homens viris e sedutores. A série apresenta-se em histórias curtas.

Quadriculografia portuguesa:
  • Little Ego (Little Ego), 1989, Álbum Meribérica
  • [s.t.], Selecções BD #3, #5, #10, #15, #19, #24, #25, #28 e #30
[actualizado a 24-1-2015]

Vingadores #7

Está disponível, a partir de hoje, o sétimo número da revista Vingadores, numa edição da Goody.

Neste volume, os heróis da Terra conseguiram evitar um evento catastrófico graças a um novo inumano capaz de prever o futuro, mas o Homem de Ferro advertiu quanto ao perigo de voltarem a usar esses poderes, acreditando que é necessário deixar o futuro seguir o seu curso. A Capitã Marvel discordou, argumentando que para salvar vidas vale a pena correr o risco e, quando Ulysses previu o regresso de Thanos, liderou uma equipa para o interceptar. Thanos foi capturado, mas com um custo extremamente elevado: a Mulher-Hulk ficou em coma e o melhor amigo de Tony Stark, Rhodey, o Máquina de Guerra, foi morto em combate. Enquanto a tensão entre os super-heróis continua a subir de tom, o jovem Ulysses tem mais uma visão aterradora do futuro, desta vez envolvendo diretamente O Incrível Hulk. Proteger o futuro ou mudar o futuro? Uma coisa é certa: nada será como dantes!

Histórias:

Guerra Civil II #2-4
Argumento: Brian Michael Bendis
Arte: David Marquez e Olivier Coipel
Cores: Justin Ponsor

Visão vs. Kang
Argumento: Mark Waid
Arte: Adam Kubert
Cores: Sonia Oback

Não Cometas o Crime
Argumento: Gerry Duggan
Arte: Ryan Stegman
Cores: Richard Isanove

Inclui:
CIVIL WAR II (2016) #2-4 – por Brian Michael Bendis, David Marquez e Justin Ponsor; ALL NEW, ALL DIFFERENT AVENGERS (2015) #13 – Por Mark Waid, Adam Kubert e Sonia Oback; e ainda: UNCANNY AVENGERS (2015) #13– Por Gerry Duggan, Ryan Stegman e Richar Isanove.

Brunelle e Colin - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Histórico
(França) Djinn #43, 27 de Outubro de 1976 - Éditions Glenat, 1988
Robert Génin (argumento) e François Bourgeon (desenhos)
Estreia em Portugal: Álbum Meribérica, 1994


A série decorre na Idade Média, onde Brunelle, uma jovem princesa caprichosa, e Colin, um jovem pajem, enfrentam várias aventuras. Os dois adolescentes, que passam o tempo a brigar, não resistem a ser os maiores amigos do mundo. Em 1981, Bourgeon, assoberbado pelo trabalho na série Os Passageiros do Vento, deixa a série para o desenhador Didier Convard.  

Quadriculografia portuguesa:
  • Voo negro (Le vol noir), 1976, Bourgeon e Génin, Álbum Meribérica [1994]
[actualizado a 11-2-2015]

Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel - Comunicado da Salvat


Como é do conhecimento público, por motivos alheios à Salvat e que se prendem com o fecho de actividade da empresa que assegurava a distribuição quinzenal dos livros da Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel, essa comercialização sofreu grandes perturbações e atrasos, que se estenderam também aos seus assinantes. Contudo, a Salvat anuncia que retomou o serviço de distribuição de todas as suas colecções em Portugal, que tinha sido interrompido. Ainda assim, a Salvat pede desculpa aos seus fãs pelos incómodos causados.

A VASP é a empresa que doravante se ocupará da distribuição das colecções da Salvat nos vários pontos de venda a nível nacional. Se lhe falta algum exemplar, a empresa solicita que entre em contacto com o seu ponto de venda habitual, para poder continuar e completar a colecção.

Para os subscritores, o serviço será reactivado durante este mês, sendo que este será levado a cabo pela empresa VASP PREMIUM. Todas as questões ou dúvidas poderão ser esclarecidas via email: assinaturas@vasp.pt ou pelo telefone de apoio aos subscritores: 214 337 036.

19 de outubro de 2017

Os Cavaleiros Atómicos - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Atomic Knight
Super-heróis
(EUA) Strange Adventures #117, Junho de 1960
John Broome (argumentos) e Murphy Anderson (desenhos)
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #186, 19 de Julho de 1979


Após a catastrófica Guerra do Hidrogénio de 1986, o Barão Negro governa tiranicamente uma pequena parte do Centro-Oeste de Los Angeles. Para o defrontar, cinco cavaleiros, liderados pelo sargento Gardner Grayle, usam armaduras imunes às radiações atómicas das armas do Barão. Os cavaleiros, além de Grayle, são os gémeos Wayne e Hollis HobardBryndon Smith, o último cientista da Terra, Douglas Marene Herald.

Quadriculografia portuguesa:
  • O primeiro combate (The Rise of the Atomic Knights), 1960, Mundo de Aventuras (2ª fase) #186
  • A ameaça da criatura de cristal (The Menace of the Water-Raider), 1960, Mundo de Aventuras (2ª fase) #195
  • Os homens das cavernas de Nova Iorque (The Cavemen of New York), 1960, Mundo de Aventuras (2ª fase) #204
  • A cidade perdida de Los Angeles (The Lost City of Los Angeles), 1961, Mundo de Aventuras (2ª fase) #214
  • ... Mundo fora do tempo! (World Out of Time), 1961, Mundo de Aventuras (2ª fase) #231
  • Dia de acção de graças - 1990! (Thanksgiving Day-1990), 1961, Mundo de Aventuras (2ª fase) #245
  • Guerra em Washington! (War In Washington), 1962, Mundo de Aventuras (2ª fase) #275
  • O ataque dos cães gigantes (The Attack of the Giant Dogs), 1962, Mundo de Aventuras (2ª fase) #302
  • Quando a Terra escurece (When the Earth Blacked Out), 1962, Mundo de Aventuras (2ª fase) #335
  • O rei de Nova Orleãs (The King of New Orleans), 1962, Mundo de Aventuras (2ª fase) #497
[actualizado a 25-01-2015]

O Ciclo de Cyann - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Le Cycle de Cyann
Ficção Científica
(França) À Suivre #182, 1993
François Bourgeon (argumento e desenhos)
Estreia em Portugal: Álbum Meribérica, 1994
Outras publicações: Álbum Edições ASA


Cyann, bela e cínica jovem, é filha do Senhor dos Olsimar, a casta que dirige o planeta, da qual é a herdeira. Nacara, loura e persistente, é sua amiga, trabalhando para ser reconhecida pelos membros do seu clã. A Febre Vermelha, uma terrível doença, dizima os homens do planeta Ilo. As duas jovens são encarregues de organizar uma expedição ao longínquo planeta Ohl para trazerem um antídoto para a Febre Vermelha

Quadriculografia portuguesa:
  • A fonte e a sonda (Le source et la sonde), 1993, Álbum Meribérica [1994]
  • Seis estações em Ilo (Six Saisons sur Ilo), 1996, Álbum Meribérica [1997]
  • Aieia de Aldaal (Aieia d'Aldaal), 2005, Álbum Edições ASA [2005]
  • As cores de Marcade (Les couleurs de Marcade), 2007, Álbum Edições ASA [2007]
[actualizado a 11-2-2015]

18 de outubro de 2017

Aí está o novo Astérix!


Top das vendas de BD em França de 2 a 8 de Outubro de 2017

1º lugar (novo)
Largo Winch #21: L’Étoile du matin (version classique)
Philippe Francq, Éric Giacometti
Dupuis

2º lugar (novo)
Les Légendaires #20: World Without - Le Royaume des larmes
Patrick Sobral
Delcourt

3º lugar (novo)
Walking Dead #28: Vainqueurs
Charlie Adlard, Stefano Gaudiano, Robert Kirkman
Delcourt


Os Companheiros do Crepúsculo - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Les Compagnons du Crépuscule
Histórico
(França) À Suivre #61, Fevereiro de 1983 - À Suivre #144, Janeiro de 1990
François Bourgeon (argumento e desenhos)
Estreia em Portugal: Álbum Meribérica, 1989


A acção decorre no século XIV, mais precisamente entre Julho de 1350 e a Primavera do ano seguinte. Depois de treze anos, consome-se a ruptura entre Eduardo III de Inglaterra e o seu primo Filipe VI de Valois, iniciando-se a célebre Guerra dos 100 Anos. Neste contexto conturbado encontramos as três personagens da série: um Cavaleiro sem nome e face, a maliciosa Mariotte e o jovem Anicet

Quadriculografia portuguesa:
  • O sortilégio do bosque das brumas (Le sortilége du bois des brumes), 1983, Álbum Meribérica [1989]
  • Os olhos de estanho da cidade glauca (Les yeux d'etain de la ville glauque), 1985, Álbum Meribérica [1989]
  • O último canto dos Malaterre (Le dernier chant des Malaterre), 1988, Álbum Meribérica [1989]
[actualizado a 11-2-2015]

Hanuram: A Fúria

Chega às livrarias na próxima semana o livro "Hanuram: A Fúria", de Ricardo Venâncio, um dos nossos mais talentosos desenhadores nacionais. Este volume teve uma distribuição em bancas em Agosto, mas chegará agora a todas as livrarias, juntamente com a versão inglesa.

Hanuram é também uma das edições da parceria da G. Floy com a ComicHeart, que entre outras coisas terá originais do álbum (e de muitos outros autores nacionais) na Amadora, onde as duas editoras partilham um stand.

HANURAM o Dourado... HANURAM, o Desgraçado!

Longe estão os teus dias de glória. Longe estão os dias em que me honravas com metal e morte. Como te sentes sabendo que o mundo te persegue? Que não importa o quanto corras, onde te escondas, não escaparás à minha Fúria

Os deuses decidiram perseguir Hanuram e fazer dele um exemplo. Mas se há uma coisa que Hanuram não tem, é humildade. Estas são as histórias das suas batalhas.

Ricardo Venâncio é um ilustrador de Lisboa, que ao longo de 18 anos de trabalho profissional trabalhou em animação, ilustração editorial, concept design, storyboard, para publicidade e banda desenhada. Quando tinha 12 anos, Ricardo dividia o seu tempo livre entre ler BD e pesquisar entradas sobre Mitologia Grega na enciclopédia dos pais. 

Num dos seus primeiros álbuns a solo como autor completo, Ricardo Venâncio juntou algumas histórias curtas que já tinha criado ao longo de vários anos, com páginas criadas para este livro, num álbum que serve de introdução ao seu universo de fantasia heróica. Com um dinamismo invulgar no seu desenho e composição, e com um toque de humor e auto-crítica do género da fantasia e dos seus clichés, apresenta-nos o seu protagonista, Hanuram, amaldiçoado pelos deuses, preso na sua armadura dourada e condenado a vaguear pelo mundo inóspito e hostil que é o dele.

Ricardo Venâncio coloca todas as suas peças numa espécie de in media res, com Hanuram “a caminho”. Não sabemos de onde parte nem o que pretende alcançar, mas há algo na sua movimentação que o coloca numa rota de colisão com os grandes deuses deste mundo. A Fúria é assim um início auspicioso e perigoso para a personagem...”
Pedro Vieira de Moura - Lerbd.blogspot.pt

Hanuram: A Fúria está também disponível em versão inglesa, Hanuram: The Fury.

Hanuram: A Fúria, Ricardo Venâncio, G. Floy/Comic Heart, Formato Comic Deluxe, 48 pp. a cores, capa dura, 11,99€

Y, O Último Homem, uma banda desenhada de ficção científica pós-apocalíptica publicada pela DC na sua chancela Vertigo entre Setembro de 2002 e Março de 2008, ao longo de 60 comic books, será o próximo lançamento da Levoir com distribuição com o jornal Público.

Escrita por Brian K. Vaughan e desenhada por Pia Guerra, contou ainda com a colaboração de Goran Sudžuka e Paul Chadwick. Foi arte-finalizada por José Marzán Jr. A série foi galardoada com 3 Prémios Eisner.

A saga é editada em dois volumes: Volume 1- Um Mundo sem Homens e Volume 2- Ciclos, inéditos em português, em edição de coleccionador. Irão estar à venda nos próximos dias 19 e 26 de Outubro com o jornal Público por mais 12,90€ cada livro.  

“A melhor BD que alguma vez leu”- Stephen King




Sinopse:
Quando em 2002 todas as criaturas com cromossoma Y morreram instantaneamente – sem qualquer explicação – a Terra mudou para sempre. A sociedade encontra-se à beira do colapso com o desaparecimento de mais de metade da população. As mulheres dominam o mundo, mesmo sabendo que não há salvação para a raça humana.

17 de outubro de 2017

John Carter de Marte - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Heroic-Fantasy
(EUA) Tarzan #207, 1972
Marv Wolfman (argumentos) e Murphy Anderson (desenhos)
Outros artistas: Gray Morrow, Sal Amendola, Howard Chaykin, Noly Zamora 
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #159, 14 de Novembro de 1974
Outras publicaçõesÁlbum Agência Portuguesa de Revistas


Numa adaptação da obra de Edgar Rice BurroughsJohn Carter é um cowboy do séc. XIX que, durante uma fuga no deserto, acaba teleportado para Marte, onde descobre que adquire superpoderes devido à baixa gravidade.


Quadriculografia portuguesa:
  • A chegada (The arrival), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Prisioneiro dos Tarks (Prisioner of the Tarks), 1972, Morrow e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Encontro com a princesa (-), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Tribunal do medo (Trial of fear), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #59; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • A fuga (Escape), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #66; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • O vale da morte (The arrival), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #66; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Thuvia, a castelã do inferno (Thuvia), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #66; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Perigo de morte (Deathknell), 1972, Anderson e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #76; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • No fundo do mar Omean (Beneath the Omean Sea), 1972, Amendola e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #76; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • Reunião (Reunion), 1972, Chaykin e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #76; Álbum Agência Portuguesa de Revistas [1975]*
  • A prisioneira de Esmeralda (-), 1972, Zamora e Catan e Wolfman, Mundo de Aventuras (2a fase) #209
* colectânea
[actualizado a 25-1-2015]

Revista Mickey nº 3 nas bancas

Histórias nesta edição:

DARKENBLOT O FUTURO JÁ ESTÁ AQUI AS MARAVILHAS DE AVANGARD CITY – EPISÓDIO I
Texto de: Casty
desenhos de: Lorenzo Pastrovicchio

DARKENBLOT O FUTURO JÁ ESTÁ AQUI AS MARAVILHAS DE AVANGARD CITY – EPISÓDIO II
Texto de: Casty
desenhos de: Lorenzo Pastrovicchio

DARKENBLOT O FUTURO JÁ ESTÁ AQUI AS MARAVILHAS DE AVANGARD CITY – EPISÓDIO III
Texto de: Casty
desenhos de: Lorenzo Pastrovicchio

GASTÃO E A FATURA Nº 3000
Texto de: Carlo Panaro
desenhos de: Marco Gervasio

O MANUAL DO SUPER-HERÓI SEM PODERES
Texto de: Gabriele Mazzoleni
desenhos de: Antonello Dalena

TIO PATINHAS e o SATÉLITE PESQUISADOR
Texto de: Evert Geradts
desenhos de: Sander Gulien


Os Passageiros do Vento - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Les passagers du vent
Histórico
(França) Circus #18, 2º Trimestre de 1979
François Bourgeon (argumento e desenhos)
Estreia em Portugal: Álbum Meribérica, 1982
Outras publicações: Jornal da BD, Álbum Edições ASA, Álbum Público/Edições ASA


Isa e a sua amiga Mary vivem uma série de aventuras a bordo do navio negreiro Marie-Caroline, numa epopeia marítima dos finais do século XVIII. A série retrata o negócio mórbido da escravatura. 

Quadriculografia portuguesa:
  • A rapariga do tombadilho (La fille sur la dunette), 1979, Álbum Meribérica [1983]; Jornal da BD #65 a #71; Álbum Público/Edições ASA [2009]
  • O pontão (Le ponton), 1980, Álbum Meribérica [1983]; Jornal da BD #97 a #104; Álbum Público/Edições ASA [2009]
  • A feitoria de Judá (Le comptoir de Judá), 1980, Álbum Meribérica [1984]; Jornal da BD #105 a #112; Álbum Público/Edições ASA [2009]
  • A hora da serpente (L'heure du serpent), 1981, Álbum Meribérica [1984]; Jornal da BD #121 a #128; Álbum Público/Edições Edições ASA [2009]
  • Ébano (Le bois d'ébène), 1983, Álbum Meribérica [1990]; Álbum Público/Edições ASA [2009]
  • A menina de Bois-Caiman - Livro 1 (La Petite Fille Bois-Caïman - Livre 1), 2009, Álbum Público/Edições ASA; Álbum Edições ASA [2009]
  • A menina de Bois-Caiman - Livro 2 (La Petite Fille Bois-Caïman - Livre 2), 2010, Álbum Edições ASA [2010]
[actualizado a 11-2-2015]

16 de outubro de 2017

Calvin e Hobbes - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Humorístico
(EUA) Universal Press Syndicate, 18 de Novembro de 1985 - 31 de Dezembro de 1985
Bill Watterson (argumento e desenho)
Estreia em Portugal: Jornal Público
Outras publicações: Álbum Gradiva, Álbum Gradiva/Público


Calvin é um garoto de seis anos de idade cheio de personalidade, que tem como companheiro Hobbes, um fictício tigre sábio e sádico, que para ele está tão vivo como um amigo verdadeiro, mas para os outros não é mais que um tigre de pelúcia. De acordo com algumas visões, as fantasias mirabolantes de Calvin constituem frequentemente uma fuga à cruel realidade do mundo moderno para a personagem e uma oportunidade de explorar a natureza humana para Bill Watterson.

Quadriculografia portuguesa:
  • Calvin e Hobbes (Calvin & Hobbes), Álbum Gradiva/Público [1992]
  • Há monstros debaixo da cama (Something Under the Bed Is), 1988, Álbum Gradiva [1992]
  • O essencial de Calvin & Hobbes (The Essential Calvin and Hobbes), 1988, [colectânea], Álbum Gradiva [1997]
  • Viva o Alasca (Yukon Ho), 1989, Álbum Gradiva [1993]
  • Plácidos Domingos (The Calvin and Hobbes Lazy Sunday Book), 1989, [colectânea], Álbum Gradiva [1992]
  • Monstros de outro planeta (Weirdos from Another Planet!), 1990, Álbum Gradiva [1993]
  • A última antologia (The Authoritative Calvin and Hobbes), 1990, [colectânea], Álbum Gradiva [1998]
  • A noite da grande vingança (The Revenge of the Baby-sat), 1991, Álbum Gradiva [1993]
  • Progresso científico... Uma treta  (Scientific Progress Goes "Boink"), 1991, Álbum Gradiva [1993]
  • O ataque dos demónios da neve (Attack of the Deranged Mutant Killer Monster Snow Goons), 1992, Álbum Gradiva [1994]
  • O indispensável de Calvin e Hobbes (The Indispensable Calvin and Hobbes), 1992, Álbum Gradiva [1998]
  • Que dias tão cheios (The Days are Just Packed), 1993, Álbum Gradiva [1994]
  • O tigre assassino ataca de novo (Homicidal Psycho Jungle Cat ), 1994, Álbum Gradiva [1995]
  • Parabéns Calvin & Hobbes (The Calvin and Hobbes Tenth Anniversary Book ), 1995, [colectânea], Álbum Gradiva [1995]
  • Há tesouros por toda a parte (There's Treasure Everywhere), 1996, Álbum Gradiva [1996]
  • É um mundo mágico (There's Treasure Everywhere), 1996, Álbum Gradiva [1996]
  • Páginas de Domingo (Calvin and Hobbes: Sunday Pages 1985-1995), [colectânea], 2001, Álbum Gradiva [2001]
[actualizado a 11-2-2015]

15 de outubro de 2017

Archie Cash - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Spirou, #1745, 23 de Setembro de 1971 - Spirou #2590, 1 de Dezembro de 1987
Jean-Marie Brouyère (argumento), Malik (desenhos)
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #162, 4 de Novembro de 1976 
Outras publicações: Spirou (2ª série), Jornal da BD


Archie Cash, retrato da fisionomia do actor Charles Bronson, é um combatente musculado que quer manter a ordem no pequeno estado fictício sul-americano de Toro-Toro, palco de permanentes revoluções de pacotilha. Sob o sol tropical, com belas raparigas, ditadores e traficantes, Archie Cash actua como um verdadeiro Rambo. Inicialmente escrita por Jean-Marie Brouyère, seguem-lhe Smit, Teeseling e Terence. Após quinze álbuns, Malik, o desenhador, interrompe, definitivamente, a série em 1988. 

Quadriculografia portuguesa: 
  • O desertor de Toro-Toro (Le déserteur de Toro–Toro), 1971, Mundo de Aventuras (2ª fase) #221
  • O encontro com Animoso (Face à Animoso), 1971, Mundo de Aventuras (2ª fase) #230
  • O comboio infernal (Un train d’enfer), 1972, Mundo de Aventuras (2ª fase) #256
  • Animoso em Toro-Toro (Animoso à Toro–Toro), 1972, Mundo de Aventuras (2ª fase) #198
  • O mestre do tenebroso (Le maître de l’épouvante), 1972, Mundo de Aventuras (2ª fase) #162 a #163
  • O carnaval dos zombies (Le carnaval des zombies), 1973, Mundo de Aventuras (2ª fase) #178 a #179
  • Black Mygale, 1974, Mundo de Aventuras (2ª fase) #270
  • Alvos para Long Thi (Cibles pour Long Thi), 1975,  Spirou (2ª série) #1 a #22; Jornal da BD #74
[actualizado a 26-1-2015]

Novas edições da Marvel pela Goody


Continuando a apostar na edição de Banda Desenhada Marvel em versão portuguesa, a Goody, depois do lançamento das linhas Homem-Aranha e Os Vingadores, que chegam às bancas todas as semanas intercalando entre uma linha e outra, lança agora no próximo dia 24 de outubro a linha Marvel Especial.

Com uma periodicidade mensal, é dedicada a todos os restantes heróis da Casa das Ideias, que, na mesma linha temporal contemporânea de Homem-Aranha e Os Vingadores, estejam com lançamentos relevantes. A primeira série conta com 10 volumes.

CALENDÁRIO DOS PRIMEIROS LANÇAMENTOS:

24 OUT 2017: Marvel Especial Vol.1 - Deadpool (com o primeiro arco de história do comic Deadpool #1 a #5 e Deadpool 900)

21 NOV 2017: Marvel Especial Vol.2 - O Velho Logan (composto por “Old Man Logan” #1 a #5)

19 DEZ 2017: Marvel Especial Vol.3 - Guardiões da Galáxia (reúne Guardians of the Galaxy: Mother Entropy #1 a #5 + Guardians of the Galaxy Team Up 10 (Rocket/Deadpool)

CARACTERÍSTICAS
Formato: 168 x 260 mm
Encadernação: capa mole, lombada
Nº de páginas: 128
PVP: €7,90
Periodicidade: Mensal

As Cidades Obscuras - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Fantástico
(França) A Suivre #53, Junho de 1982
Benoît Peeters (argumento) e François Schuiten (desenhos)
Estreia em Portugal:
 Álbum Edições 70, 1987
Outras publicações: Álbum Meribérica, Álbum Witloof, Álbum Edições ASA


O enredo destas histórias desenvolvem-se num universo paralelo ao nosso.

Quadriculografia portuguesa:
  • As muralhas de Samaris (Les murailles de Samaris), 1983, Álbum Witloof [2003]
  • A febre de Urbicanda (La fièvre d'Urbicande), 1985, Álbum Edições 70 [1987]
  • A torre (La tour), 1986, Álbum Edições 70 [1989]
  • O arquivista (L'archiviste), 1987, Álbum Meribérica-Líber [2003]
  • Brusel (Brusel), 1991, Álbum Meribérica-Líber [1993]
  • A menina inclinada (L'enfant penchée), 1994, Álbum Meribérica-Líber [1999]
  • A sombra de um homem (L'ombre d'un homme), 1998, Álbum Meribérica-Líber [2000]
  • A fronteira invisível - Tomo I (La frontière invisible), 2002, Álbum Witloof [2002] 
  • A teoria do grão de areia - Tomo I (La théorie du grain de sable - Tome I), 2007, Álbum Edições ASA [2009]
  • A teoria do grão de areia - Tomo II (La théorie du grain de sable - Tome II), 2008, Álbum Edições ASA [2010]
[actualizado a 12-2-2015]

Platinum End #3

A Devir prepara-se para lançar um novo volume da série Platinum End.

Neste volume, depois da tragédia no Estádio de Jinbo, Mirai e Saki deparam-se com Nanato Mukaido, um novo candidato a Deus… amigo ou inimigo?

Platinum End #3, Tsugumi Ohba e Takeshi Obata, Devir, 208 pp., p&b, capa mole, 9,99€

14 de outubro de 2017

Modesty Blaise - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Policial
(Grã-Bretanha) The Evening Standard, 13 de Maio de 1963 - 11 de Julho de 2002
Peter O'Donell (argumento) e Jim Holdaway (desenho)
Outros autores: Enrique Romero
Estreia em Portugal: Pim Pam Pum
Outras publicações: Comix (Portugal Press), Álbum Gradiva


A série é inspirada na literatura de espionagem dos anos 60 do século XX. A bela Modesty, após ser líder de uma organização criminal, passa a ser um dos mais fieis agentes dos serviços secretos britânicos.  

Quadriculografia portuguesa:
  • #0001-#0114 - La machine (La machine), 1963, Álbum Gradiva [1986] [1]
  • #0115-#0211 - A alavanca (The Long Lever), 1963, Álbum Gradiva [1986] [1]
  • #0212-#0354 - A trama de Gabriel (The Gabriel Set-Up), 1963, Álbum Gradiva [1986] [1]
  • #1386-#1481 - Alarme na cidade (The Jericho Caper), 1967, Comix #9
*Colectânea com 3 episódios
[actualizado a 28-1-2015]

Lance - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Western
(EUA) 5 de Junho de 1955 - 29 de Maio de 1960
Warren Tufts (texto e desenho)
Estreia em Portugal: Cavaleiro Andante #238, 21 de Julho de 1956
Outras publicações: Mundo de Aventuras (1ª fase)Condor PopularÁguia (1ª série)Tigre (1ª série), Mundo de Aventuras (2ª série)Mundo de Aventuras Especial, Álbum Livros de Papel, Álbum Libri Impressi


Amigo de infância de Kit Karson, filho do marquês de Saint-Lorne, aluno da Academia de West-Point, o tenente Lance Saint-Lorne é um jovem sedutor e ambicioso. As suas aventuras iniciam-se no forte fronteiriço de Leavenworth, onde na companhia do sargento Blaze faz reconhecimentos de territórios ainda desconhecidos do Oeste norte-americano. A descoberta é de um mundo diferente com índios hostis num ambiente perfeitamente selvagem. Enamora-se da bela Valle, sua companheira de aventura após a sua nomeação para comandante dos Mounted Rangers. A série termina após cinco anos de aventuras com a partida de Lance com os colonos para a Califórnia. 
As aventuras foram desenhadas em 261 pranchas dominicais a cores e durante um ano (1957/1958) houve tiras diárias não numeradas a preto e branco. 
A estreia em Portugal deu-se na revista Cavaleiro Andante com o nome de «Flecha».

Quadriculografia portuguesa:
  • #1 (05.06.1955) a #78 (25.11.1956) - (Loud Thunder+Trappers and scouts+The Beginning+Kit Carson), Cavaleiro Andante #238 a #328
  • #1 (05.06.1955) a #15 (11.09.1955) - (Loud Thunder), Mundo de Aventuras Especial #16
  • #1 (05.06.1955) a #22 (30.10.1955), Mundo de Aventuras (2ª série) #288 a #309
  • #16 (18.09.1955) a #26 (27.11.1955) - Mundo de Aventuras Especial #19
  • #27 (04.12.1955) a #41 (11.03.1956) - Mundo de Aventuras Especial #27
  • #59 (15.07.1959) a #78 (25.11.1956) - (Kit Carson), Mundo de Aventuras Especial #13
  • #79 (02.12.1956) a #85 (13.01.1957) - Raio de Luar (Many Robes), Cavaleiro Andante #329 a #335
  • #86 (20.01.1957) a #114 (10.08.1957) - A rebelde Valle (Valle), Condor Popular #8 (25º vol.)
  • #140 (02.02.1958) a #161 (29.06.1958) - O rapto de Valle (Washington+Bill Benedict), Mundo de Aventuras (1ª série) #533
  • #189 (11.01.1959) a #201 (05.04.1959) - Missão no México (The war whith Mexico) , Mundo de Aventuras (1ª série) #539
  • #244 (31.01.1960) a #261 (29.05.1960) - A conquista da Califórnia (Nelly Gray), Mundo de Aventuras (1ª série) #581
  • ?, Lance contra os rebeldes, Águia (1ª série) #21
  • ?, Gigantes sobre a neve, Mundo de Aventuras (1ª série) #557
  • ?, A mulher-diabo, Tigre (1ª série) #64
  • ?, O regresso do Terror do Mar, Mundo de Aventuras (1ª série) #563
  • ?, Os assaltantes misteriosos, Mundo de Aventuras (1ª série) #574
  • #1 (05.06.1955) a #71 (07.10.1956), Álbum Livros de Papel [2007]
  • #71 (07.10.1956) a #123 (06.10.1957)*, Álbum Libri Impress [2009]
  • #123 (06.10.1957) a #184 (07.12.1958)**, Álbum Libri Impress [2011]
  • #184 (07.12.1958) a #261 (29.05.1960), Álbum Libri Impress [2012]
*contém a daily-strip a P&B de 14.01.1957 a 05.10.1957 
**contém a daily-strip a P&B de 08.10.1957 a 15.02.1958
    [actualizado a 28-1-2015]

    Condor - Ensaio de quadriculografia portuguesa

    Ficha técnica:
    Aventura
    (França) Charlie Mensuel #117/1ª série, Outubro de 1978 - Okapi #610, Julho de 1997
    Jean-Pierre Autheman (argumento e desenhos)
    Outros artistas: Dominique Rousseau
    Estreia em Portugal: Álbum Meribérica, 1988
    Outras publicações: Selecções BD (1ª série), Público Júnior

    Comandante do barco MoénaCondor é o tipo de velho aventureiro. Transportando, por vezes, mercadoria suspeita, o Moéna navega por todos os mares do globo. Condor, acompanhado pelo cozinheiro chinês Yango, estaciona, por vezes, em Marselha, o seu refúgio de paz. É nesta cidade francesa que conhece o inspector Marius Casanova que o acompanha na luta contra os malfeitores. Após um primeiro episódio, Autheman cede o desenho a Dominique Rousseau.

    Quadriculografia portuguesa:
    • O refém (L'otage), 1984, Rousseau e Autheman, Público Júnior #24 a #47; Álbum Meribérica 
    • Alerta em África (Alerte en Afrique), 1984, Rousseau e Autheman, Selecções BD (1ª série) #17 a #19; Álbum Meribérica
    [actualizado em 12-2-2015]

    Hop! #154

    Com algum atraso, chegou-me o número 154 da Hop!, revista francesa trimestral de informações e estudos sobre banda desenhada.

    O artista convidado deste número é Jidéhem, com uma longa entrevista e o habitual recenseamento bibliográfico do autor. Além de inúmeras informações do movimento editorial, quer no mercado francófono, mas também no norte-americano, espanhol e italiano, podemos ler a quarta parte da entrevista a Jean Olivier, assim com a continuação da sua extensa bibliografia.

    Finalmente, o habitual obituário, com resenhas biográficas dos autores recentemente desaparecidos.

    Hop! #154, juin 2017, 64 pp., p&b, 8,90€

    13 de outubro de 2017

    Taxi - Ensaio de quadriculografia portuguesa

    Ficha técnica:
    Policial
    (Espanha) Cimoc, 1988 - 1992
    Alfonso Font (argumento e desenhos)
    Estreia em Portugal: Selecções BD (1ª série) #9, Janeiro de 1989

    Loura e bonita, Taxi, é uma taxista jornalista, especializada em investigações juntos de multinacionais que não cumprem a legislação. 


    Quadriculografia portuguesa:
    • O labirinto do dragão (?), Selecções BD (1ª série) #9, #20 e #22 
    • A noite agitada (?), Selecções BD (1ª série) #17
    [actualizado a 28-1-2015]

    Charlotte Poireau - Ensaio de quadriculografia portuguesa

    Ficha técnica:
    Quotidiano
    Jean-Claude Poirier (argumento e desenho)
    (França), Tintin, 1978-1980
    Estreia em Portugal: Tintin #33/13º ano, 27 de Dezembro de 1980


    Charlotte Poireau é uma senhora idosa que sabe defender-se quando se sente ameaçada. Charlotte não gosta de ninguém, excepto dos seus peixinhos vermelhos. Com esta série, o leitor descobre o quotidiano de uma avó perfeitamente normal.


    Quadriculografia portuguesa:
    • Mistério e pastilha elástica (Mystère et boule de gomme), 1980, Tintin #33 a #34/13º ano
    • O perfume da dama no escuro (Le parfum de la dame dans le noir), 1980, Tintin #5/14º ano
    [actualizado a 12-2-2015]

    Novos fanzines de José Pires

    As edições do mês de Outubro dos fanzines editados por José Pires (gussy.pires@sapo.pt) são as seguintes:

    - Volume 10º de Terry e os Piratas

    - Matt Marriott - 61º episódio - O Xerife Hayden

    - O Último dos Moicanos - adaptação de David Ashford

    José Pires informa da sua intenção em editar em português a série Rob the Rover em 30 volumes, caso haja um número interessante de aderentes. Relembrar que a primeira edição foi feita em inglês.




    Homem-Aranha #6

    Está disponível a partir de hoje o sexto volume da revista Homem-Aranha, uma edição portuguesa da Goody.

    Sinopse: A comunidade de super-heróis conseguiu impedir uma invasão alienígena graças ao poder de precognição de um novo e misterioso Inumano chamado Ulysses. Todos concordam que ter esta capacidade de prever o futuro é algo extremamente poderoso e que acarreta uma tremenda responsabilidade. Mas será que é seguro confiar neste inumano e nas suas visões do futuro? Qual será a melhor forma de utilizar esta habilidade? São estas e outras questões que estão na base de uma tensão crescente entre os vários super-heróis, onde se inclui naturalmente o espetacular Homem-Aranha (Peter Parker)… e o jovem Miles Morales. É impossível escondê-lo: a comunidade de super-heróis da Marvel está prestes a viver um dos acontecimentos mais importantes da sua história.

    Histórias:
    Guerra Civil II (Peter Parker)
    Argumento: Christos Gage
    Arte: Travel Foreman
    Cores: Rain Beredo

    Guerra Civil II (Miles Morales)
    Argumento: Brian Michael Bendis
    Arte: Nico Leon
    Cores: Marte Gracia

    Inclui: CIVIL WAR II: AMAZING SPIDER-MAN (2016) #1-4 – Christos Gage e Travel Foreman;
    e ainda: SPIDER-MAN (2016) #6-7 – Por Brian Michael Bendis e Nico Leon.