11 de dezembro de 2017

Armazém Central - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Magazin Géneral
Crónica social
(França) Casterman, Março de 2006
Régis Loisel e Jean-Louis Tripp (argumento e desenho)
Estreia em Portugal: Álbum Edições ASA, Janeiro de 2007


A história de Armazém Central decorre numa uma aldeia do Quebec rural nos anos 40 do século XX. O argumento gira em torno de uma personagem feminina, Marie, viúva e herdeira da principal empresa local: o "Armazém Central", que dá o título para à série.

Quadriculografia portuguesa:
  • Marie (Marie), 2006, Álbum Edições ASA [2007]
  • Serge (Serge), 2006, Álbum Edições ASA [2007]
  • Os homens (Les hommes), 2007, Álbum Edições ASA [2011]
[actualizado a 1-2-2015]

10 de dezembro de 2017

Figuras de Tintin #37: Milu meio-demónio

No episódio "Tintin no Tibete", Tintin confia a Milu uma mensagem de socorro para ir buscar ajuda. É uma questão de vida ou de morte e o companheiro de Tintin percebe isso perfeitamente. Assim, com o valioso papel na boca, dirige-se apressadamente ao mosteiro tibetano que o xerpa Tharkey avistou umas horas antes. A determinação de Milu é visível e a sua corrida pelos trilhos escarpados demonstra-o bem. De repente, tudo isso se subverte: um osso enorme, uma tentação perversa e temos Milu enfrentando os seus piores instintos, personificados no demónio vermelho que saiu directamente fo inferno canino.

A referência da figura encontra-se na vinheta D2 da prancha 45 de "Tintin no Tibete".

Figuras de Tintin #37: Milu meio-demónio, livro de 16 pp. + estatueta + passaporte, Moulinsart, distribuição Altaya, 12,99€



FandAventuras: Os três mosqueteiros

"Os três mosqueteiros" de Alexandre Dumas numa adaptação livre em banda desenhada de Arturo Del Castillo é a história escolhida por José Pires para o número de Dezembro do seu fanzine Fandaventuras.

8º Aniversário do Blogue


9 de dezembro de 2017

Arlequin - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Policial
(Bélgica) Tintin #3/33º ano, 17 de Janeiro de 1978 - Tintin, 1984
Jean Van Hamme (argumento), Dany (desenho)
Estreia em PortugalTintin #12/12º ano, 4 de Agosto de 1979

Arlequin é um agente francês do serviço de contra-sabotagem da Paradise Inc.

Quadriculografia portuguesa:
  • Os elefantes arrancam as penas ao raiar da aurora (Les éléphants se plument à l’aube), 1978, Tintin #12 a #29/12º ano
[actualizado em 20-11-2014]

Homem-Aranha #10 nas bancas desde 7 de Dezembro

Deadpool vai para Hollywood e, como seria de esperar, o nosso herói malcheiroso não podia dispensar a presença do seu amigo aranhiço (não fosse já ele uma grande estrela do cinema). Neste volume vão ainda encontrar uma edição perdida (de 1968) do Espetacular Homem-Aranha onde é possível assistir a um dos primeiros encontros entre o Cabeça de Teia e o Mercenário Desbocado. Depois, Deadpool e o Homem-Aranha conhecem a dupla de mágicos comediantes Penn e Teller… num enredo assinado pelo próprio Penn Jillette. Temos ainda uma história hilariante onde a dupla maravilha tenta salvar o Natal. Para terminar em beleza, três pequenas aventuras dedicadas exclusivamente a Peter Parker e ao Espetacular Homem-Aranha! Resumindo: sete histórias numa única edição. 

Está para breve a Série II, a nova coleção do Aranha, com o regresso do Chacal e o início da saga A CONSPIRAÇÃO DOS CLONES.

Inclui
Spider-man/Deadpool (2016) #6 – por Scott Aukerman, Reilly Brown e Jason Keith; Spider-man/Deadpool (2016) #7 – por Gerry Duggan, Scott
Koblish e Val Staples; Spider-man/Deadpool (2016) #11 – por Penn Jillette, Scott Koblish e Guru-efx; Spider-man/Deadpool (2016) #12 – por Nick Giovannetti, Paul Scheer e Todd Nauck; e ainda: Amazing Spider-man annual (2015) #1 – por Humberto Ramos, Christos Gage, Francisco Herrera, James Asmus, Cory Smith, Wayne Brady, Jonathan Magnum, Bruno Oliveira, entre outros.

Homem-Aranha #10, Goody, 128 pp., cor

Terry e os Piratas #12: Dude, o ás voador

José Pires tem vindo a recuperar os episódios da série de Milton Canniff, Terry e os piratas no seu fanzine FandClassics. Neste número de Dezembro temos o episódio "Dude, o às voador".


Os Schtroumpfs - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Juvenil
(Bélgica) Spirou #1071, 23 de Outubro de 1959
Peyo (argumento e desenho)
Outros autoresYvan Delporte
Estreia em PortugalÁlbum União Gráfica, 197?
Outras publicaçõesSpirou (1ª série), Spirou (2ª série), Jornal da BD, Álbum Editorial Pública, Álbum Círculo de Leitores, Álbum Meribérica

As pequenas criaturas que falam de um modo estranho apareceram pela primeira vez no episódio «A flauta de seis Schtroumpfs» da série Johan & Pirlouit. Ganharam autonomia, conhecendo grande sucesso comercial. Os Schtroumpfs são baseados em pequenos duendes azuis com um chapéu branco. O nome de schtroumpf tem a origem num jantar de Peyo com Franquin, em que aquele lhe pediu algo com «passa-me... le schtroumpf». As primeiras aventuras apareceram como mini-histórias. A notoriedade da série obriga Peyo a formar um Estúdio com uma grande equipa: Jo-El Azara, François Walthéry, Roger Leloup, Francis, Derib, Yvan Delporte, entre outros. A série Schtroumpfs com um vasto merchandising, filmes de animação e álbuns de BD, está presente em mais de 25 línguas com mais de 25 milhões de livros vendidos e mais de 3 mil produtos derivados.

Quadriculografia portuguesa:
  • O ladrão de Estrumpfes (Le voleur de Schtroumpfs), 1959, Peyo, Jornal da BD #89 a #93; incluído no álbum «Os estrumpfes negros» [União Gráfica; Editorial Pública; Círculo de Leitores]
  • O falso estrumpfe (Le faux schtroumpf), 1961, Peyo, incluído no álbum «O ovo e os estrumpfes» [Editorial Pública; Círculo de Leitores]
  • O centésimo estrumpfe (Le centésime schtroumpf), 1962, Peyo e Delporte, incluído no álbum «O ovo e os estrumpfes» [União Gráfica]
  • Os estrumpfes negros (Les Schtroumpfs noirs), 1963, Peyo, Peyo e Delporte, Álbum União Gráfica [1967]; Jornal da BD #81 a #84; Álbum Editorial Pública [1980]; Álbum Círculo de Leitores [198?]
  • O estrumpfe voador (Le schtroumpf volant), 1963, Peyo e Delporte, incluído no álbum «Os estrumpfes negros [União Gráfica]
  • Estrumpfonia em dó (Schtroumpfonie en ut), 1963, Peyo e Delporte, Álbum Editorial Pública [1980]
  • O estrumpfíssimo (Le schtroumpfissime), 1964, Peyo, Peyo e Delporte, Jornal da BD #191; Álbum Editorial Pública [1980]; Álbum Círculo de Leitores [1980]
  • A schtroumpfzinha/A estrumpfina (La schtroumpfette), 1966, Peyo, Peyo e Delporte, Spirou (1ª série) #1 a #20; Jornal da BD #72 a #80; Álbum Editorial Pública [1980]; Álbum Círculo de Leitores [1980]
  • A fome dos Schtroumpfs (La faim des Schtroumpfs), 1966, Peyo, Spirou (2ª série) #1 a #20; Jornal da BD #85 a #88; incluído no álbum «O estrumpfador de chuva» [Editorial Pública; Círculo de Leitores]
  • O ovo e os estrumpfes (L' oeuf et les Schtroumpfs), 1966, Peyo, Álbum União Gráfica [1968]; Álbum Editorial Pública [1981]; Álbum Círculo de Leitores [1981]
  • Os Estrumpfes e o Cracucasse (Les Schtroumpfs et le Cracoucass), 1968, Peyo e Gos, Álbum Editorial Pública [1981]; Álbum Círculo de Leitores [1984]
  • O Estrumpfador de chuva (Le Schtroumpfeur de pluie), 1969, Peyo, Gos e Delporte Álbum Editorial Pública [1981]; Álbum Círculo de Leitores [1981]
  • O estrumpfonauta (Le cosmoschtroumpf), 1969, Peyo, Jornal da BD #169 a #176; Álbum Editorial Pública [198?]; Álbum Círculo de Leitores [1984]
  • O Estrumpfe mágico (L'apprenti Schtroumpf), 1970, Peyo, Jornal da BD #207; Álbum Editorial Pública [1982]; Álbum Círculo de Leitores [1982]
  • Os estrumpfes apaixonados (Roméos et Schtroumpfette), 1970, Peyo, incluído no álbum «O estrumpfe mágico» [Editorial Pública; Círculo de Leitores]
  • Estrumpfe contra estrumpfe (Schtroumpf vert et vert Schtroumpf), 1972, Peyo, Peyo e Delporte, Jornal da BD #199; Álbum Editorial Pública [1983]; Álbum Círculo de Leitores [1983]
  • Sopa de Estrumpfes (La soup aux Schtroumpfs), 1976, Peyo, Álbum Editorial Pública [1983]; Álbum Círculo de Leitores [1983]
  • Os Estrumpfes olímpicos (Les Schtroumpfs olympiques), 1980, Peyo, Álbum Editorial Pública [1984]; incluído no álbum «Estrumpfe contra Estrumpfe»[Editorial Pública; Círculo de Leitores]
  • O jardim dos estrumpfes (Le jardin des Schtroumpfs), 1982, Peyo, incluído no Álbum «Os estrumpfes olímpicos» [Editorial Pública]
  • Os estrumpfinhos (Les p'tits Schtroumpfs), 1988, Peyo, Álbum Meribérica [1991]
  • O Estrumpfe robot (Le schtroumpf robot), Peyo, incluído no Álbum «Os estrumpfinhos» [Meribérica]
  • [Gag], Peyo, Jornal da BD #196 a #204 e #206 a #208; álbum «Sopa de Estrumpfes» [Editorial Pública; Círculo de Leitores]
[actualizado em 20-11-2014]



8 de dezembro de 2017

Roland Labricole - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Humorístico
(Bélgica) Spirou #1552, 1968
Gos (argumento) e François Walthéry (desenho)
Estreia em PortugalPisca-Pisca #13, Março de 1969

Quadriculografia portuguesa:
  • Rolando Faztudo entra em acção (Tout en courant), Pisca-Pisca #13
[actualizado em 20-11-2014]



Fandwestern #63 - Série Matt Marriott: O "fura-vidas"

O José Pires editou mais um número do seu fanzine Fandwestern com mais um episódio da série Matt Marriott.


Natacha - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Spirou, #1663, 26 de Fevereiro de 1970
Gos (argumento), François Walthéry (desenho)
Estreia em Portugal: Spirou (2ª série) nº 1, 10 de Abril de 1979
Outras publicaçõesJornal da BD


Em 1967, François Walthéry trabalha nos estúdios Peyo e, entre dois desenhos de Benoît Brisefer, cria o esboço de uma figura feminina que se chamará Natacha e será uma hospedeira do ar. Gos propôs-se escrever o primeiro argumento para a nova heroína.
A série alcança imediatamente um enorme sucesso. Natacha encontra Walter, um amante impulsivo de jazz, e percorrem o mundo a bordo de um avião da Bardaf, pilotado pelo comandante Turbo, vivendo aventuras humorísticas. Walthéry vai rodeando-se de outros argumentistas, tais como Borgers, Tillieux, Mittei, Peyo e Cauvin.

Quadriculografia portuguesa:
  • Natacha, hospedeira do ar (Natacha, hôtesse de l’air), 1970, Spirou (2ª série) #25 a #32; Jornal da BD #87
  • Natacha e o marajá (Natacha et le Maharadjah), 1971, Spirou (2ª série) #1 a #23; Jornal da BD #70
[actualizado em 20-11-2014]



7 de dezembro de 2017

O Menino Boavida - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
L'élève ducobu
Humorístico
Tremplin, 1992
Zidrou (argumento) e Godi (desenho)
Estreia em PortugalÁlbum Edições ASA, 2007


Boavida é um verdadeiro rebelde, onde ir à escola é  um verdadeiro sacrifício. Para evitar uma figura de “burro”, copia, sem qualquer tipo de vergonha, os trabalhos do seu colega Léonie Gratin, um pequeno génio, que detesta os cábulas.

Quadriculografia portuguesa:
  • Pró castigo (Au coin), 1998, Álbum Edições ASA [2007]
[actualizado em 20-11-2014]



Liga da Justiça #5: A Guerra de Darkseid - Volume 2

Com a publicação da segunda e última parte de A Guerra de Darkseid, que sai em banca hoje, chega ao fim a colecção que a Levoir e o Público dedicaram à Liga da Justiça.

Darkseid, o tirano, o Deus, o ser invencível… Está morto! Apokolips perde o seu ditador. Batman, Super-Homem, Flash, Shazam e Lanterna Verde tornaram-se nos novos Deuses do Universo.

Com o Antimonitor voltando à vida, os heróis da Liga da Justiça  reúnem-se, com a ajuda do Sindicato do Crime, para tentar derrotá-lo. Graal, que também entra nessa batalha, mostra-se mais poderosa do que todos. No planeta Terra trava-se mais uma grande guerra.

Mobius é morto por Steve Trevor, que havia sido possuído por uma entidade (tudo isso havia sido orquestrado por Graal). Além disso, a Supermulher acaba dando à luz no meio da batalha. Graal leva o bebé e transforma-o em Darkseid, uma versão alternativa do seu pai, que pode ser controlado por ela. Finalmente, ela conseguiu o que sempre quis, ser mais poderosa e controlar o pai.

A Guerra de Darkseid é uma das melhores histórias dos Novos 52. Geoff Jonhs disse que a história  é uma espécie de homenagem a toda história da DC que envolve os Novos Deuses e Darkseid .

Liga da Justiça #5: A Guerra de Darkseid - Volume 2, Geoff Jones e Jason Fabok, Levoir, 152 pp., cor, capa dura, 9,90€ com o jornal Público

Benoît Brisefer - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Spirou #1183, 15 de Dezembro de 1960
Peyo (argumento e desenho)
Outros artistasWill, Yvan Delporte, François Walthéry, Gos
Estreia em PortugalPisca-Pisca nº 16, Dezembro de 1969
Outras publicaçõesNau Catrineta, Jacaré, Álbum União Gráfica

Benoît Brisefer é uma criança com uma força sobre-humana que vive na aldeia campestre de Vivejoie-la-Grand. O jovem coloca o seu dom ao serviço de boas causas. Mas há um problema: quando se constipa, a força extraordinária desaparece. Benoît vive as suas aventuras com os seus amigos, o senhor Vlavladoka do circo Bodoni, o corajoso Tonton Placid e a pequena escuteira Mona
Criada por Peyo, a série é um verdadeiro hino à poesia e ao bom humor. Após a morte do criador em 1992, a série é assegurada pelos Estúdios Peyo, nomeadamente por Pierre Culliford nos textos e Pascal Garray na arte. Em Portugal, toma o nome de Kim Kebranoz ou João Valentão.

Quadriculografia portuguesa:
  • Os táxis vermelhos (Les taxis rouges), 1961, Peyo e Will, Álbum União Gráfica [197?]
  • Dona Elvira e os bandidos (Madame Adolphine), 1963, Peyo e Will, Jacaré #1 a #17; Álbum União Gráfica [197?]
  • Os doze trabalhos de João Valentão (Les douze travaux de Benoît Brisefer), 1966, Peyo e Delporte, Nau Catrineta #256 a #314
  • Fuga do Jardim Zoológico (?), ? e Gos, Pisca-Pisca #16
  • [-] (?), Walthéry e Gos, Pisca-Pisca #18


[actualizado em 20-11-2014]

Top das vendas de BD em França de 20 a 26 de Novembro

1º lugar (=) [6ª semana]
Astérix #37: Astérix et la Transitalique
Didier Conrad, Jean-Yves Ferri
Éditions Albert René

2º lugar (=) [3ª semana]
Les Vieux Fourneaux #4: La Magicienne
Paul Cauuet, Wilfrid Lupano
Dargaud

3º lugar (novo) [1ª semana] 
Undertaker #4: L’Ombre d’Hippocrate
Ralph Meyer, Xavier Dorison
Dargaud

6 de dezembro de 2017

A Turma - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
La Ribambelle
Aventura
(Bélgica) Spirou #1247, 8 de Março de 1962 a Spirou #1972, 19 de Fevereiro de 1976
Jean Roba (argumento e desenho)
Estreia em PortugalSpirou (1ª série) #1, 21 de Outubro de 1971
Outras publicaçõesÁlbum Editorial Íbis

A Turma é um grupo de jovens, composto pelo Phil, o chefe da equipa, a Grenadine, a única menina do grupo, Atchi Atcha, dois jovens japoneses e campeões de artes marciais, Dizzy, uma criança negra, trompetista de talento, e, finalmente, Archibald, um riquíssimo herdeiro escocês. Não nos podemos esquecer do cão James. As aventuras desenvolvem-se à volta de um terreno óptimo para as suas peripécias, mas que é invejado por um bando rival, que têm de sofrer as inúmeras armadilhas que a Turma lhe submete. Graças à fortuna da família de Archibald, as aventuras da Turma estendem-se até à Escócia. Alguns argumentos no final da série são escritos por Vicq, Yvan Delporte Maurice Tillieux.


Quadriculografia portuguesa:
  • A Turma ganha um terreno (La ribambelle gagne du terrain), 1962, Álbum Editorial Íbis [197?]
  • A Turma na Escócia (La ribambelle en Ecosse), 1962, Spirou (1ª série) #1 a #22
  • A Turma no lago (La ribambelle s'envole), 1963, Spirou (1ª série) #23 a #26
[actualizado em 20-11-2014]

Outcast #3: Uma pequena luz

Deverá chegar às livrarias no início da próxima semana a última novidade antes do Natal da editora G. Floy, o volume três de Outcast: Uma pequena luz, que reúne os #13 a #18 da série original.

Toda a vida, Kyle Barnes foi perseguido por influências demoníacas, e, para sobreviver e defender aqueles que ama, precisa de respostas. Kyle terá de realizar o mais arriscado e perigoso exorcismo que jamais tentou, envolvendo a sua irmã e a sua filha, no momento em que começa a entender o mistério e os segredos das forças demoníacas que o rodeiam... segredos que podem mudar o destino do mundo. Infelizmente, aquilo que ele vai descobrir poderá significar o fim do mundo tal como o conhecemos..

Robert Kirkman é um dos mais influentes criadores de comics actual, e um dos cinco partners da Image - o único que não é um dos fundadores. Kirkman é mundialmente famoso pela série The Walking Dead, que foi adaptada à TV pela Fox e se transformou num dos maiores êxitos mundiais. Tem-se dedicado à Image nestes últimos anos, e ao trabalho de produção televisiva das suas séries. É considerado como um dos grandes responsáveis daquilo que foi chamado a “Revolução Image”, o incrível período de criatividade pelo qual a editora tem passado e que a transformou numa das maiores editoras de BD do mundo, a terceira maior do mercado americano. Paul Azaceta, o desenhador de Outcast, é um artista cujo estilo simples, directo e arrojado, já ilustrou séries como Demolidor, Punisher Noir, Homem-Aranha e outras. Outcast é o seu trabalho mais mediático e aclamado, onde o seu estilo, geralmente visto nas páginas de comics de acção muito dinâmicos, é posto ao serviço de uma narrativa pausada e inquietante.

Outra coisa que recomenda este comic é a sua arte negra mas cheia de energia. Em termos de estilo, o trabalho de Azaceta fica algures entre os de Sean Phillips e de Alex Maleev, e isso é um enorme elogio, porque significa que está na melhor das companhias.”
- boundingintocomics.com


Outcast #3: Uma Pequena Luz, Robert Kirkman e Paul Azaceta, 128 pp, cor, capa dura, 11,99€

Star Wars: Prisão rebelde


A partir de hoje nas bancas mais um volume da saga Star Wars pela editora Planeta.


Junte as peças do passado de Skywalker enquanto a Rebelião continua.

Os rebeldes vão a caminho de uma prisão com um prisioneiro muito importante. Mas, infelizmente, não são os únicos com o olho nele! Além disso, conhecem a espia rebelde que opera no coração do Império e unem-se a ela numa missão de vida ou morte.

Numa outra história dos diários de Obi-Wan Kenobi retrocede até aos dias do seu exílio em Tatooine.
O agricultor Owen Lars pode ter acolhido o jovem Luke, mas não vai permitir que Ben tome parte na sua vida. Prepare-se para descobrir porquê.

Star Wars: Prisão rebelde, Jason Aaron, Leinil Yu, Planeta, 152 pp., capa dura, cor, 16,95€

Boule e Bill - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Humorístico
(Bélgica) Spirou #1132, 24 de Dezembro de 1959
Jean Roba (argumento e desenho)
Estreia em PortugalÁlbum do Cavaleiro Andante #107, Abril de 1963
Outras publicações: Zorro, Jacaré, Mundo de Aventuras (2ª fase), Mundo de Aventuras Especial, Spirou (2ª série), Jornal da BD


Boule é um rapazinho traquina e Bill um adorável cocker. Com ironia e humor, a série retrata as mil e uma peripécias do dia-a-dia. A série apresenta-se em gags de uma página e, em ocasiões especiais, em histórias curtas. O Cavaleiro Andante e o Zorro baptizaram a série em Ric e Roque.

5 de dezembro de 2017

Tintin - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Le Petit Vingtiéme #11, 10 de Janeiro de 1929 - Éditions Casterman, 1986
Hergé (argumento e desenho)
Outros autoresGreg
Estreia em PortugalO Papagaio #115, 24 de Junho de 1937
Outras publicaçõesDiabrete, Cavaleiro Andante, Foguetão, Zorro, Jornal Diário de Notícias, Tintin, Jornal Comércio do Porto, Álbum Difusão Verbo, Álbum Círculo de Leitores, Jornal O Independente, Álbum Público, Álbum Edições ASA


Tintin é um jovem reporter que acompanhado pelo seu cão Milou e, mais tarde, pelo irascível Capitão Haddock, percorre o mundo em busca de aventuras. Juntam-lhe uma galeria de personagens, como os irmãos Dupondt, o professor Girassol, a diva Castafiore, o mordomo Nestor.
A popularidade de Tintin já levou a série a várias séries de animação e, recentemente, a um filme de longa-metragem, utilizando-se a técnica de captura de movimentos.

Quadriculografia portuguesa:
  • Tintin no país dos sovietes (Tintin au pays des soviets), 1929, Tintin #12 a #21/15º ano [incompleta]; Álbum Difusão Verbo [1999]; Álbum Difusão Verbo (fac-similado) [1999]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2010]
  • Tintin no Congo (Tintin au Congo), 1930, O Papagaio #209 a #244; Tintin #35/13º ano a #13/14º ano; Álbum Difusão Verbo [1996]; Álbum Círculo de Leitores  [2000]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2010]
  • Tintin na América (Tintin en Amérique), 1931, Cavaleiro Andante #210 a #269; Tintin #33/4º ano a #10/5º ano; Álbum Difusão Verbo [1995]; Álbum Círculo de Leitores  [2000]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2010]; Álbum ASA (fac-similado) [2011]
  • Os charutos do faraó (Les Cigares du pharaon), 1932, O Papagaio #115 a #161; Tintin #11 a #41/5º ano; Álbum Difusão Verbo [1994]; Álbum Círculo de Leitores [1999]; Álbum Público [2003]; Álbum Difusão Verbo (fac-similado) [2003]; Álbum ASA  [2010]
  • O lótus azul (Le lotus bleu), 1934, O Papagaio #166 a #205; Cavaleiro Andante #340 a #401; Tintin #42/5º ano a #20/6º ano; Álbum Difusão Verbo [1994]; Álbum Círculo de Leitores [1999]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA  [2010]
  • A orelha quebrada (L'oreille cassée), 1935, O Papagaio #297 a #298; Tintin #21 a #51/6º ano; Jornal Diário de Notícias de 08.12.1971 a 11.04.1972; Álbum Difusão Verbo [1993]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2010]
  • A ilha negra (L'île noir), 1937, O Papagaio #301 a #349; Jornal Diário de Notícias de 01.02.1974 a 07.06.1974; Tintin #52/6º ano a #30/7º ano; Álbum Difusão Verbo [1986]; Álbum Círculo de Leitores ; Álbum Público [2003]; Álbum ASA  [2010]
  • O ceptro de Ottokar (Le sceptre d'Ottokar), 1938, Diabrete #594 a #701; Tintin #31/7º ano a #9/8º ano; Álbum Difusão Verbo [1988]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2010]
  • Tintin no país do ouro negro (Tintin au pays de l’or noir), 1939, Tintin #46/12º ano a #28/13º ano; Álbum Difusão Verbo [1990]; Álbum Círculo de Leitores [2001]; Jornal Independente [1994]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2010]
  • O caranguejo das tenazes de ouro (Le crabe aux pinces d'or), 1940, O Papagaio #366 a #426 [Tintim no deserto]; Tintin #10 a #40/8º ano; Álbum Difusão Verbo [1989]; Álbum Círculo de Leitores [2001]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2010]
  • A estrela misteriosa (L'Etoile mystérieuse), 1941, O Papagaio #435 a #540; Jornal Diário de Notícias de 16.04.1972 a 18.08.1972; Tintin #42/9º ano a #19/10º ano; Álbum Difusão Verbo [1989]; Álbum Círculo de Leitores ; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2010]
  • O segredo do Licorne (Le secret de la licorne), 1942, O Papagaio #617 a #679; Jornal Diário de Notícias de 26.05.1973 a 23.09.1973; Tintin #20 a #45/10º ano; Álbum Difusão Verbo [1990]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Jornal Independente [1993]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • O tesouro de Rackham, o Vermelho (Le Trésor de Rackham le Rouge), 1943, Diabrete #703 a #806 [O tesoiro do cavaleiro da rosa]; Jornal Diário de Notícias de 26.09.1973 a 27.01.1974; Tintin #46/10º ano a #28/11º ano; Álbum Difusão Verbo [1990]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Jornal Independente [1993]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • As 7 bolas de cristal (Les 7 boules de cristal), 1943, Diabrete #809 a #887; Jornal Diário de Notícias de 08.06.1974 a 28.10.1974; Tintin #26/11º a #3/12º ano; Álbum Difusão Verbo [1990]; Álbum Círculo de Leitores [2001]; Jornal Independente [1993]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2011]
  • O templo do sol (Le temple du soleil), 1946, Cavaleiro Andante #1 a #86; Jornal Diário de Notícias de 29.10.1974 a 27.03.1975; Tintin #4 a #37/12º ano; Álbum Difusão Verbo [1990]; Álbum Círculo de Leitores [2001]; Jornal Independente [1993]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2011]
  • Rumo à Lua (Objectif Lune), 1950, Cavaleiro Andante #94 a #153; Tintin #27 a #52/3º ano; Jornal Diário de Notícias de 08.03.1981 a 30.05.1982; Álbum Difusão Verbo [1991]; Álbum Círculo de Leitores  [1999]; Álbum Correio da Manhã [2003] ; Jornal Independente [1994]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • Explorando a Lua (On a marché sur la lune), 1950, Cavaleiro Andante #154 a #209 [Tintim na Lua]; Tintin #1 a #31/4º ano; Álbum Difusão Verbo [1992]; Álbum Círculo de Leitores [1999]; Jornal Independente [1994]; Álbum Correio da Manhã [2003] ; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • O caso Girassol (L'Affaire Tournesol ), 1954, Cavaleiro Andante #270 a #331 [O caso da arma secreta]; Tintin #27 a #52/2º ano; Jornal Diário de Notícias de 21.01.1973 a 21.05.1973; Álbum Difusão Verbo [1992]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2011]
  • Carvão no porão (Coke en stock), 1956, Cavaleiro Andante #405 a #466 [Os mercadores de ébano]; Tintin #1 a #26/1º ano; Álbum Difusão Verbo [1992]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • Tintin no Tibete (Tintin au Tibet), 1958, Foguetão #1 a #13 ; Cavaleiro Andante #516 #553; Tintin #1 a #26/2º ano; Jornal Diário de Notícias de 17.09.1972 a 18.01.1973; Álbum Difusão Verbo [1992]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Álbum Correio da Manhã [2003] ; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • As jóias de Castafiore (Les Bijoux de la Castafiore), 1961, Zorro #26 a #87; Tintin #1 a #26/3º ano; Álbum Difusão Verbo [1992]; Álbum Círculo de Leitores [2000]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • Voo 714 para Sidney (Vol 714 pour Sydney), 1966, Tintin #27 a #52/2º ano; Álbum Difusão Verbo [1993]; Álbum Círculo de Leitores [2001]; Álbum Público [2003]; Álbum ASA [2011]
  • O lago dos tubarões  (Tintin et le lac aux requins), 1972, Tintin #20 a#41/9º ano; Álbum Difusão Verbo [1997]; Álbum Público [2004]
  • Tintin e os Pícaros (Tintin et les Picaros), 1975, Tintin #48/8º ano a #19/9º ano; Álbum Difusão Verbo [1993]; Álbum Círculo de Leitores [2001]; Álbum Público [2004]; Álbum ASA [2011]
  • Tintin e a Alph-Art (Tintin et l'Alph-Art), 1986, Álbum Difusão Verbo [2004]; Álbum ASA [2011] 
*Colectânea
O jornal Comércio do Porto (1854-2005) publicou, em pranchas ou meias-pranchas semanais a cores os episódios «Objectivo Lua» e «Explorando a Lua» (desconhecemos se na totalidade) entre 24 de Fevereiro de 1974 e 5 de Junho de 1975.  
Os álbuns do Círculo de Leitores são duplos.


[actualizado a 19-11-2014]

Saga #7

Vai esta semana para as livrarias mais um volume de Saga, uma série da editora G. Floy e reúne os #37 a #42 da série original.

Saga narra a luta de uma jovem família para encontrar o seu lugar num universo vasto e hostil, e já foi descrito como um encontro entre a Guerra dos Tronos e a Guerra das Estrelas ou Romeu e Julieta no espaço. O volume sete lança-nos em mais um capítulo da sua saga cósmica, A Guerra por Phang, um dos eventos mais épicos de Saga. Hazel está finalmente reunida com a sua família e viaja com ela para um cometa mergulhado na guerra que Coroa e Terravista travam desde sempre. Serão forjadas novas amizades e outras serão perdidas para sempre, neste volume cheio de acção sobre famílias, batalhas e refugiados.

Fantasia e ficção científica - e sexo, traição, morte, amor verdadeiro e fundamentalismo religioso - juntam-se como nunca antes neste épico subversivo e provocante do escritor Brian K. Vaughan e da artista Fiona Staples.

“Ao longo dos anos, a arte de Fiona Staples tem vindo a tornar-se ainda mais emocional, original e bela - bela de se arrancar as páginas e colá-las na parede do quarto.”
- Comics Alliance

Cada nota de imprensa de lançamento de um novo álbum de Saga tem de acrescentar mais uma série de prémios ganhos no ano anterior: Brian K. Vaughan voltou a ganhar em 2017 o Eisner para Melhor Escritor, e Fiona Staples o prémio para Melhor Desenho e Melhor Capa, e a série voltou a ganhar o prémio de Melhor Série em Continuação... Já há quem pense começar a chamar-lhes os Saga Awards!

Saga já venceu doze Prémios Eisner - o galardão máximo da banda desenhada anglo-saxónica - entre os quais quatro prémios como Melhor Série em Continuação. Foi também premiado com o Hugo para Melhor História Gráfica - os Hugos distinguem a melhor ficção científica publicada em cada ano. Finalmente, a série e os seus autores foram distinguidos com uns incríveis dezassete Harveys, que premeiam os melhores comics independentes, incluindo Melhor Argumento, Melhor Artista, Melhores Cores, Melhor Nova Série, Melhor Série Limitada, e Melhor Single Issue (melhor número solto de uma série).

Saga #7, Brian K. Vaughan e Fiona Staples, 152 pp a cores, capa dura, 11,99€

Rouly-la-Brise - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Humorístico
(Bélgica) Tintin, 1959-1971
Greg (argumento) e Mittei (desenho)
Outros artistasFoal
Estreia em PortugalTintin #47/3º ano, 17 de Abril de 1971


A série Rouly-la-brise evolui na época dos flibusteiros. Rouly é um jovem louro, curioso, que viaja a bordo do «Vague à l'âme», com um comandante que sofre com o mar, um simpático vigia míope, Mirosec e o seu papagaio Balthazar. O primeiro argumento é escrito por Greg, sendo os restantes por Jean-Pierre Chappuis.

Quadriculografia portuguesa:
  • Por mares distantes (Les eaux de l'au-delà), 1970, Mittei e Foal e Greg, Tintin #47 a #49/3º ano
[actualizado em 18-11-2014]



4 de dezembro de 2017

Rock Derby - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Aventura
(França) Tintin #591, 18 de Fevereiro de 1960 - ADP, 1997
Greg (argumento e desenho)
Estreia em PortugalNau Catrineta #116, 19 de Março de 1966
Outras publicações: Álbum Lello & Irmão, Álbum Público/Edições ASA


No primeiro episódio, Rock Derby apresenta-se como um ex-boxista convertido em abastecedor de combustível na companhia do seu irmão Skip. Mais tarde, encontra  o jornalista Tim Toronto, transformando-se num detective que vive múltiplas aventuras rocambolescas, cruzando-se com o mexicano gordo Pedro Azara e o pequeno negro Baba.

Quadriculografia portuguesa:
  • Os tubarões do ringue (Les requins du ring), 1960, Álbum Lello & Irmão [1974]; Álbum Público/ASA [2009] *
  • Os ladrões de bonecas (Les voleurs de poupées), 1960, Álbum Lello & Irmão [1975]; Álbum Público/ASA [2009] *
  • Pânico no Paraíso (Panique au Paradis), 1960, Álbum Lello & Irmão [1976]; Álbum Público/ASA [2009] *
  • O rio dos diamantes (La rivière des diamants), 1961, Álbum Lello & Irmão [1977]
  • Desafiando o invisível (Le défi de l’invisible), 1963, Nau Catrineta #116 a #139
Álbum triplo [Os tubarões do ringue+Os ladrões de bonecas+Pânico no paraíso] [Colecção Clássicos da Revista Tintin #5]

[actualizado em 18-11-2014]

Os Vingadores #10

Já está nas bancas o décimo volume de Os Vingadores, uma edição da Goody.

A GUERRA ACABOU, MAS… VEM AÍ O IMPÉRIO SECRETO. Na tentativa de encontrar uma cura para a doença terrígena que está a devastar mutantes de todo o mundo, Rogue, Cable e Deadpool acabam por trair a confiança de Steve Rogers. Desiludido e furioso, o Capitão América decide acabar com o Esquadrão de Unidade dos Vingadores. Mas não há tempo para afogar as mágoas. O falecido irmão do Doutor Vodu revelou a localização do corpo de Bruce Banner aos líderes do clã ninja conhecido como Tentáculo. Objetivo? Trazer de volta O Incrível Hulk, mas desta vez num formato zombie, capaz de aniquilar tudo e todos. Só o Esquadrão de Unidade poderá terminar com esta ameaça. No rescaldo da Guerra Civil II, o Homem de Ferro ficou gravemente ferido, enquanto Ulysses assumiu uma forma para lá da percepção humana e desapareceu. A guerra acabou, mas o futuro não parece auspicioso. Steve Rogers é o novo diretor da S.H.I.E.L.D., mas existe uma revelação sombria a pairar no horizonte… CAPITÃO AMÉRICA: HERÓI OU VILÃO?

Histórias
O Incrível Zombie Hulk
Argumento: Gerry Duggan
Arte: Pepe Larraz
Cores: David Curiel

O Juramento
Argumento: Nick Spencer
Arte: Rod Reis
Cores: Phil Noto & Dono Sánchez-Almara

Ms. Marvel Anual 2016
Argumento: G. Willow Wilson, Mark Waid, Natasha Allegri, Zac Gorman, Faith Erin Hicks & Scott Kurtz
Arte: Mahmud Asrar, Chip Zdarsky, Natasha Allegri, Jay Fosgitt, Faith Erin Hicks & Scott Kurtz
Cores: Tamra Bonvillain, Megan Wilson & Steve Hamaker
Inclui
UNCANNY AVENGERS (2015) #15-17 – Por Gerry Duggan, Pepe Larraz, David Curiel; CIVIL WAR II: THE OATH (2017) #1 – Por Nick Spencer, Rod Reis; e ainda: ALL-NEW, ALL-DIFFERENT AVENGERS ANNUAL (2016) #1 – Por Faith Erin Hicks, G. Willow Wilson, Chip Zdarsky, entre outros.

Living Room, de Chris Kohler

Living Room de Chris Kohler, agora editada pela editora O Panda Gordo, foi premiada pela Comics Workbook Composition Competition 2017. 

Living Room é uma história bizarra e, ainda assim, familiar. De um lado temos a teimosia e o delírio de um velho homem, do outro temos um casal que parece ter sido apanhado numa armadilha, mas temos sobretudo exemplos das soluções absurdas que as pessoas encontram para lidar com a insuportável routina de um trabalho merdoso. Living Room é um belo exemplo daquilo que o cartunista nascido em Glasgow Chris Kohler faz melhor: mostrar-nos que os nossos dia-a-dias aparentemente banais são na verdade enredos ridículos de um sistema capitalista problemático e corrupto.

Living Room, Chris Kohler, O Panda Gordo, 16 pp., p&b

Segundo volume da série do Lisbon Studio


Já está em distribuição o segundo volume da série do Lisbon Studio, de antologias de curtas de BD dos autores do estúdio, e desta vez é Jorge Coelho o autor em destaque com a história a cores (e que assina também a magnífica capa do livro). Cidades foi um enorme êxito, provavelmente um dos maiores lançamentos de BD de autores portugueses do ano, e esperamos que Silêncio seja também um êxito.

O livro foi apresentado na Amadora BD, com umas excepcionais sessões de autógrafos, algumas com mais de uma dezena de autores do TLS. E dia 6 de Dezembro, pelas 18h30, irá haver uma apresentação no Museu Bordalo Pinheiro, onde estarão vários dos autores, e onde será oferecido um print inédito, da autoria de Jorge Coelho, assinada pelo autor, a todas as pessoas que comprarem o livro, para além de ser uma boa oportunidade de voltar a apanhar um grande número de membros do the Lisbon Studio reunidos.

Prosper - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Humorístico
(Bélgica) Tintin, 1972-1977
Ploeg (argumento e desenho)
Outros autoresGreg
Estreia em Portugal: Tintin #5/7º ano, 22 de Junho de 1974
Outras publicaçõesTintin Especial Anual, Almanaque Tintin


Prosper é o herói de uma série de gags mudos. Só foi publicada uma única história completa: “Prosper e os piratas”.

Quadriculografia portuguesa:
  • [gag], Tintin #5 e #9/7º ano; #1, #2, #3, #4, #11, #12, #20 e #21/14º ano
  • [gag], Tintin Especial Anual de 1978
  • Prosper pirata (Prosper le pirate), 1966, Ploeg e Greg, Tintin #13 a #18/3º ano
  • [gag], Almanaque Tintin



[actualizado em 9-11-2014]

3 de dezembro de 2017

As Panteras - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Les Panthéres
Aventura
(Bélgica) Tintin, 1971-1972
Greg (argumento) e Édouard Aidans (desenho)
Estreia  em Portugal: Tintin #18/7º ano, 21 de setembro de 1974 
Outras publicaçõesTintin Especial Anual


As Panteras são três belas jovens (Chouka, Valentine e Françoise) que compartilham um apartamento, têm uma boutique de moda e vivem insólitas aventuras.

Quadriculografia portuguesa:
  • [-] (Le magicien qui n’existait pas), 1971, Tintin #18/7º ano
  • [-] (Le pacte), 1971, Tintin #19/7º ano
  • [-] (Un toit pour trois), 1971, Tintin #23/7º ano
  • [-] (Tout le paquet !), 1971, Tintin #27/7º ano
  • [-] (Silence à meubler), 1971, Tintin #30/7º ano
  • [-] (Coup de pot), 1971, Tintin #32/7º ano
  • O «nada» que rugia (Le néant qui rugissait), 1972, Tintin Especial Anual de 1977
[actualizado em 18-11-2014]

Line - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Line #86, 1 de Novembro de 1956 - Tintin #6/27º ano, 8 de Fevereiro de 1972
Nicolas Goujon (argumento) e Françoise Bertier (desenho)
Outros artistasPaul Cuvelier, Mittei, Greg
Estreia em PortugalTintin #51/3º ano, 15 de Maio de 1971
Outras publicaçõesSelecções do Mundo de Aventuras, Álbum Editorial Futura

Após um episódio um pouco naifLine volta um ano mais tarde com os artistas Charles Nugue e André Gaudelette. Em 1960, Rol concebe uma terceira versão de Line. De 1962 a 1972, Greg (argumento) e Paul Cuvelier (desenho) continuam as aventuras desta adolescente, dinâmica e perspicaz, que resolve várias intrigas policiais.

Quadriculografia portuguesa:
  • A cilada do diabo (Le piège au diable), 1963, Cuvelier e Mittei, Greg, Tintin #51/3º ano a #13/4º ano
  • O segredo do bucaneiro (Le secret du boucanier), 1964, Cuvelier e Mittei, Greg, Tintin #1 a #15/5º ano
  • Os tubarões de Korador (Les requins de Korador), 1965, Cuvelier e Greg, Selecções do Mundo de Aventuras #227; Álbum Editorial Futura [1985]
  • A caravana da cólera (La caravane de la colère), 1971, Cuvelier e Greg, Tintin #29 a #45/6º ano
[actualizado em 18-11-2014]



No Mouth' The Hum

No Mouth’s The Hum é a promissora estreia do misterioso autor Gore Krout, acerca das aventuras de um intrépido explorador conhecido por No Mouth. Este primeiro capítulo mostra o herói no início de uma árdua e longa viagem rumo a um sítio mágico. Krout revela as premissas da sua longa narrativa de uma forma enigmática e belíssima. Algo parece não estar a correr muito bem e temos a sensação que a situação está na iminência de se tornar bem sinistra mas o sábio e cuidadoso No Mouth está sempre pronto para um bom desafio.

Gore Krout é um dos pseudónimos de João Sarnadas, musicalmente conhecido como Coelho Radioactivo. Tendo no seu currículo a ilustração de posters e capas de discos, esta é a sua primeira BD publicada.

No Mouth’s The Hum, Gore Krout, O Panda Gordo, 20 pp., p&b

2 de dezembro de 2017

Domino - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Tintin, 1973-1980 
Greg (argumento) e André Chéret (desenho)
Estreia em PortugalTintin #30/14º ano, 5 de dezembro de 1981


Tendo como tutor o duque de Orleães, Domino, um jovem aldeão, vai para Paris a fim de aperfeiçoar a sua educação. Domino é acompanhado pelo seu conselheiro e padrinho, o cónego Porphyre de Labourrasque, um homem gordo, de idade já avançada, que possui o desejo que o seu afilhado possa salvar o seu país.
Domino revela-se, contudo, um desajeitado no uso das armas, preferindo os estudos e as belas damas de Paris. Infelizmente, há que defrontar os inimigos Justicias Lady Z, de que se desembaraçam, por vezes, com algum humor.
Jean Van Hamme substitui Greg no argumento a partir da segunda aventura, escrevendo os restantes episódios da série.

Quadriculografia portuguesa:
  • [-], 1973, Chéret e Greg, Tintin #30 a #35/14º ano
  • Agora nós, Paris! (A nous deux, Paris !), 1973, Chéret e Greg, Tintin #36 a 38/14º ano
  • A lição (La leçon), 1973, Chéret e Greg, Tintin #39 a # 42/14º ano
  • «Cabeça baixa!...» (Tête baissée), 1973, Chéret e Greg, Tintin #43 a #45/14º ano
  • A feira dos ladrões (La foire d’empoigne), 1973, Chéret e Greg, Tintin #46 a #48/14º ano
[actualizada em 18-11-2014]

Darth Vader #3: A Guerra de Shu-Torun

Mais um volume da saga Star Wars em BD, protagonizada pelo Lorde Negro dos Sith, como só a Marvel podia fazer. Poderá uma nova guerra pôr o Lorde obscuro dos Sith no trono? Há uma revolução em Shu-Torun e o Império não pensa permiti-la. Quando encarregam Darth Vader para que lidere um assalto militar contra o planeta poderá ser que a sua ascensão à glória começou? Mas quem seguirá Vader para a guerra? Claro que é sempre melhor lutar ao lado de Vader do que contra ele. E é uma lição que muitos vão aprender.

Darth Vader #3: A Guerra de Shu-Torun, Kieron Gillen e Salvador Larroca, Planeta, 128 pp., cor, capa dura, 16,95€

Corentin - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Tintin #1/1º ano, 29 de Setembro de 1946 - Noveau Tintin #534, 3 de Dezembro de 1985
Jacques Van Melkebeke (argumento), Paul Cuvelier (desenho)
Outros autoresGreg, Jacques Acar, Jean Van Hamme 
Estreia em PortugalTitã #13, 4 de Janeiro de 1955
Outras publicaçõesFlecha, Cavaleiro Andante, Tintin, Álbum Livraria Bertrand, Mundo de Aventuras (2ª fase), Mundo de Aventuras Especial


No século XVIII, o bretão órfão Corentin Feldoe é recolhido pelo seu tio, um alcoólico de mau carácter. Farto de maus tratos, Corentin decide fugir a bordo de um navio. O navio naufraga e Corentin sobrevive e ganha a amizade do gorila Belzebu e do tigre Moloch e, mais tarde, do pequeno indiano Kim e da bela princesa Sa-Skya.
Após três episódios, a série é suspensa até 1958, quando Greg a recupera com desenho de Jacques Acar. Jacques Martin escreve um argumento que permanece inédito até à morte de Cuvelier.
Em Portugal, a série estreia-se na revista Titã, onde é baptizada por Grifo.

Quadriculografia portuguesa:
  • A extraordinária odisseia de Corentin (L'extraordinaire odyssée de Corentin Feldoë), 1946, Cuvelier e Melkebeke, Titã #13 a #42 [incompleta], Album Livraria Bertrand [1981]; Mundo de Aventuras Especial #24; Tintin #17 a #20/13º ano
  • Novas aventuras de Corentin (Les nouvelles aventures de Corentin Feldoë), 1947, Cuvelier e Melkebeke, Mundo de Aventuras (2ª fase) #381, #394 e #395
  • Bisonte Negro/Corentin entre os peles-vermelhas, 1949, Cuvelier, Flecha #12 a #37*; Mundo de Aventuras Especial #10
  • O punhal mágico (Le poignard magique), 1958, Cuvelier e Greg, Cavaleiro Andante #422 a #467; Tintin #2 a #32/6º ano
  • O signo da cobra (Le signe du cobra), 1967, Cuvelier e Acar, Tintin #27 a #48/2º ano
  • Corentin e o príncipe das areias (Corentin et le prince des sables), 1968, Cuvelier e Van Hamme, Tintin #35/3º ano a #4/4º ano
  • O reino das águas negras (Le royaume des eaux noires), 1973, Cuvelier e Van Hamme, Tintin #28/7º ano a #41/7º ano
*ficou incompleta
[actualizada em 9-11-2014]

1 de dezembro de 2017

Colby - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Policial
(França) - Dargaud, 1991
Greg (argumento) e Michel Blanc-Dumont (desenho)
Estreia em PortugalSelecções BD (1ª série) #43, novembro de 1991

Philip Cameron Colby é um capitão da Força Aérea em finais de 1945. Desmobilizado, Colby abre uma agência de detectives privados. Os seus companheiros são Willy Warson e Taxi. Este trio dedica-se ao esclarecimento de intrincados inquéritos nos quatro cantos dos Estados Unidos.

Quadriculografia portuguesa:
  • Altitude menos trinta (Altitude moins trente), 1991, Selecções BD (1ª série) #43 a #44
[actualizado a 18-11-2014]



Cobalt - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Policial
(Bélgica) Tintin, 1971-1975
Greg (argumento) e Walter Fahrer (desenho)
Estreia em PortugalTintin Especial Anual de 1974
Outras publicaçõesTintin


Robert Cobalt, ruivo, sedutor e corajoso, trabalha para o Serviço de Pessoas Desaparecidas em Nova Iorque. Sobre as ordens do senador Dabel, investiga os desaparecimentos insólitos de que a polícia se desinteressa. Cobalt é assistido por Paprika, uma jovem sedutora. Os argumentos de Greg misturam suspense com humor.

Quadriculografia portuguesa:
  • Quem tem unhas... (Cobalt, bec et ongles), 1971, Tintin Especial Anual de 1974
  • O assassino recalcitrante (L’assassiné récalcitrant), 1974, Tintin #32 a #44/8º ano
  • O fantasma magnífico (Le zombie magnifique), 1975, Tintin #39/11º ano a #8/12º ano

[actualizado em18-11-2014]

30 de novembro de 2017

Clifton - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Policial
(Bélgica) Tintin #50 (14º ano), 16 de Dezembro de 1959
Raymond Macherot (argumento e desenho)
Outros autores: De Groot, Greg, Turk, Jo-El Azara
Estreia em PortugalCavaleiro Andante nº 527, 3 de Fevereiro de 1962
Outras publicaçõesÁlbum Editorial Íbis, Tintin, Almanaque Tintin, Álbum Público/ASA

Harold Wilberforce Clifton é um inglês fleumático, émulo de Baden-Powell, reformado da Armada Britânica, que gosta de resolver enigmas policiais e de espionagem.
O criador, Raymond Macherot, abandona o herói após apenas três episódios. A série reaparece em 1969 com uma história desenhada por Jo-El Azara e com textos de Greg. A partir de 1970, a dupla Turk De Groot animam a série, recuperando a frescura dos tempos de Macherot. Em 1985, o desenhador Turk, atarefado com outras séries, cede o seu lugar a Bédu, que, mais tarde, também assegura o argumento. Em 1996, Bédu cede a série a François Dimberton e este, em 2003, a Michel Rodrigues. Bob De Groot vai, entretanto, assegurando os textos de alguns episódios.

Quadriculografia portuguesa:
  • Os inquéritos do coronel Clifton (Les enquêtes du colonel Clifton), 1959, Macherot, Álbum Editorial Íbis [1969], Colecção Videorama #4
  • Clifton em Nova Iorque (Clifton à New York), 1960, Macherot, 1960, Cavaleiro Andante #527 a #542, Tintin #9 a 23/3º ano 
  • Clifton e os espiões (Clifton et les espions), 1960, Macherot, Álbum Editorial Íbis [1969], Colecção Videorama #8
  • Os duendes diabólicos (Les lutins diaboliques), 1969, Jo-El Azara e Greg, Tintin #49/5º ano a #11/6º ano 
  • O mistério da voz que foge (Le mystère de la voix qui court), 1970, Turk, De Groot e Greg, Tintin #36 a #42/4º ano
  • O mistério das esmeraldas desaparecidas (Les émeraudes se font la malle!), 1972, Turk e De Groot, Almanaque Tintin #1
  • O ladrão que ri (Le voleur qui rit), 1972, Turk, De Groot e Greg, Tintin #44/6ºano a #20/7º ano 
  • Aliás «Lord X» (Alias «Lord X»), 1974, Turk, De Groot e Greg, Tintin #15 a #44/8º ano 
  • Sir Jason (Sir Jason), 1975, Turk e De Groot, Tintin #42/9º ano a #12/10º ano
  • O querido Wilkinson/Meu caro Wilkinson (Ce cher Wilkinson), 1976, Turk e De Groot, Tintin #46/10º ano a #16/11º ano; Álbum Público/ASA [2009] 
  • Sete dias para morrer (7 jours pour mourir…), 1978, Turk e De Groot, 1978, Tintin #39/11º ano a #9/12º ano
  • Coração... é o alvo! (Atout...coeur!), 1979, Turk e De Groot, Tintin #5 a #8/13º ano 
  • Uma pantera para o coronel (Une panthère pour le Colonel), 1980, Turk e De Groot,Tintin #39/13º ano a #4/14º ano
  • O rapto (Kidnapping) Turk e De Groot, 1984, Álbum Público/ASA  [2009]   



[actualizado em  16-11-2014]

Terry e os Piratas #11: A garota engata o nosso amigo

Com uma edição programada de 25 volumes, José Pires lançou este mês mais um número do fanzine FandClassics com o 11º episódio da série Terry e os Piratas do norte-americano Milton Caniff.






Liga da Justiça #4: A Guerra de Darkseid

Hoje é dia de estar nas bancas o penúltimo volume da colecção da Levoir dedicada à Liga da Justiça

A Guerra de Darkseid é o culminar do percurso de Geoff Johns como escritor da Liga, com todos as peças a convergirem para o local onde o escritor as queria. Nas palavras do próprio: “Quando comecei a escrever o Liga da Justiça n.º 1, sabia que, pelo menos por um ano, queria que a equipa fosse apenas os sete maiores heróis da DC, mas, em última instância, quem é que eu poderia trazer para essa equipa que fosse capaz de a agitar no final do ano dois? Qual é o maior personagem do Universo DC que toda a gente conhece, alguém que até a minha mãe sabe quem é, mas que seria incrivelmente interessante para a dinâmica da equipa? E esse alguém é o Lex Luthor."

Liga da Justiça: A Guerra de Darkseid está dividida em dois volumes, sendo o primeiro apresentado a 30 de Novembro.

Com argumento de Geoff Johns e ilustrada pela superestrela em ascensão Jason Fabok, A Guerra de Darkseid, que coloca os heróis da Liga da Justiça no centro do conflito entre Apokopolis e Nova Génese, marca o fim de um mundo e o início de outro.

O que acontece quando os maiores heróis do Universo DC se tornam os novos Novos Deuses da realidade? Ao contrário do que muitos podem imaginar, nem tudo vai correr bem para Superman, Batman, Flash, Shazam, Lanterna Verde e Lex Luthor (recém chegado à Liga).

Quando um Deus morre, o Universo abre espaço para novos Deuses. Nesta saga, os heróis tornam-se “deuses de alguma coisa” por um breve período de tempo. Batman, torna-se o Deus do Conhecimento; Super-Homem o Deus da Força; Flash torna-se o Deus da Morte; Shazam perde contacto com deuses antigos e liga-se aos novos, tornando-se o Deus dos Deuses; Lex Luthor recebe os raios ómega de Darkseid e torna-se o Deus de Apokopolis; Hal Jordan absorve as formas de Oa e torna-se o Deus da Luz; Graal, filha de Darkseid, absorve a Equação Antivida quando é extraída do Antimonitor e torna-se na Deusa Antivida.

Liga da Justiça – A Guerra da Darkseid Parte 1, Geoff Johns e Jason Fabok, Levoir, capa dura, cor, 168 pp., 10,90€ com o jornal Público

dBD #119

Aí está o número duplo referente aos meses de Dezembro e Janeiro de 2018 da revista especializada em informação bedéfila, a dBD.

JAMES / L'édito dessiné
LE MARCHÉ DE LA BD / Enquête
Philippe Peter a analysé pour nous l’enquête réalisée par la structure GFK sur le marché actuel de la bande dessinée. Instructif.
OLIVIER SCHWARTZ / Exposition
À l’occasion de son exposition à la galerie Daniel Maghen, nous avons cherché à connaître les raisons et les besoins de vendre ses originaux.
ACTUALITÉS / Quoi de neuf ?   
Pour ne rien manquer des à-côtés de la bande dessinée.
LIBERATORE / À la une
Ranx, un personnage déjanté qui fête ses 40 ans. Incroyable, non ?
COSEY / Grand Prix
Après Hermann en ce début d’année, les grands prix d’Angoulême sont à l’honneur dans dBD !
RIAD SATTOUF / Série en cours
Les albums d’Esther se suivent et se boni?ent. Grâce à un grand auteur.
LA GRANDE SOPHIE / Paroles & Musique
Une des plus grandes parolières de la chanson française évoque ses goûts pour la bande dessinée.
SOKAL & SCHUITEN / Duo de coeur
S’ils se sont connus sur les bancs de l’école Saint-Luc de Bruxelles, ils n’avaient pourtant jamais travaillé ensemble. C’est désormais chose faite ! 
EMMANUEL LEPAGE / VOYAGE
Emanuel Lepage nous emmène à Ar-Men, le phare le plus à l’ouest du Finistère.
FRANK PÉ & HUBERT REEVES / Face à Face
Pour parler de biodiversité, pas mieux qu’une rencontre entre l’auteur de Broussaille, Frank Pé, et le scienti-?que Hubert Reeves.
DAVID VENDERMEULEN / Éditeur
L’éditeur comblé de La Petite Bédéthèque des savoirs est revenu sur cette belle aventure qui connaît le succès en librairie.
LAURENT VERRON / One-Shot
Après Boule et Bill, Laurent Verron, accompagné d’Yves Sente, raconte l’histoire de ce jeune homme prénommé Ptirou qui inspira Rob-Vel en 1938 pour la création du personnage de Spirou.
MARION MONTAIGNE / Décalé
Quand Marion Montaigne suit les traces de Thomas Pesquet, le plus célèbre astronaute français du moment, on est transportés dans les étoiles.
DOBBS / Collection
La collection consacrée à H. G. Wells chez Glénat détonne et surprend. Dobbs, son initiateur, se con?e.
CRITIQUES / Chroniques & Journal des sorties
Par nos journalistes
STEPHEN DESBERG / Coup de Coeur du mois
Il fallait avoir des cojones  pour reprendre S.O.S. Bonheur après Jean Van Hamme. Desberg en a !
BENJAMIN CHAUD / Interview Jeunesse
Après une reprise par Batem et un ?lm d’Alain Chabat, nous pensions avoir fait le tour du Marsupilami. Eh bien non ! Voici son pendant jeunesse...
JEUNESSE / Chroniques
Par Marie Moinard et Philippe Peter

dBD #119, décembre/janvier, 100 pp., 8,90€