23 de junho de 2017

Buddy Longway - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Western
(Bélgica) Tintin Sélection #16, Junho de 1972
Derib (argumento e desenhos)
Estreia em PortugalTintin #48/8º ano, 17 de Abril de 1976
Outras publicaçõesMundo de Aventuras (2ª fase), Almanaque Tintin, Selecções Tintin, Álbum Livraria Bertrand, Álbum Editorial Futura, Álbum Público/ASA

Buddy Longway inicia a sua saga como um caçador de peles solitário e nómada. Contudo, quando encontra Chinook, uma jovem índia, com a qual se casa, sedentariza-se e  constitui família, tendo dois filhos, Jérémie e a Kathleen. As aventuras retratam os perigos de uma família no Oeste selvagem: índios tumultuosos, desertores, foras-da-lei, natureza hostil... Ao longo dos episódios os heróis envelhecem e morrem, separam-se e voltam a encontrar-se.


Quadriculografia portuguesa:
  • A primeira caçada (Première chasse…), 1972, Mundo de Aventuras (2ª fase) #341; Tintin #5 a 8/13º ano; Almanaque Tintin #2; Selecções Tintin #1 
  • Chinook (Chinook), 1973, Tintin #9 a #29/14º ano; Álbum Livraria Bertrand [1978] 
  • O inimigo (L'ennemi), 1974, Tintin #48/8º ano #10/9º ano; Álbum Livraria Bertrand [1978]
  • Passaram três homens (Trois hommes sont passés), 1975, Tintin#43/9º ano a #3/10º ano; Álbum Livraria Bertrand [1979]
  • Sozinho (Seul), 1976, Álbum Livraria Bertrand [1980]
  • O segredo (Le secret), 1976, Tintin #32 a #45/10º ano; Álbum Livraria Bertrand [1981]
  • O alce (L’original), 1977, Tintin #46/10º ano a #16/11º ano; Álbum Editorial Futura [1988]
  • O inverno dos cavalos (L’hiver des chevaux), 1977, Tintin #39/11º ano a #9/12º ano; Álbum Editorial Futura [1989]
  • A água de fogo (L’eau de feu), 1978, Tintin #39 a #44/12º ano
  • O quinhão do caçador (La part du chasseur), 1979, Selecções Tintin #1 
  • O demónio branco (Le démon blanc), 1980, Tintin #31 a #43/14º ano
  • O vento selvagem (Le vent sauvage), 1984, Álbum Público/ASA* [2009]
  • O manto negro (Le robe noir), 1985, Álbum Público/ASA* [2009]

* Àlbum duplo
[actualizado em 7-12-2014]

Southern Bastards #3: Regressos

Chegou às bancas o terceiro volume da série Southern Bastards com o título "Regressos". Este volume, que reúne os números 9 a a 14 de Southern Bastards,  inclui também o ensaio de Jason Latour sobre a célebre capa variante Death to the Flag, Long Live the South ("Acerca da bandeira rebelde do sul...") e uma extensa galeria de capas alternativas e esboços.

Sinopse da editora:
Chegou a semana do Homecoming, o fim das férias e o maior jogo do ano para a equipa do Condado de Craw, os Runnin' Rebs. Mas o Coach Euless Boss tem muito mais inimigos do que os que vai enfrentar no campo de jogo. O xerife cujo passado negro o continua a assombrar. O misterioso caçador sempre pronto a fazer a sua justiça rural muito peculiar. O estranho rapaz em coma. A maquiavélica mulher do Mayor. Os cães selvagens.

E há também Roberta Tubb, do Corpo de Fuzileiros dos Estados Unidos. A filha do homem que Euless Boss matou a sangue-frio. Todos estão a regressar a casa, como que atraídos por uma promessa de violência e vingança. Mas o Coach Boss não tem medo de sangrar. Nem de verter o sangue de outros, se isso for necessário para ganhar o jogo.

Seis histórias. Seis grandessíssimos cabrões. Uma série “frita à moda do Sul”.

Southern Bastards é a aclamada criação de Jason Aaron e do desenhador Jason Latour, uma saga que nos mergulha no Sul dos Estados Unidos, na sua cultura violenta e dividida, um thriller de que ninguém sairá incólume. Southern Bastards venceu o Prémio Harvey para Melhor Nova Série em 2015.

Se existe por aí um comic mais visceral e perturbador que este, não quero saber.” - Newsarama

Southern Bastards #3: Regressos, Jason Aaron e Jason Latour (arte de Chris Brunner e argumento de Jason Latour no #12, G. Floy,  160 pps, cor, capa dura, 11,99€

Lady Bound - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Humorístico
(Bélgica) Tintin, 1967-1968
Yves Duval (argumento) e Berck (desenho)
Estreia em PortugalTintin nº 42/6º ano, 11 de Março de 1972

Quadriculografia portuguesa:
  • Lady Bound vai à guerra (Lady Bound s'en va-t-en guerre), 1967, Tintin #42 a #52/6º ano
[actualizado em 27-11-2014]



22 de junho de 2017

Palestra sobre BD do Clube Português de Banda Desenhada


Os Ahlalàààs - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Animalístico
(França) Achille Talon Magazine, 1975-1976
Derib (argumento e desenhos)
Estreia em PortugalTintin #44/14º ano, 13 de Março de 1982


Os Ahlalàààs são figuras microscópicas semelhantes a castores. A série reduziu-se a um episódio, onde alguns atribuem o argumento a Greg.


Quadriculografia portuguesa:
  • A aventura de uma BD (L'aventure d'une BD), 1975, Tintin #44 a #50/14º ano 
[actualizado em 7-12-2014]

Rataplan - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Humorístico 
(Bélgica) Tintin #25/16º ano, 20 de Junho de 1961 - Tintin #3/22º ano, 28 de Março de 1967
Yves Duval (argumento), Berck (desenho)
Estreia em PortugalTintin nº 19/3º ano, 9 de Janeiro de 1971


Rataplan é um jovem tambor da armada imperial francesa. Juntamente com o sargento Bobéche vivem aventuras na epopeia napoleónica. Contudo, este pretexto histórico rapidamente se desvanece ao longo dos episódios, caindo em argumentos mais fantasiosos e estranhos, mantendo o tom humorístico.

Quadriculografia portuguesa:
  • O príncipe de Jitomir (Le prince de Jitomir), 1962, Tintin #19 a #33/3º ano
  • O sinal do touro (Rataplan et le signe du toro), 1962, Tintin #17/5º ano a #31/6º ano
  • Rataplan e Cocotte 66 (Rataplan et Cocotte 66), 1963, Tintin #25 a #28/13º ano
  • Rataplan e o «vaudou» (Rataplan et le vaudou), 1964, Tintin #11 a #25/14º ano
[actualizado em 27-11-2014]



Mulher-Maravilha #5: Deuses de Gotham

Chega ao fim de mais uma colecção DC COMICS da Levoir em parceria com o jornal Público.

Neste último volume, o quinto da colecção, Mulher-Maravilha: Deuses de Gotham, escrita por Phil Jimenez e J. M. DeMatteis, e ilustrada pelo próprio Jimenez e Andy Lanning, pode ser apreciada uma das melhores histórias deste grupo criativo.

Os mais terríveis deuses gregos regressam ao mundo, os deuses da discórdia, medo e terror, e combinam a sua essência com a dos piores super-vilões de Gotham City, Joker, Espantalho e Hera Venenosa. Batman irá nesta história necessitar de toda a ajuda da Mulher-Maravilha para os derrotar, mas quando os deuses também conseguem possuir Batman, a Princesa Amazona descobre que mesmo a ajuda de outros protectores de Gotham, como o Asa Nocturna e o Robin, bem como da sua própria protegida, Donna Troy, a Wonder Girl, podem não ser suficientes para acabar com o reinado maligno dos deuses do submundo.

Este volume inclui as três ilustrações vencedoras do Concurso Mulher-Maravilha, cujos autores são Filipe Dias, Joel Sousa e Nuno Rodrigues.

Mulher-Maravilha #4: Deuses de Gotham, Phil Jimenez, Andy Manning e J. M. DeMatteis, Levoir/Público, capa dura, cor, 11,90€

O homem que passeia

A Devir vai lançar a novela gráfica "O homem que passeia" do japonês Jirô Taniguchi no próximo dia 24 de Junho. Trata-se de uma reedição em português, já que a obra fora editada em 2005 na colecção "Série Ouro - Os clássicos da banda desenhada" do jornal Correio da Manhã.

Sinopse da editora:
Um homem contempla os subúrbios da sua cidade. Caminhando devagar, escuta e cheira. Para e observa. 
É impossível não nos sentirmos alheios e indiferentes ao mundo, em contraste com este olhar puro. Passeando por estas páginas reaprendemos a olhar, talvez a viver, mais atentos às pequenas coisas. 

O autor:
(1947-2007) Publica a sua primeira obra no início da década de 1970. A descoberta da banda desenhada europeia, marca uma viragem na obra de Taniguchi, que opta por trabalhar sozinho, escrevendo e desenhando as suas próprias histórias. A partir de 1991, a sua obra assenta na sua experiência pessoal e na atenta observação, profundamente humana, dos seus semelhantes e do seu quotidiano.
A obra de Taniguchi espelha sentimentos positivos, um reconhecimento sincero pelas tradições culturais, uma forte ligação à família e o regresso à infância como forma de redescobrir as suas origens.

Principais distinções:
1992: Prémio do Mangá Shogakukan.
1993: Prémio da Associação de Mangaka Japoneses.
1998: Prémio cultural Osamu Tezuka.

O homem que passeia, Jirô Taniguchi, Devir, 244 páginas a preto, 19,99€


21 de junho de 2017

Jane - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Soap-opera
(Grã-Bretanha) Daily Mirror, 5 de Dezembro de 1932 - 10 de Dezembro de 1959
Norman Pett (texto e desenho)
Outros autores: Don Freeman, Hubbard
Estreia em PortugalDiário de Notícias


Loura, atraente, Jane reúne todos os atributos de uma sexy-girl. As aventuras desenvolvem-se à volta de intrigas sentimentais e policiais. Quando a série se estreia em 1932, não poderemos considerá-la uma banda desenhada, mas uma história por imagens com um texto a acompanhá-las. Contudo, em Dezembro de 1938, a série adopta as filacteras e passa a ter como autor dos textos, Don Freeman. Cheias de humor e realismo, as aventuras de Jane são desenhadas por Norman Pett até 1948, sendo substituído pelo assistente Michael Hubbard até ao final da série. Em 1961, Alfred Mazure lança as Aventuras de Jane, a flha de Jane. Contudo, não alcança o sucesso da série «mãe», terminando em 1963.

Quadriculografia portuguesa:
  • O regresso de Jane, Hubbard e Freeman, Diário de Notícias

Aventuras de Jane, a filha de Jane
  • Sarilho no Atlântico, Mazure, Tico #1
  • Uma aventura inesperada, Mazure, Tico #9
  • O mago de Bigoze, Mazure, Tico #11
  • A filha de Jane, Pantera Negra #7
[actualizado em 4-12-2014]

Top das vendas de BD em França de 5 a 11 de Junho de 2017

1º lugar (=) [2ª semana]
XIII Mystery #11: Jonathan Fly
Olivier Taduc, Luc Brunschwig
Dargaud

2º lugar (novo)
Yoko Tsuno #28: Le Temple des immortels
Roger Leloup
Dupuis

3º lugar (=) [2ª semana]
Les Aventures de Buck Danny « Classic » #4: L’Île du diable
Jean-Michel Arroyo, Frédéric Marniquet, Frédéric Zumbiehl
Dupuis/Zephir

Tenente Burton - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Lieutenant Burton
Western
(Bélgica) Tintin 1963 - 1967
Yves Duval (argumento) e Liliane & Fred Funcken (desenhos)
Estreia em PortugalZorro #30, 4 de Maio de 1963
Outras publicaçõesPisca-Pisca, Nau Catrineta


O jovem Tenente Burton, saído da Escola de Cadetes de Jerrysville, inicia a sua carreira no 7º de Cavalaria. Inicialmente mal aceite pelos rudes soldados de Goldhill Fortin, rapidamente ganha a confiança com a sua coragem e humor. O seu companheiro é o sargento Slim Kinsley e juntos desempenham missões difíceis em regiões onde reina a desordem.

Quadriculografia portuguesa:
  • Não desafiem o Tenente Burton (Ne défiez jamais le lieutenant), 1962, Zorro #42
  • A ressurreição do Tenente Burton (La résurrection du lieutenant Burton), 1962, Pisca-Pisca #15
  • O Tenente Burton acerta no alvo (Le lieutenant Burton fait un beau carton), 1962, Zorro #33; Pisca-Pisca #13
  • O Tenente Burton ajusta contas (Burton règle toujours ses comptes), 1963, Zorro #38
  • Faz testamento Tenente Burton (Fais ton testament Lt Burton!), 1963, Pisca-Pisca #14
  • Um tiro certeiro (?), ?, Zorro #30
  • A última bala (?), ?, Zorro #50
  • Serenata em colt maior (Sérénade en colt majeur), 1966, Nau Catrineta #299 a #302
[actualizado em 27-11-2014]



20 de junho de 2017

Quadradinhos Portugueses: Olhares & Estilos

A Câmara Municipal de Cascais | Bairro dos Museus | Fundação D. Luís vão levar a cabo uma exposição de BD portuguesa que é tributo e memória, convite ao sonho, ensaio ou reinvenção, revitalização convencional, projecto insólito, matriz das consciências, viagem alegórica, fulcro de identidades, sagração colectiva, portal da evasão  - em realce modelar por indícios e palavras, alusões e silêncios, sugerindo ou ilustrando, em rotura ou reincidência…

A mostra, comissariada por José de Matos-Cruz, conta com trabalhos de 13 artistas e decorrerá de 24 de Junho a 3 de Setembro, na Cidadela Art District. As entradas são gratuitas.

Buz Sawyer - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Policial
(EUA) King Features Syndicate, 2 de Novembro de 1943 - 7 de Outubro de 1989
Roy Crane
Outros autores: Henry Shclenker, Edwin Grandberry
Estreia em PortugalCavaleiro Andante #222, 31 de Março de 1956
Outras publicaçõesCiclone, Condor Popular, Álbum do Cavaleiro Andante, Mundo de Aventuras (1ª fase), Jornal do Cuto, Herói (1ª série), Tico, Mundo de Aventuras (2ª fase)


Buz Sawyer nasce em plena 2ª Guerra Mundial, um jovem oficial aeronaval, piloto de um bombardeiro, com o qual executa diversas missões perigosas. Entretanto, encontra Christy Jameson, futura esposa que lhe dará um filho, Pepper. Durante a Guerra da Coreia, Buz é novamente mobilizado, pondo à prova os seus dotes de heroísmo. Terminado o conflito, Buz torna-se detective privado.


Quadriculografia portuguesa:
  • [?] Roy Crane, Herói (1ª série) #6
  • [1947/??/??-1947/10/??] - Aventura perigosa, Roy Crane, Mundo de Aventuras (1ª fase) #780
  • [1947/02/10-1947/07/05] - Aventura na selva, Roy Crane, Jornal do Cuto #99
  • [1947/10/20-1948/04/24] - Complicações de saias, Roy Crane, Selecções do Jornal do Cuto
  • [1954/01/03-1954/05/??] - Piratas do Ártico, Roy Crane, Álbum do Cavaleiro Andante #36
  • [1954/04/19-1954/08/18] - Um caso de espionagem, Roy Crane, Cavaleiro Andante #222 a #247
  • [1954/08/26-1954/11/17] - Operação YX-1, Roy Crane, Mundo de Aventuras (1ª fase) #486 a #500
  • [1955-04-??-1955-06-??] - O alvo humano, Roy Crane, Condor Popular #2-27º volume
  • [1960-02-02-1960-03-26] - Missão delicada, Roy Crane, Condor Popular #1-33º volume
  • Férias acidentadas, Roy Crane, Ciclone #127; Condor Popular #8-24º volume
  • [1966/08/15-1966/09/24] - Um voo fora de tempo, Roy Crane, Jornal do Cuto #162
  • [1966/10/18-1966/??/??] - Missão secreta, Roy Crane, Tico #4
  • [1977/02/21-1977/04/16], Roy Crane, Mundo de Aventuras (2ª fase) #223
  • [1977/04/18-1977/07/09], Roy Crane, Mundo de Aventuras (2ª fase) #263
  • [1977/07/11-1977/08/20], Henry Schlenker e Edwin Granberry, Mundo de Aventuras (2ª fase) #284
  • [1977/08/22-1977/10/29], Henry Schlenker e Edwin Granberry, Mundo de Aventuras (2ª fase) #296
  • [1977/10/31-1978/01/21] - Rapto nas Caraíbas, Henry Schlenker e Edwin Granberry, Mundo de Aventuras (2ª fase) #312
  • [1978/01/23-1978/04/15] - O lobo fantasma, Henry Schlenker e Edwin Granberry, Mundo de Aventuras (2ª fase) #376
[actualizado em 1-12-2014]



Al & Brock - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Tintin #5/30º ano, 28 de Janeiro de 1975
André-Paul Duchateau (argumento) e Christian Denayer (desenhos)
Estreia em Portugal: Selecções Tintin #3, Outubro de 1984
Outras publicações: Álbum Edinter

Alcibiade Russel e Brockowski são os nomes verdadeiros da dupla de polícias americanos criada por Duchateau Denayer para a nova versão do Tintin (Tintin hebdotimiste). A série humorística, que se iniciou com o nome de Les Casseurs (abandonado, em 1991, por ter uma conotação negativa), baseia-se nos frequentes cómicos acidentes de viação da dupla policial, explorando a vertente de Denayer no desenho de automóveis.A partir de 1993, Denayer faz-se assistir por Yvan Fernandez, terminando a série, um ano depois, com a edição em álbum pela Lombard.

Quadriculografia portuguesa:
  • Alta tensão (Haute tension), 1975, Album Edinter [1986], Jornal da BD #209 a #216 
  • Sabotagem no Forte Tempest (Sabotage à Fort Tempest), 1976, Album Edinter [1986], Jornal da BD #217 a #224
  • Comandos em Red Manson (Opération Mamouth), 1977, Selecções Tintin #3 
[actualizado em 6-11-2014]

Monografia sobre Al Williamson

Uma novidade na minha biblioteca é a recentemente adquirida monografia de Al Williamson de Yexus (pseudónimo de Jesús Garcia Sierra), editada em castelhano pela editora portuguesa Libri Impress. Profusamente ilustrada, a obra percorre a biografia de um dos grandes desenhadores norte-americanos, conhecido entre nós em séries como Flash Gordon, Rip Kirby e Agente Secreto X-9 (Phil Corrigan) e os seus trabalhos para a Marvel. Cori Williamson, filho de Al, redige o epílogo desta excelente monografia.

Al Williamson: El último aventurero, Yexus, LibriImpress, 144 pp., p&b, capa mole com badanas, 18,50€


19 de junho de 2017

Os Inoxidáveis - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Policial
(França) Charlie Mensuel #9 (2ª série), Dezembro de 1982 - Pilote #33, Fevereiro de 1989
Victor Mora (texto) e Antonio Parras (desenho)
Estreia em PortugalÁlbum Meribérica-Líber, 1988
Outras publicaçõesSelecções BD (1ª série)


Os Inoxidáveis vivem no ambiente hostil e negro dos anos 1920 da cidade de Chicago.
A série inicia-se com o assassínio do dono do jornal The Clarion, levando a que Mark, cronista do jornal, trave conhecimento com Golo, um capanga a soldo de uma organização de crime organizado. Após várias peripécias, Mark Golo tornam-se verdadeiros amigos, lutando para escaparam a esse mundo sórdido, procurando uma vida tranquila e justa.

Quadriculografia portuguesa:
  • Os Inoxidáveis (Les Inoxydables), 1982, Álbum Meribérica-Líber [1988], Selecções BD #13 a #15


[actualizado em 30-11-2014]

Hyperion - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Histórico
(Bélgica) Tintin, 1979-1981
André-Paul Duchateau (argumento) e Franz (desenhos)
Estreia em PortugalMundo de Aventuras (2ª fase) #422, 12 de Novembro de 1981

Quadriculografia portuguesa:
  • A bola de fogo (La boule de feu + La ville arène + L'épreuve du précipice + La catapulte + La rivière souterraine + Le mystère de la tour), 1979, Mundo de Aventuras (2ª fase) #422, #433 e #459

18 de junho de 2017

A Carroça de Thespis - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Le chariot de Thespis
Western
(França) Gomme #2, Dezembro de 1981 - Circus #115, Novembro de 1987
Philippe Bonifay (argumento) e Christian Rossi (desenho)


A acção da série decorre em plena Guerra da Secessão dos EUA. Quando o conflito rebenta, Drustan, um jovem sulista, filho de um rico fazendeiro, recusa-se a combater contra aqueles que considera seus irmãos. Assim, foge na companhia de um escravo negro, encontrando Hermés, um actor ambulante em busca do assassino de sua esposa.

Quadriculografia portuguesa:
  • A carroça de Thespis (Le chariot de Thespis), 1981, Álbum Meribérica [1984]
[actualizado em 30-11-2014]

Mr. Magellan - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Policial
(Bélgica) Tintin #13/24º ano, 1 de Abril de 1969 - Tintin #26/40º ano, 25 de Junho de 1985
Jean Van Hamme (argumento) e Henri Ghion (desenhos)
Outros artistasAndré-Paul Duchateau
Estreia em PortugalTintin #27/3º ano, 28 de Novembro de 1970
Outras publicaçõesTintin Especial Anual, Selecções do Mundo de Aventuras, Almanaque Tintin

Mr. Magellan, um curioso agente secreto, amante de charutos e de carros luxuosos, trabalha para a I.T.O., uma agência de contra-espionagem. A sua melhor amiga, Capella, uma jovem russa, é portadora de uma força pouco comum, que os salva em algumas situações perigosas. Mr. Magellan é uma série que alterna o fantástico, o policial e o humorístico.  Em 1971, o argumento passa para a responsabilidade de André-Paul Duchateau.

Quadriculografia portuguesa:
  • I.T.O. (I.T.O.), 1969, Ghion e Van Hamme, Tintin #27 a #41/3º ano 
  • O relógio do diabo (L'horloge du diable), 1969, Ghion e Van Hamme, Selecções do Mundo de Aventuras #243
  • Assalto ao Vaticano (Hold–up au Vatican), 1969, Ghion e Van Hamme, Tintin #15 a #29/5º ano
  • O rapidíssimo (Le robotissime), 1970, Ghion e Duchateau, Tintin Especial Anual de 1974
  • Operação Cristal (Opération Crystal), 1971, Ghion e Duchateau, Tintin #18, #21, #25 e #29/7º ano
  • Os dedos de aço (Les doigts d'acier), 1971, Ghion e Duchateau, Almanaque Tintin #5
  • A ilha dos colossos (L’île des colosses), 1972, Ghion e Duchateau, Tintin #44/7º ano
  • [-] (La cage aux fauves), 1972, Ghion e Duchateau, Tintin #47/7º ano
  • [-] (Le reveil des géants), 1972, Ghion e Duchateau, Tintin #51/7º ano
  • [-] (Carte blanche pour Magellan !), 1972, Ghion e Duchateau, Tintin #2/8º ano
  • O romance de Mr. Magellan (?), ?, Ghion e Duchateau, Tintin Especial Anual de 1976
  • A 2ª morte do faraó (La 2ème mort du pharaon), 1977, Ghion e Duchateau, Tintin #7 a #18/12º ano
[actualizado a 8-11-2014]

17 de junho de 2017

A Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel #45: Guerra Civil

Já está nas bancas mais um volume da Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel, intitulado Guerra Civil, com argumento de Mark Millar e desenho de Steve McNiven

Eis a sinopse da editora:
No rescaldo de um trágico acidente causado por uma equipa de heróis inexperientes, é feita uma proposta de lei para o Registo de Super-Humanos que irá forçar todos os super-heróis a revelar as suas identidades perante o governo dos Estados Unidos. Embora alguns heróis abracem a nova lei, outros consideram-na repulsiva. São então traçadas linhas e antigos aliados defrontam-se à medida que a comunidade superhumana é dividida em dois por uma decisão que irá alterar o Universo Marvel para sempre.

O Universo Marvel nem sempre foi um lugar onde os heróis colaboram em harmonia. Nos primeiros anos de existência foram numerosas as batalhas entre os seus campeões. É claro que esses conflitos eram normalmente causados por um mal-entendido, ou consequência dos actos de algum super-vilão ardiloso (e no final da história já tinham passado de versus para “vamos unir forças”), mas eram quase um lugar-comum naquela época. Mas no início do novo milénio, já não era bem assim. Havia os ocasionais desentendimentos, mas eram raros e muito espaçados. Começou a crescer o sentimento de que os heróis se tinham tornado demasiado “amigáveis”. Era necessário algo para agitar as águas e tornar as coisas mais imprevisíveis e interessantes. Nos anos que se seguiram, a equipa editorial da Marvel passou a orquestrar uma série de eventos cataclísmicos. O maior de todos foi certamente esta Guerra Civil.

Heróis de dois lados opostos, batendo-se por aquilo que acreditam estar correto. Mesmo antes do primeiro número da história ter chegado às bancas, o nível de antecipação atingiu níveis de excitação tremendos. Todos perceberam que o evento iria alterar a paisagem do Universo Marvel, bem como o estatuto dos seus heróis mais populares. De facto, alguns dos eventos da guerra foram de tal forma chocantes, que acabaram por ser alvo de cobertura por parte da comunicação social, alimentando ainda mais a popularidade do acontecimento. Aliás, a Guerra Civil provou ser, sem qualquer sombra de dúvida, o maior best-seller da Marvel deste século.

Guerra Civil definiu muito do que foi a última década de histórias da Marvel. Tudo o que a antecede parece ter conduzido a este ponto, ao passo que os seus efeitos têm ensombrado tudo o que sucedeu de seguida. Mark Millar e Steve McNiven conceberam um conto que remodelou e revitalizou o Universo Marvel para o século XXI, e que inspirou uma recente sequela (Civil War II), para além de ter servido de principal fonte de inspiração para o recente filme Capitão América: Guerra Civil.

O artista Steve McNiven é um dos mais populares desenhadores actuais de super-heróis, embora na sua origem não estivesse ligado a este género. Vindo da CrossGen, onde desenvolveu muito do seu estilo, que combina o realismo com alguma influência do dinamismo do mangá, foi contratado pela Marvel em 2004, para desenhar a revista Marvel Knights, em que trabalhou durante 30 números, e acabou por se fixar na Casa das Ideias, onde trabalhou nalgumas mini-séries de grande visibilidade – por exemplo, além desta Guerra Civil, desenhou Velho Logan, também com Mark Millar, com quem continuaria também a trabalhar em projectos mais independentes, ou o relançamento do Capitão América com argumento de Ed Brubaker. Desde então que se tornou num dos favoritos dos leitores, que aguardam sempre com antecipação os seus trabalhos.

A Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel #45: Guerra Civil, Steve McNiven e Mark Millar, Editorial Salvat, 208 pp., cor, capa dura, 9,90€

Lucky Luke - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Western Humorístico
(França) L'Almanach Spirou 1947, 1946 - Lucky Luke, 2002
Morris (argumento e desenhos)
Outros autoresRené Goscinny, Bob De Groot, Vicq, Dom Domi, Xavier Fauche, Jean Léturgie, Martin Lodewijk, Guy Vidal, Claude Guylouis (Jean-Louis Robert, Claude Klotz e Guy Vidal), Lo Hartog Van Banda, Yann, Eric Adam, Patrick Nordmann, Achdé, Laurent Gerra, Daniel Pennac, Benacquista e Jacques Pessis
Estreia em Portugal: Cavaleiro Andante #340, 5 de Julho de 1958
Outras publicaçõesZorro, Nau Catrineta, Álbum Editorial Íbis, Tintin, Álbum Livraria Bertrand, Álbum Meribérica, Flecha 2000, Jornal da BD, Flecha 2000 (Diário Popular), Quadradinhos (2ª série), Álbum Correio da Manhã, Selecções BD (1ª série), Selecções BD (2ª série), Álbum Edições ASA, Álbum Público/Edições ASA

Lucky Luke é um cow-boy solitário que com o seu cavalo Jolly Jumper se cruza com as grandes figuras da história do Oeste norte-americano: Billy the Kid, os irmãos Dalton, Jesse James, Calamity Jane, Sarah Bernhardt..., assim como os grandes acontecimentos da história dos EUA, como a corrida ao ouro, as guerras com os índios, o caminho de ferro... A partir de 1955, René Goscinny assume o argumento da série até ao seu falecimento. Depois foram vários os argumentistas que trabalharam para o «cow-boy que dispara mais rápido que a própria sombra». Nos finais dos anos 80, Rantanplan, o «cão mais estúpido do Oeste» passa a ter a sua própria série e, em 1996, nasce a série Kid Lucky, retratando a meninice do herói. Com a morte de Morris, a série continua com «As Aventuras de Lucky Luke segundo Morris». 

Quadriculografia portuguesa:
  • Arizona (Arizona), 1946, Morris, Álbum ASA [2005]; Álbum Público/ASA [2006]
  • Rodeo (Rodeo), 1948, Morris, Álbum ASA [2005]
  • O sherif de Red-City (Nettoyage à Red City), 1951, Morris, Cavaleiro Andante #390 a #409, [incluído no álbum «Lucky Luke contra Pat Poker»]
  • Tumulto em Tumbleweed (Tumulte a Tumbleweed), 1952, Morris [incluído no álbum «Lucky Luke contra Pat Poker»] 
  • Fora da lei (Hors la loi), 1952, Morris, Cavaleiro Andante #479 a #502; Álbum Editorial Íbis [1967](7); Álbum Meribérica [1982](7); Álbum Público [2012](7)
  • O regresso dos irmãos Dalton (Le retour des frères Dalton), 1952, Morris, [incluído no álbum «Fora da lei»]; Zorro #145 a #153
  • Zaragata em Pancake Valley (Grabuge à Pancake-Valley), ?, Morris, Cavaleiro Andante #512; Álbum Correio da Manha* [2003]
  • O elixir do doutor Doxey (L'elixir du Dr Doxey), 1952, Morris, Cavaleiro Andante #340 a #361; Tintin #48 a #52/1º ano; Álbum Meribérica [1981](9); Álbum Público [2012](9)
  • Sob o céu do Oeste (Sous le ciel de l'Ouest), 1953, Morris, Álbum ASA [2006]
  • Lucky Luke contra Pat Poker (Lucky Luke contre Pat Poker), 1953, Morris, Álbum Meribérica [1982](8); Álbum Público [2012] (8)
  • Caça ao homem (Chasse à l'homme), 1953, Morris, Cavaleiro Andante #362 a #383; Tintin #1 a #7/2º ano; [incluído no álbum «O elixir do doutor Doxey»]
  • O terrível forasteiro/Lucky Luke e Tir'ó Linhas/Lucky Luke e Phil Defer (Lucky Luke et Phil Defer), 1956, Morris, Cavaleiro Andante #410 a #432; Álbum Editorial Íbis [1967]; Álbum Meribérica [1982]; Álbum Público [2012]
  • O «pílula» (Lucky Luke et pilule), 1956, Morris, Jornal da BD #55 a #56 [incluído no Álbum «Lucky Luke e Phil Defer»
  • Pedro Cucaracha e os Pés-Azuis/Alerta aos Pés-Azuis (Alerte aux Pieds-Bleus), 1956, Morris, Zorro #1 a #24; Tintin #8 a #26/2º ano; Álbum Meribérica [1982]; Álbum Público [2012]
  • Um comboio na pradaria/Carris na pradaria (Des rails sur la prairie), 1956, Morris e Goscinny, Cavaleiro Andante #434 a #468; Álbum Meribérica [1981]; Álbum ASA [2009]
  • Lucky Luke contra Joss Jamon (Lucky Luke et la bande de Joss Jamon), 1956, Morris e Goscinny, Tintin #27 a #47/1º ano; Álbum Meribérica [1982]; Álbum Público [2012]
  • Os primos Dalton (Les cousins Dalton), 1957,Morris e Goscinny, Álbum Editorial Íbis [1968]; Álbum Meribérica [1981]; Jornal da BD #249 a #256; Álbum ASA [2009]
  • O juíz (Le juge), 1957, Morris e Goscinny, Álbum Editorial Íbis [1969]; Álbum Meribérica [1982]; Álbum ASA [2009]
  • Corrida para Oklahoma (Ruée sur Oklahoma), 1958, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1982]; Álbum Público [2012]
  • A evasão dos Dalton (L'évasion des Dalton), 1958, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1982]; Jornal da BD #49 a #54; Álbum ASA [2009]
  • Subindo o Mississipi (En remontant le Mississipi), 1959, Morris e Goscinny, Nau Catrineta #205-?; Álbum Meribérica [1982]; Álbum ASA [2011]
  • À sombra dos Derricks (À l'ombre des Derricks), 1960, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1982]; Álbum ASA [2008]
  • Na pista dos Dalton (Sur la piste des Dalton), 1960, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1981]; Álbum ASA [2011]
  • Os rivais de Painful Gulch (Les rivaux de Painful Gulch), 1961, Morris e Goscinny, Flecha 2000 (DP) #46 a #54; Álbum Meribérica [1982]; Jornal da BD #41 a #48; Álbum ASA [2006]; Álbum Público/ASA [2006]
  • Billy, the kid (Billy the kid), 1961, Morris e Goscinny, Tintin #1 a #21/1º ano; Álbum Meribérica [1982]; Jornal da BD #209 a #216; Álbum Público [2012]
  • As colinas negras (Les collines noires), 1961, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1982]; Jornal da BD #137 a #144; Álbum Público [2012]
  • Os Dalton no Canadá (Les Dalton dans le blizzard), 1962, Morris e Goscinny, Tintin #20 a #41/9º ano; Álbum Meribérica [1982]; Álbum Público [2012]
  • A caravana (La caravane), 1962, Morris e Goscinny, Tintin #11 a #32/4º ano; Álbum Livraria Bertrand [1977]; Álbum Meribérica [1983]; Jornal da BD #72 a #80; Álbum ASA [2007]
  • A cidade fantasma (La ville fantôme), 1963, Morris e Goscinny, Álbum Livraria Bertrand [1975]; Álbum Meribérica [1983]; Jornal da BD #89 a #96
  • Os Dalton continuam à solta (Les Dalton courent toujours), 1964, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1982]; Álbum ASA [2007]
  • O 20º de cavalaria (Le 20ème de cavalerie), 1964, Morris e Goscinny, Tintin #41/3º ano a #10/4º ano; Álbum Livraria Bertrand [1975]; Álbum Meribérica [1993]; Flecha 2000 (DP) #1 a #9; Jornal da BD #153 a #160; Álbum Público [2012]
  • A escolta (L'escorte), 1964, Morris e Goscinny, Tintin #27 a #48/2º ano; Álbum Meribérica [1983]; Jornal da BD #81 a #88; Álbum Público [2012]
  • Os Dalton regeneram-se (Les Dalton se rachètent), 1965, Morris e Goscinny, Tintin #19 a #40/3º ano; Álbum Livraria Bertrand [1976]; Álbum Meribérica [1987]; Flecha 2000 (DP) #19 a #27; Álbum Público [2012]
  • Arame farpado na pradaria (Des barbelés sur la prairie), 1965, Morris e Goscinny, Nau Catrineta #135 a #175; Tintin #24 a #45/8º ano; Álbum Meribérica [1983]; Flecha 2000 (DP) #37 a #45; Jornal da BD #217 a #224; Álbum Público [2012]
  • Calamity Jane (Calamity Jane), 1965, Morris e Goscinny, Tintin #49/2º ano a #18/3º ano; Álbum Livraria Bertrand [1975]; Álbum Meribérica [1989]; Álbum Público [2012]
  • Tortillas para os Dalton (Tortillas pour les Dalton), 1966, Morris e Goscinny, Tintin #1 a #22/8º ano; Álbum Meribérica [1990]; Álbum ASA [2010]
  • A diligência (La diligence), 1967, Morris e Goscinny, Álbum Livraria Bertrand [1976]; Álbum Meribérica [1989]; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006]
  • O pezinho-mole/O tenrinho/O engomadinho (Le pied-tendre), 1967, Morris e Goscinny, Tintin #17 a #38/6º ano; Álbum Livraria Bertrand [1977]; Álbum Meribérica [1989]; Álbum ASA [2006]
  • Dalton City (Dalton City), 1968, Morris e Goscinny, Álbum Livraria Bertrand; Tintin #31 a #52/7º ano; Jornal da BD #17 a #24; Álbum Meribérica [1981]; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006]
  • O circo do Oeste/Western Circus (Western Circus), 1969, Morris e Goscinny, Tintin #33/4º ano a #2/5º ano; Álbum Livraria Bertrand [1977]; Álbum Meribérica [1990]; Álbum Correio da Manha* [2003]; Álbum ASA [2006]
  • Jesse James (Jesse James), 1969, Morris e Goscinny, Álbum Livraria Bertrand [1974]; Álbum Meribérica [1981]; Jornal da BD #129 a #136; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006]
  • Canyon Apache (Canyon Apache), 1970, Morris e Goscinny, Tintin #3 a #24/5º ano; Álbum Meribérica [1988]; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006]
  • Mamã Dalton/Mã Dalton (Ma Dalton), 1971, Morris e Goscinny, Tintin #25 a #46/5º ano; Álbum Livraria Bertrand [1974]; Álbum Meribérica [1989]; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006]
  • O caçador de prémios (Chasseur de primes), 1972, Morris e Goscinny, Tintin #39/6º ano a #8/7º ano; Álbum Livraria Bertrand [1976]; Álbum Meribérica [1990]; Álbum ASA [2006]
  • O grão-duque (Le grand duc), 1973, Morris e Goscinny, Tintin #9 a #30/7º ano; Álbum Meribérica [1988]; Álbum ASA [2003]; Álbum Público/ASA [2006]
  • A herança de Rantanplan (L'héritage de Rantanplan), 1973, Morris e Goscinny, Álbum Livraria Bertrand [1974]; Álbum Meribérica [1990]; Álbum Correio da Manha*[2003]; Álbum ASA [2007]
  • O «desperado» do dente-de-leite (Le despérado à la dent de lait), 1974, Morris e Goscinny, Flecha 2000 #1; Jornal da BD #57; Quadradinhos (2ª série) #19
  • A hospitalidade do Oeste (L'hospitalité de l'ouest), 1974, Morris e Goscinny, Flecha 2000 #2; Jornal da BD #59; Quadradinhos (2ª série) #20
  • Maverick (Maverick), 1974, Morris e Goscinny, Flecha 2000 #3; Jornal da BD #60; Quadradinhos (2ª série) #21
  • O rival de Wyatt Earp (L'égal de Wyatt Earp), 1974, Morris e Goscinny, Flecha 2000 #4; Jornal da BD #61; Quadradinhos (2ª série) #22
  • O vendedor ambulante (Le colporteur), 1974, Morris e Goscinny, Flecha 2000 #6; Jornal da BD #62; Quadradinhos (2ª série) #23
  • Passagem perigosa (Passage dangereux), 1974, Morris e Goscinny, Flecha 2000 #7; Jornal da BD #63; Quadradinhos (2ª série) #24; Correio da Manha* [2003]
  • Sonata em colt maior (Sonate en colt majeur), 1974, Morris e Goscinny, Flecha 2000 #8; Jornal da BD #64; Quadradinhos (2ª série) #25
  • 7 histórias completas (7 histores complétes - Serie 1)(1), 1974, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1981]; Álbum ASA [2008]
  • O cavaleiro branco (Le cavalier blanc), 1974, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1986]; Flecha 2000 #24 a #38; Quadradinhos (2ª série) #52 a #73; Álbum Edições ASA [2006]; Álbum Público/ASA [2006]
  • Psicanálise para os Dalton/A cura dos Dalton/Os Dalton e o psicólogo (La guérison des Dalton), 1975, Morris e Goscinny, Tintin #48/8º ano a #17/9º ano; Álbum Meribérica; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006]
  • O imperador Smith (Empereur Smith), 1976, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1981]; Flecha 2000 #11 a #23; Quadradinhos (2ª série) #26 a #51; Jornal da BD #25 a #32; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006] 
  • O fio que canta (Le fil qui chante), 1977, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica [1981]; Jornal da BD #1 a #8; Álbum ASA [2008]
  • A balada dos Dalton (La ballade des Dalton), 1978, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica (16x22) [198?] (2)
  • Desafio a Lucky Luke (Défi à Lucky Luke), 1978, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica (16x22) [198?] (3)
  • Sonata em colt maior (Sonate en colt majeur), 1979, Morris e Goscinny, Álbum Meribérica (16x22) [198?] (4)
  • A corda do enforcado (La corde du pendu), 1979, Morris e Vicq, Álbum Correio da Manha* [2003]
  • O justiceiro (Le justicier)(5), 1980, Morris e  Goscinny, De Groot e Vicq, Álbum Meribérica (16x22) [198?]
  • O esconderijo dos Dalton (Le magot des Dalton), 1980, Morris e Goscinny, Tintin #5 a #26/14º ano; Flecha 2000 (DP) #82 a #90; Álbum Meribérica [1981]
  • A mina do camelo (La mine du chameau), 1980, Morris e Dom Domi, Selecções BD (1ª série) #23; Álbum Correio da Manha* [2003]
  • Os Dalton apanharam o comboio (Les Dalton prennent le train), 1980, Morris e Goscinny, Álbum Correio da Manha* [2003]
  • O bandido maneta (Le bandit manchot), 1981, Morris e De Groot, Álbum Meribérica [1981]; Álbum ASA [2006]
  • Sarah Bernhardt (Sarah Bernhardt), 1982, Morris, Fauche e Léturgie, Álbum Meribérica [1982]; Jornal da BD #9 a #16; Álbum Correio da Manha* [2003]; Álbum ASA [2006]
  • O justiceiro (Le justicier), 1982, Morris e De Groot, Álbum Meribérica (16x22); Álbum Correio da Manha* [2003]
  • A palavra divina (La bonne parole), 1982, Morris e De Groot, Álbum Correio da Manha* [2003]
  • Ajuste de contas (Règlement de comptes), 1982, Morris e Lodewijk, Selecções BD (1ª série) #23; Álbum Correio da Manhã* [2003]
  • Daisy Town (Daisy Town), 1983, Morris e Goscinny, Flecha 2000 (DP) #10 a #18; Álbum Meribérica [1983]; Jornal da BD #65 a #71; Álbum ASA [2005]; Álbum Público/ASA [2006]
  • Fingers (Fingers), 1983, Morris e Van Banda, Álbum Meribérica [1984]; Flecha 2000 (DP) #28 a #36; Jornal da BD #185 a #192; Álbum ASA [2012]
  • Daily Star (Le Daily Star), 1984, Morris,  Fauche e Léturgie, Álbum Meribérica [1985]; Jornal da BD #169 a #176; Álbum ASA [2003]; Álbum Público/ASA [2006]
  • A noiva de Lucky Luke (La fiancée de Lucky Luke), 1985, Morris e Vidal, Álbum Meribérica [1986]; Jornal da BD #233 a #240
  • Rancho maldito (Le ranch maudit), 1986, Morris e Guylouis, Álbum Meribérica [1987]; Jornal da BD #257
  • A estátua (La statue), 1986, Morris e Guylouis, Jornal da BD #259 a #260
  • O açude (Le flume), 1986, Morris e Léturgie, Jornal da BD #261 a #262
  • O caminho do crepúsculo (Le chemin du crépuscule), 1986, Morris e Goscinny, Selecções BD (1ª série) #33
  • A balada dos Dalton e outras histórias (La ballade des Dalton et autres histoires), 1986, Morris, Goscinny, Álbum Público/ASA [2006]; Álbum ASA [2005]
  • O rancho maldito (Le ranch maudit), 1986, Morris; Guylouis, Fauche e Léturgie, Álbum Meribérica(5); Álbum ASA [2006]
  • Nitroglicerina (Nitroglycérine), 1987, Morris, Van Banda e Lo Hartog, Álbum Meribérica [1987]
  • O alibi (L'alibi), 1987, Morris e Guylouis, Álbum Meribérica [1990]
  • O Pony Express (Le Pony Express), 1988, Morris e Fauche, Álbum Meribérica [1990]
  • Um lapão no Canadá (Un Lapon au Canada), 1990, Morris e Dom Domi, Selecções BD (1ª série) #33
  • Li-Chi's story (Li-Chi's story), 1990, Morris e De Groot, Álbum Correio da Manha* [2003]
  • A vidente (La bonne aventure), 1990, Morris, Fauche e Léturgie, Jornal da BD #258
  • A amnésia dos Dalton (L'amnésie des Dalton), 1991, Morris, Fauche e Léturgie, Álbum Meribérica [1992]
  • Caça aos fantasmas (Chasse aux fantômes), 1992, Morris e Van Banda, Álbum Meribérica [1992]
  • A corda do enforcado e outras histórias (La corde du pendu et autres histoires)(6), 1982, Morris; Vicq, Goscinny, De Groot, Dom Domi e Lodewijk, Álbum Meribérica [1990]; Álbum ASA [2007]
  • Os Dalton no casamento (Les Dalton à la noce), 1993, Morris, Fauche e Léturgie, Álbum Meribérica [1993]; Álbum ASA [2005]; Álbum Público/ASA [2006]
  • A ponte sobre o Mississipi (Le pont sur le Mississipi), 1994, Morris, Fauche e Léturgie, Álbum Meribérica [1998]
  • Belle Starr (Belle Starr), 1995, Morris e Fauche, Álbum Meribérica [1998]
  • O klondike (Le klondike), 1996, Morris, Yann e Léturgie, Álbum Meribérica [1998]
  • O.K. Corral (O.K. Corral), 1997, Morris, Fauche e Adam, Álbum Meribérica [1999]
  • Marcel Dalton (Marcel Dalton), 1998, Morris e De Groot, Álbum Meribérica [1999]
  • O profeta (Le prophète), 2000, Morris e Nordmann, Selecções BD (2ª série) #23 a #24; Álbum ASA [2004]; Álbum Público/ASA [2006]
  • O artista plástico (L'artiste peintre), 2001, Morris e De Groot, Álbum ASA [2003]; Álbum Público/ASA [2006]
  • A lenda do Oeste (La legende de l'ouest), 2002, Morris e Nordmann, Álbum ASA [2003]; Álbum Público/ASA [2006]

As novas aventuras de Lucky Luke segundo Morris
  • Lucky Luke no Quebeque (La belle province), 2004, Achdé e Gerra, Álbum ASA; Álbum Público/ASA [2004]
  • O nó ou a forca (La corde au cou), 2006, Achdé e Gerra, Álbum ASA [2007]
  • O homem de Washington (L'homme de Washington), 2008, Achdé e Gerra, Álbum ASA [2008]
  • Lucky Luke contra Pinkerton (Lucky Luke contre Pinkerton), 2010, Achdé, Pennac e Benacquista Álbum ASA [2010]
  • Todos por conta própria (Cavalier seul), 2012, Achdé, Pennac e Benacquista Álbum ASA [2012]
  • Os tios Dalton (Les tontons Dalton), 2014, Achdé, Pessis e Gerra, Álbum ASA [2014]
  • A terra prometida (La terre promise), 2016, Achdé e Jul, Álbum ASA [2016]
* Colectânea
(1) Contém os episódios: «A corda do enforcado», «Os Dalton tomam o combóio», «O justiceiro», «A mina do camelo», «Ajuste de contas», «A palavra divina» e «Li-Chi's story»
(2) Contém os episódios: «O rancho maldito», «A estátua», «A vidente» e «O açude»
(3) Contém os episódios: «O "desperado" do dente de leite». «A hospitalidade do Oeste».«Maverick». «O rival de Wyatt Earp». «O vendedor ambulante», «Passagem perigosa» e «Sonata em Colt Maior»
(4) Contém os episódios: «Balada dos Dalton», «História de Li-Chi» e «A escola dos xerifes»
(5) Contém os episódios: «Desafio a Lucky Luke», «Arpejos  no vale», «Passeio pela cidade», «A boa palavra segundo Morris», «O "desperado" do dente de leite» e «A batalha do arroz»
(6) Contém os episódios: «Os Dalton assaltam o comboio», «A corda do enforcado», «Um amor de Jolly Jumper», «O justiceiro». «Desordem em Panckake Valley» e «O caminho do crepúsculo»
(7) Contém os episódios: «Fora-da-lei» («Hors le loi», 1952) e «O regresso dos irmãos Dalton» («Le retour des frères Dalton», 1952)
(8) Contém os episódios: «Limpeza em Red City» («Nettoyage à Red City», 1951) e «Tumulto em Tumbleweed» («Tumulte à Tumbleweed», 1952)
(9) Contém os episódios: «O elixir do doutor Doxey» («L'elixir du doctor Doxey», 1952) e «Caça ao homem» («Chasse à l'homme», 1953)

[actualizado em 10-12-2016]

Sherlock Holmes - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Policial
(França) Editions Claude Lefrancq, Abril de 1990
André-Paul Duchateau (argumento) e Guy Clair (desenho)
Outros artistasStibane
Estreia em PortugalÁlbum Repsol Portugal, 1997


Adaptação em banda desenhada das aventuras do detective Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle.

Quadriculografia portuguesa:
  • O cão dos Baskerville (Le chien des Baskerville), 1991, Stibane e Duchateau, Álbum Repsol Portugal [1997]
  • Jack, o estripador (Jack, l'éventreur), 1994,  Stibane e Duchateau, Álbum Repsol Portugal [1997]
  • A fita manchada (La bande mouchetée), 1995,  Stibane e Duchateau, Álbum Repsol Portugal [1997]
[actualizado em 8-11-2014]

16 de junho de 2017

Rork - Ensaio de quadriculografia portuguesa


Ficha técnica:
Fantástico
(Bélgica), Tintin #47 (33º ano), 17 de Novembro de 1978 – Éditions Le Lombard, 1993
Andreas (argumento e desenho)
Estreia em PortugalSelecções BD (1ª série) #13, Maio de 1989
Outras publicaçõesMundo de Aventuras (2ª fase)


Rork é um cavaleiro que graças aos seus poderes alquimistas consegue viver simultaneamente em três séculos viajando no tempo. Nas suas aventuras, vai encontrando curiosos personagens, como o escrivão Bernard Wright, o inventor Adam Neels e Low Valley, uma jovem amnésica.

Quadriculografia portuguesa:
  • Um século para uma casa (Un siécle pour une maison), 1978, Selecções BD (1ª Série) #13; Mundo de Aventuras (2ª fase) #442
  • Ponto fatal (Point fatal), 1979, Selecções BD (1ª série) #25;  Mundo de Aventuras (2ª fase) #442
  • A mancha (La tache), 1979,  Mundo de Aventuras (2ª fase) #442
  • Vale profundo (Low valley), 1980,  Mundo de Aventuras (2ª fase) #442
  • Fragmentos (Fragments), 1980,  Mundo de Aventuras (2ª fase) #442
  • O regresso da mancha (Le retour de la tache), 1980,  Mundo de Aventuras (2ª fase) #442
[actualizado em 5-12-2014]



Saint-Fauston - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
(Bélgica) Tintin, 1969
André-Paul Duchateau (argumento) e Henri Desclez (desenhos)
Estreia em PortugalTintin #39/2º ano, 21 de Fevereiro de 1970


Quadriculografia portuguesa:
  • Saint-Fauston é seu irmão? (Saint-Fauston est-il son frére?), Tintin #39/2º ano
[actualizado em 8-11-2014]

A Coleção Oficial de Graphics Novels #44

X-Men: O cisma é a obra escolhida para o 44º volume desta colecção da Editorial Salvat.

Eis a sinopse da editora:
Mesmo sabendo que o número de mutantes caiu para mínimos de sempre, depois da crise desencadeada pela Feiticeira Escarlate, o mundo recusa-se a confiar neles. E quando ocorre um incidente internacional provocado por um mutante, o ódio e preconceito anti-mutante atingem dimensões assustadoras. Com os antigos rivais Ciclope e Wolverine a terem de reunir o que resta dos X-Men, haverá heróis a enfrentar-se, amizades fraturadas, e o Universo Marvel irá mudar para sempre.

A Feiticeira Escarlate pronunicou as palavras fatídicas: “Acabaram-se os mutantes”, e transformou o universo mutante da Marvel para sempre. Com a população do Homo Superior reduzida a uma mão-cheia de membros, e sem que nasçam mais mutantes, a própria razão de existência dos X-Men teve de mudar completamente. Tiveram de esquecer a promoção da tolerância e da aceitação, e focar-se numa só coisa: a sobrevivência. Mudaram de base, criando a pequena ilha de Utopia, ao largo da costa de São Francisco, como um símbolo para o mundo da sua vontade de resistir contra todas as ameaças. Até a  rivalidade entre Ciclope e Wolverine se foi atenuando, e parecia que os dois estavam mais próximos do que nunca, unidos pela situação desesperada que os mutantes enfrentam.

Mas em Cisma, esta união vai ser quebrada de uma maneira chocante e quase dolorosa de ler. Não é a primeira vez que duas figuras importantes dos mutantes se encontram tão divididas e opostas – afinal, Charles Xavier e Magneto chegaram a ser amigos, e ambos pensavam ter os melhores interesses dos mutantes em mente – mas as razões desta nova separação são complexas e subtis, e irão alterar para sempre o status quo do universo Marvel no que toca aos mutantes. É cedo para dizer se os X-Men se vão conseguir manter unidos, ou se a separação entre os dois grupos veio para durar, mas neste momento da história, o futuro dos mutantes parece cada vez mais negro…

A Coleção Oficial de Graphics Novels #44: X-Men - O Cisma, Jason Aaron, Kieron Gillen, Carlos Pacheco e Frank Cho, Editorial Salvat, 216 pp., cor, capa dura

Príncipe Valente 1963-1964

A Libri Impress está a editar em castelhano toda a obra de Príncipe Valente por Harold Foster. O recente volume editado abrange os anos de 1963 e 1964 e tem o título "La hora de Arn". Os pedidos podem ser enviados ao editor mcaldas59@sapo.pt.


15 de junho de 2017

Mulher-Maravilha #4: Homens e deuses

Chega hoje às bancas o quarto volume da colecção Mulher-Maravilha editada pela Levoir e distribuída pelo jornal Público.

Na mítica ilha de Temiscira, uma orgulhosa e feroz raça guerreira de amazonas criou uma filha de beleza, graça e força inauditas – a princesa Diana, também conhecida como Mulher-Maravilha.

Quando um piloto de caça do Exército, Steve Trevor, pára na ilha, a rebelde e obstinada Diana desafia a lei das amazonas ao acompanhar Trevor de volta à civilização. Enquanto isso, Ares (o deus da guerra) escapou de sua prisão nas mãos das Amazonas e decidiu exigir a sua vingança: uma guerra mundial que não só durará séculos como acabará com todos os seres vivos do planeta!

Cabe à Princesa Diana salvar seu povo e o mundo, usando os seus poderes para provar que merece o nome de Mulher-Maravilha. O início da épica e incontornável remodelação da Mulher-Maravilha, levada a cabo por George Pérez na sequência das alterações no Universo DC provocadas pela saga Crise nas Terras Infinitas.

Mulher-Maravilha #4: Homens e deuses, George Pérez e Leon Wein, Levoir, cor, capa dura, 11,90€ com o jornal Público

Alain Cardin - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Ficção Científica
(Bélgica) Risque-Tout #24, 3 de Maio de 1956 - Spirou #1142, 13 de Março de 1960
Gérald Forton (argumento e desenhos)
Estreia em Portugal: Zorro #54, 19 de Outubro de 1963  


Alain Cardan é um dos primeiros cosmonautas da BD franco-belga. A série tem a participação episódica do argumentista Yvan Delporte. Em Portugal, foi baptizado por Cristóvão Cardin.


Quadriculografia portuguesa:
  • Alô, aqui Vénus (Allo… Ici Vénus), 1958, Zorro #54 a #67
[actualizada a 12-11-2014]

Tarzan de Russ Manning #3

A Libri Impress lançou o terceiro volume que compila as tiras diárias de Russ Manning para a série Tarzan. Apesar do editor ser nacional, o volume está redigido em castelhano. Os pedidos podem ser efectuados usando o mail mcaldas59@sapo.pt.


14 de junho de 2017

Top das vendas de BD em França de 29 de Maio a 4 de Junho de 2017

1º lugar (novo)
XIII Mystery #11: Jonathan Fly
Olivier Taduc, Luc Brunschwig
Dargaud

2º lugar (novo)
L’Adoption #1: La Garùa
Arno Monin, Zidrou
Bamboo

3º lugar (novo)
Les Aventures de Buck Danny « Classic » #4: L’Île du diable
Jean-Michel Arroyo, Frédéric Marniquet, Frédéric Zumbiehl
Zephir BD/Dupuis


Bruce J. Hawker - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Histórico
(Bélgica e França) Femmes d'aujourd'hui #1650, 15 de Dezembro de 1976
William Vance (argumento e desenho)
Estreia em PortugalMundo de Aventuras (2ª fase) nº 462, 19 de Agosto de 1983

Bruce J. Hawker é um jovem tenente da Marinha da Majestade britânica dos inícios do século XVIII. A rebeldia em obedecer a ordens absurdas conduzem Hawker às galeras. Abandonado por todos, inclusive pela sua noiva, o jovem herói guerreia os gangs que semeiam o terror em Londres.
Através das aventuras da série, encontramos a miséria reinante na capital do império britânico, assim como o poderio militar inglês nos quatro cantos do mundo.
André-Paul Duchateau assegura o argumento a partir do terceiro episódio da série.

Quadriculografia portuguesa:
  • Rumo a Gibraltar (Cap sur Gibraltar), 1979, Mundo de Aventuras (2ª fase) #462 a #463
[actualizado em 13-11-2014]

Bob Morane - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) Femmes d'aujourd'hui #733, 21 de Maio de 1959
Henri Vernes (argumento) e Dino Attanasio (desenhos)
Outros artistasGerald Forton, William Vance, Felicissimo Coria
Estreia em PortugalÁlbum Editorial Íbis, 1970
Outras publicaçõesTintin, Flecha 2000


Criado por Charles Dewisme, aliás Henri Vernes, em 1953 em formato romance, tendo mais de 160 episódios, na sua maior parte editados pela Marabout, com tiragens totais em várias dezenas de milhões de exemplares. O sucesso da personagem foi rentabilizado em episódios para televisão, discos e banda desenhada. Bob Morane, originalmente um emérito piloto da Royal Air Force, é um herói que conhece os quatro cantos do mundo, combinando nas suas aventuras o exotismo, o fantástico e a ficção científica. Em 21 de Maio de 1959 a revista Femmes d'aujourd'hui #733 publica as primeiras pranchas de Bob Morane com a arte de Dino Attanasio (já responsável pelas capas da Marabout). Sucede a Attanasio, em 1962, Gerald Forton, desenhando catorze episódios. Em 1967, Forton passa a arte a William Vance, que tem a seu cargo dezoito episódios, antes de ceder a responsabilidade do desenho a Francisco CoriaBob Morane é acompanhado nas suas aventuras pelo seu amigo Bill Ballantine, o arqueólogo professor Clérembart e a bela Sophie Paramount, tendo como principal inimigo o «Sombra Amarela», o célebre Senhor Ming.

Quadriculografia portuguesa:
  • A espada do paladino (L'épée du Paladin), 1967, Forton e Vernes, Álbum Editorial Íbis [1970], Flecha 2000 #1 a #10
  • O segredo dos 7 templos (Le secret des 7 temples), 1968, Forton e Vernes, 1968, Álbum Editorial Íbis [1970], Flecha 2000 #11 a #21
  • O vale das cascáveis (La vallée des Crotales), 1969, Forton e Vernes, Flecha 2000 #31 a #40
  • Os sortilégios do «Sombra Amarela», (Les sortilèges de l'ombre jaune), 1975, Vance e Vernes, Tintin #20 a 31/9º ano
  • Sem gasolina em Serado (Panne sèche à Serado), 1975, Vance e Vernes, Tintin #9 a #29/14º ano
  • As bolas do «Sombra Amarela» (Les bulles de l'ombre jaune), 1977, Vance e Vernes, Tintin #13 a #19/10º ano
  • A marca do sapo (L'empreinte du crapaud), 1978, Vance e Vernes, Tintin #17 a #38/11º ano
  • O imperador de Macau (L'empereur de Macao), 1979, Vance e Vernes, Tintin #17 a #38/11º ano
  • Operação «Wolf» (Opération Wolf), 1979, Coria e Vernes, Tintin #45 a #48/12º ano
  • Comando «Pavoroso» (Commando épouvante), 1980, Coria e Vernes, 1980, Tintin #33 a #44/13º ano
  • Os guerrilheiros do «Sombra Amarela» (Les guerriers de l'ombre jaune), 1980, Coria e Vernes, Tintin #6 a #21/15º ano
[actualizado em 28-11-2014]

13 de junho de 2017

Connie - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Comics
(EUA) Ledger Syndicate, 13 de Novembro de 1927 - 1944
Frank Godwin (argumento e desenho)
Estreia em PortugalO Gafanhoto #12
Outras publicaçõesMundo de Aventuras (2ª fase)

Connie tem a sua estreia numa prancha dominical  e só em 13 de Maio de 1929 é publicada a primeira tira diária. No início da série, Connie, uma jovem bela e loura, vive com os seus pais e preenche a sua vida procurando um companheiro amante e fiel. Após a depressão de 1929, Connie, tomando consciência do seu papel na sociedade, começa a ajudar a sua mãe em vários projectos de caridade. A partir de 1934, Connie é uma mulher livre e independente, trabalhando como jornalista e detective, vivendo várias aventuras, como a descoberta de cidades desaparecidas em florestas inexpugnáveis.  Nos últimos episódios, a heroína viaja no tempo e no espaço.

Quadriculografia portuguesa:
  • [?], O Gafanhoto (1ª série) #12 a #33
  • [?], O Gafanhoto (1ª série) #33 a #47
  • Uma herança difícil, Mundo de Aventuras (2ª fase) #229 a #234
[actualizado a 2-12-2014]

Mycroft & Klaxon - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Ficção Científica
(Bélgica) Le Soir, 1969 - Tintin, 1975
André-Paul Duchateau (argumento) e Henri Desclez (desenho)
Outros artistasAndrée Brault
Estreia em Portugal: Mundo de Aventuras (2ª fase) #49, 5 de Setembro de 1974
Outras publicaçõesTintin

O jovem e elegante detective Mycroft faz parceria com o gorducho doutor KlaxonMycrof é sério e inteligente, Klaxon rabugento e trapalhão. O seu trabalho é descobrir fantasmas, vampiros e outros criminosos dementes que assolam Londres nos finais do século XIX. Trata-se de uma paródia divertida às aventuras de Sherlock Holmes.

Qudriculografia portuguesa:
  • A Escócia... um castelo... e eu! (L'Ecosse ... un château ... et moi !), 1975 Desclez e Brault, Tintin #11 a #18/9º ano 
  • A badalada do diabo (?), Desclez e Brault, Mundo de Aventuras (2ª fase) #49 a #50
[actualizado em 2-12-2014]



Criss Golden - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Ficha técnica:
Aventura
(Bélgica) La Libre Junior, 1965 - La Libre Junior, 1966
Octave Joly (argumento) e Gérald Forton (desenhos)
Estreia em PortugalSelecções do Mundo de Aventuras #203, Junho de 1978
Outras publicaçõesMundo de Aventuras (2ª fase)

Quadriculografia portuguesa:
  • Missão no Tibete (?), Selecções do Mundo de Aventuras #203 
  • O roubo do Nautilus (?), Mundo de Aventuras (2ª fase) #574
[actualizada em 28-11-2014]