31 de maio de 2018

Julio Ribera - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador, Argumentista
(Espanha) Barcelona, 20 de Março de 1927 - (França) Cognin, 27 de Maio de 2018

Apaixonado pelas artes desenhadas, Ribera trabalha em Espanha ao lado de Pedro Alvarez e concebe os seus primeiros trabalhos sob diversos pseudónimos. Em 1945, colabora com a revista Florita, uma publicação para raparigas, desenhando a personagem humorística Rosita. Em 1950, para o periódico Yumbo concebe a série Pepin y Sulfato.
Em 1954, Ribera emigra para França e publica Pistol Jim, o seu primeiro trabalho para o mercado francês. Dois anos mais tarde, ingressa na La Bonne Press, publicando uma série de trabalhos para várias publicações.
A partir de 1965, colabora com o semanário Pilote com várias histórias curtas. Em 1973, cria Dracurella e, dois anos depois, com o argumento de Christian Godard, nasce a série O Vagabundo dos Limbos para as edições Hachette. Em 1976, colabora na colecção "L'Histoire de France en bandes dessinées". 
Em 1985, para a Dargaud, ilustra os dois primeiros episódios de Chroniques du temps de la vallée des Ghlomes,  com textos de Godard. Na companhia deste, funda a editora Vasseau d'Argent. Em 1994, sempre na companhia de Godard, desenha Grand Scandale
Sozinho, Ribera desenha uma evocação autobiográfica numa trilogia: Montserrat (2004), Jeunesse bafouée (2005) e Paris Liberté (2006).

Séries publicadas em Portugal:

One-shots publicados em Portugal:
  • Nunca estamos contentes (On n'est jamais content), 1972, O Mosquito (5ª série) #1
[actualizado em 31.05.2018]




Exposição Viriato no Clube Português de Banda Desenhada


Colecção Bonelli #8: Dragonero

Já está disponível o oitavo volume da colecção Bonelli da editora Levoir, distribuída com o jornal Público.

Publicada originalmente em 2014, no Speciale Dragonero nº 1, "A primeira Missão" recorda um episódio do passado de Ian Arànil, o Dragonero, quando este decidiu abandonar o exército do Império e incorporar o corpo dos exploradores. Ian procura o seu amigo, o ogre Gmor, entretanto retirado num mosteiro, para o acompanhar, mas em breve, os dois terão de abandonar o corpo de exploradores e partir em auxílio de um grupo de monges que se encontra preso no interior de uma biblioteca antiga.

Dragonero: A primeira missão, Colecção Bonelli #8, Luca Enoch, Stefano Vietti, Manolo Morron e Cristiano Cucina, Levoir, 136 pp., cor, capa dura, 11,90€

Edição integral de O Espião Acácio de Fernando Relvas

O Espião Acácio foi a obra carismática do falecido Fernando Relvas, cuja pranchas humorísticas foram publicadas na extinta revista portuguesa Tintin. Agora, a editora Mundo Fantasma com a colaboração da Turbina Associação Cultural lançou o integral das aventuras daquele mítico herói da BD portuguesa.

Sinopse da editora:
Corre mundo a história do Espião Acácio, o emissário que involuntária e indelevelmente deixou marca portuguesa pelos corredores da intriga internacional. Do advento republicano quase até à guerra fria, perpassa o seu nome, riscado a negro, por relatórios e arquivos secretos da intelligentsia ocidental até ao Médio Oriente, em meio século da mais alta coscuvilhice. Agente duplo, ou triplo, e a tempos agente de coisa nenhuma, tornou-se célebre pela improvável habilidade com que soube ultrapassar o arame farpado para o lado inimigo, e de volta para trás.

Acácio de Mello era um rapaz muito bisbilhoteiro — saía à mãe. De raro poder de dedução (raro no sentido de muito pouco) foi cultivando o engenho da neutralidade e do disfarce: nem monárquico, nem republicano, não era maçónico mas era de boas famílias. Com o apoio dos irmãos, monárquicos exilados nas Américas, cedo conheceu o mundo, qual caixeiro viajante, coleccionando contactos pelo Reich alemão, pela França ou no Médio Oriente, onde apurou o seu enorme talento para o desenrascanço. Reza a história que recebeu a primeira missão de um agente alemão, o obscuro Prof. Djadja. Sob disfarce odontológico, calcorreia metade da Europa. Foi preso na Rússia, de onde se escapuliu com a ajuda de judeus, irlandeses, alemães e ingleses. Recapturado, entrega uma temível arma secreta aos prussianos. D’acolá para a fronteira da Sérvia foi um tirinho, sendo novamente condenado a fuzilamento. Atravessa o país e desemboca em Paris, onde é reconduzido ao serviço alemão. É enviado para o Médio Oriente onde estabelece contacto com novo agente germânico, Rundfunk, um pombo-correio. Literalmente, um pombo-correio. Cruza várias vezes o deserto e conhece Lawrence, nas Arábias, o seu próximo alvo. Ressurge nas trincheiras alemãs às ordens do barão Von Rikchete, para um estágio de observação aérea.

Perseguido pela sua inevitável vocação, volta ao serviço duplo, entre alemães e britânicos. Reaparece em Rompiopek, nenhures no Leste, o paraíso dos espiões. E volta à folha salarial do Reich. O mercado era único e até com cámones se entremeteu.

Estas são estórias de um homem diligente que suportou as prisões do Czar, a guerra e o desconforto dos transportes públicos, muitas fugas nocturnas e amanhãs incertos. Conheceu animais falantes, um génio cientista muito à frente, e uma paixão de outro mundo. Foi mal pago, condecorado, despedido e contratado novamente, por agências secretas e governos por toda a Europa e arredores.

Viu discos voadores e as maravilhas da alquimia, encarou criaturas da mitologia e personagens da História, e desdito conspirou, e nunca mais disse nunca, numa época em que uma tendência intelectual subversiva significava alguma coisa. Foi atacado como gente grande por soldados, sanguinários, extraterrestres e tuaregues, chegando a ser morto, mas apenas temporariamente. Em último registo oficial, é forçado a trabalhos numa mina colonial de holandeses. Tudo isto são factos, e grande parte é quase verdade.

Acácio é um dos grandes espiões da história do mundo moderno, que nasceu com a revolução industrial e atingiu tão segredado zénite atravessando, vivinho da silva, décadas de múltiplos impérios e guerra num dos períodos mais negros da rasteira política. Era português e tinha bom coração.

Ninguém sabe o que é feito.

Foi visto uma última vez no Porto, no inverno de 2005, por altura do Salão. Tomava um café pingado, numa esplanada a céu aberto junto ao Mercado Ferreira Borges. Fumava cigarros importados e todo janota, tinha um cão.

Bernard Vrancken - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador
(Bélgica) Ixelles, 19 de Maio de 1965

Bernard Vrancken desenvolve desde muito cedo um apurado sentido estético, o que o leva a uma incessante busca do “belo”, que explora incansavelmente através do desenho. Precoce, distingue-se rapidamente, de tal forma que publica as suas primeiras pranchas na revista Tintin com apenas 16 anos. Facto tanto mais assinalável quanto se reporta a alguém que é totalmente autodidacta. Alguns anos mais tarde tem um encontro determinante na sua vida: Stephen Desberg, em fase de transição rumo a um registo cada vez mais realista. É precisamente nesse registo que os dois iniciam a sua colaboração, ajustando-se mutuamente ao longo dos quatro volumes de Le Sang Noir. Já em sintomia perfeita, a dupla reaparece depois com I.R.$. Rapidamente, as investigações financeiras de Larry B. Max alcançam um lugar cimeiro no panteão da BD, chegando mesmo a atravessar o Atlântico. Um sucesso que leva Vrancken a tentar superar-se um pouco mais a cada dia que passa, o que seguramente está na origem da sua decisão recente de acrescentar aguarela à sua linha clara e elegante, obtendo um resultado com uma profundidade espantosa. Esta técnica está também presente na série H.E.L.L., fruto da sua mais recente colaboração com Stephen Desberg, o que só vem comprovar que o talento também se pode ir apurando com os anos.

Séries publicadas em Portugal:

30 de maio de 2018

Exposição dos 50 anos da revista Tintin



Top das vendas de BD em França de 14 a 20 de Maio de 2018

1º lugar (novo) [1ª semana]
Notes #11: Un royaume magique
Boulet
DELCOURT

2º lugar (-1) [4ª semana]
The end
Zep
RUE DE SÈVRES

3º lugar (novo) [1ª semana]
Alix Senator #7: La Puissance et l’éternité
Thierry Démarez, Valérie Mangin
CASTERMAN




Exposição na Biblioteca Nacional: 100 anos de fascículos de aventuras em Portugal


Druuna: Creativa + Carnívora

A editora Arte de Autor lançou mais um álbum duplo da série de Serpieri que contem as histórias Creatura e Carnivora e um dossier com ilustrações inéditas.

Num futuro pós-apocalíptico, um perigoso vírus transforma os homens em monstruosos mutantes sanguinários . Só o soro permite aos sobreviventes escaparem. Neste mundo corrompido pelo sexo, a doença e a violência, a jovem e bela Druuna parte em busca deste remédio para Schastar, gravemente atingido, por quem nutre uma paixão. Tão destemida como sensual, ela , vai usar todos os seus atributos para atingir o seu fim...

Druuna: Creativa + Carnívora, Paolo Serpieri, Arte de Autor, 152 pp., capa dura, cor, 21€

Exposição "Os viajantes de papel na literatura gráfica"


Tiziano Sclavi - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(Itália) Broni, 3 de Abril de 1953

Sclavi desde cedo se mostra um leitor ávido e um escritor precoce. Tendo ganho um prémio literário aos dezanove anos, o reconhecimento oficial do seu talento não lhe serve de muito em termos de carreira pois, como refere “o público recebeu os seus livros com uma indiferença entusiástica”, o que o obriga a trabalhar como jornalista, revisor e argumentista de BD para poder sobreviver, enquanto os seus romances aguardavam por um editor disposto a publicá-los, o que, em alguns casos, como Dellamorte, Dellamore, que funcionou como um ensaio para a série Dylan Dog, só aconteceria depois da BD o tornar famoso.
É precisamente enquanto argumentista de fumetti que Sclavi vai iniciar uma colaboração com a editora Bonelli. Assim, além de criar Os Aristocratas, com Alfredo Castelli (o criador de Martin Mystère) Sclavi vai assinar argumentos para outras séries da editora, como Zagor, ou Mister No, antes de criar finalmente Dylan Dog, abrindo assim as portas do sucesso com o carismático detective do paranormal, cujas virtudes são gabadas até por Umberto Eco.

Séries publicadas em Portugal:
Altai & Johnson, Dylan Dog, Mister No

[actualizado em 06.05.2018]

29 de maio de 2018

Duke #2: Aquele que mata

Duke está de volta… Uma diligência é assaltada por um bando de criminosos, que chacina todos os passageiros, o cocheiro e a escolta. Exceto uma menina, Eleanor, que consegue fugir.

A Arte de Autor lança assim o segundo volume da série de Hermann e do seu filho Yves, apenas quatro meses após o seu lançamento no mercado francófono.

Em Ogden, Mullins quer reunir uma patrulha para pôr fim a estes assaltos. Sharp é incumbido desta missão, mas sabe que para conseguir cumpri-la, precisa de um homem: Duke.

Duke começa por recusar, mas acaba por aceitar ao aperceber-se de que Mullins esconde algo: na verdade, este precisa de enviar 100 mil dólares para a sede do consórcio mineiro ao qual pertence. Duke oferece-se para escoltar o transporte a troco de 10% da quantia, ou seja, 10 mil dólares. Poderia, assim, realizar o seu sonho e o de Peg: mudarem-se novamente para o Louisiana. Mas Mullins impõe uma condição: Duke deverá integrar a patrulha.

Composta por Sharp, Jim, Clem, Duke, Wednesday e Eleanor, enquanto testemunha ocular, a patrulha segue o rasto do bando, na direcção do Novo México. No entanto, Duke não tarda a perceber que esta missão irá levá-lo de volta a recordações muito antigas e dolorosas: Rose, a paixão da sua juventude, é um dos elementos do bando. Duke irá fazer tudo para voltar a vê-la, deixando-se capturar para poder falar com ela. Contudo, nem sempre é bom despertar os fantasmas do passado…

Duke #2: Aquele que mata, Yves H. e Hermann, Arte de Autor, 56 pp., capa dura, cor, 15€

Alfredo Castelli - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(Itália) Milão, 26 de Junho de 1947

Castelli é um prolífico escritor, investigador, argumentista e especialista em Banda Desenhada. A sua estreia no género dá-se aos 19 anos com a criação de Scheletrino, uma tira humorística publicada como suplemento da revista Diabolik. No ano seguinte escreve e edita aquele que foi o primeiro fanzine italiano sobre BD, Comics Club 104. À sua actividade como argumentista para diversas editoras e publicações, junta também a escrita de guiões para séries televisivas da RAI e para desenhos animados.
Para a revista  Il Corriere dei Ragazzi cria inúmeras histórias e personagens, como Os Aristocratas (onde colabora pela primeira vez com Tiziano Sclavi) e Allan Quatermain, que irá servir de modelo para a criação de Martin Mystère, e em que já é bem evidente o gosto de Castelli por histórias muito bem documentadas que misturam o género fantástico e as teorias da conspiração, com a aventura e a História.
Para a editora Bonelli, Castelli escreve argumentos para Zagor, Ken Parker e Mister No, mas é a criação em 1982 de Martin Mystère, o detective do impossível, que o tornou num dos mais importantes argumentistas italianos em actividade.

Séries publicadas em Portugal:
Aristocratas (Os), Martin Mystère, Sombra (O)

One-shots publicados em Portugal:
  • O piloto fantasma, Attilio Micheluzzi e Castelli, Jornal do Cuto #127
  • Uma descida no Maelstrom (Una disceza nel Maelstrom), 1971, Franco Caprioli e Castelli, Mundo de Aventuras (2ª fase) #28; Álbum Editorial Pública [1986][1]; Álbum Editorial Futura [1987][2];Jornal da BD #253
[1] incluído no álbum "Aventuras no mar"
[2] Incluído no álbum "Os violadores do bloqueio e outras histórias"

[actualizado em 22.09.2018]

28 de maio de 2018

As revistas de banda desenhada Disney começam a voltar às bancas


Depois de um período de interrupção na edição das bandas desenhadas Mickey, Tio Patinhas e Donald no final do ano passado, estes três títulos voltam a ver a luz do dia a partir do dia 1 de junho, iniciando-se com Mickey.
Os fãs vão encontrar estas revistas com a continuação da numeração assegurada (Mickey continua na #4, Tio Patinhas na #5 e Donald na #5) e com melhoramentos editoriais e na qualidade do papel.
As revistas irão contar com uma maior percentagem de histórias protagonizadas pelo herói que dá o nome a cada título, uma maior gramagem na capa (que aumentou de couché 150 g para couché 170g) e uma maior gramagem no papel do miolo (que passou de papel de jornal melhorado de 56g para papel offset  de 70g).
Continuam a chegar à banca às 3ª feiras. alternando os 3 títulos. O preço foi atualizado para 2,50€ e existe agora a possibilidade de ser feita uma assinatura anual a partir da página www.facebook.com/mundodabd/
Aos assinantes, serão enviadas 4 revistas de cada vez coincidindo com a chegada à banca da primeira de cada série de quatro.

Datas dos próximos lançamentos:
Mickey #4: 1 de Junho de 2018
Tio Patinhas #5: 12 de Junho de 2018
Donald #5: 19 de Junho de 2018
Mickey #5: 26 de Junho de 2018
(e sucessivamente pela mesma ordem todas as 3ª feiras)

World Press Cartoon - Caldas da Rainha 2018


François Walthéry - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista, Desenhador
(Bélgica) Argenteau, 17 de Janeiro de 1946


François Walthéry estuda desenho em Saint-Luc, Liège, tendo os seus professores detectado, de imediato, o seu talento para a arte. Mittei, seu vizinho, dá-lhe algumas dicas para melhorar o seu trabalho, resultando em cerca de vinte tiras da série Pipo, publicadas na revista Junior, irmão mais novo da revista Tintin.

Em Julho de 1963, a sua mãe leva-o à redacção da revista Spirou, chamando a atenção  de Yvan DelporteCharles Dupuis e Peyo. Inicialmente supervisionado por WillWalthéry é destacado para trabalhar na série Jacky et Célestin.
Após completar o serviço militar, assume Benoît Brisefer, ilustrando quatro episódios, de 1968 a 1973.
Ao mesmo tempo, cria um novo personagem baseado num argumento do seu seu colega de estúdio, GosNatacha, hospedeira do ar. Criada em 1967, é pouco assídua na revista Spirou até 1970.
Apesar de vários argumentistas (Gos, BorgersStoquart, Wasterlain Tillieux, Mittéï, Cauvin, Peyo e Michel Dusart), bem como artistas de renome (Jidéhem, Mittéï, Will, Wasterlain, Laudec, Georges Van Linthout), Natacha  aparece esporadicamente, inicialmente publicada pela Dupuis (13 livros em 18 anos), e depois por Marsu-Productions a partir de 1989 (meia dúzia de títulos).
Produz, em 1980, uma colecção de histórias de Vieux Bleu com argumento de Cauvin, um tributo ao «Tchantchès», o personagem excêntrico de Liège, além de cartazes promocionais e agendas.
Desde 1993, supervisiona a série  Rubine , ilustrada por Dragan de Lazare e escrita por Mythic para as Éditions du Lombard.

Séries publicadas em Portugal:
Benoît BriseferNatachaRoland Labricole

[actualizada em 20-11-2014]

27 de maio de 2018

Hergé, Tintin et les avions - Um novo livro da Moulinsart

Do Polikarpov (1929), avião de caça soviético, ao portentoso Boeing 747 americano (1976), as aventuras de Tintin retratam a apaixonante epopeia da aviação com, nada menos, cinquenta aviões.

Com o traço de Hergé, o avião é mais que um rápido meio de transporte, sendo, por vezes, um importante protagonista na acção, como o Stratoneff das aventuras de Jo et Zette ou o Carreidas, o avião supersónico do episódio Voo 714 para Sidney.

O autor da obra, José Miguel de La Viuda Sainz, engenheiro aeronáutico, examina minuciosamente as escolhas de Hergé e analisa o talento singular inspirado na realidade para criar aventuras imaginárias.

Mais um volume na minha biblioteca tintinófila, adquirida na loja oficial do Tintin em Lisboa.

Hergé, Tintin et les avions, José Sainz, Moulinsart, 64 pp., cor, capa dura, 14,50€

Éric - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Frederic Delzant
Desenhador, Argumentista
(França) Charleroi, 22 de Janeiro de 1947

Depois de estudar arquitetura e design de móveis na Escola de Artes e Ofícios, em Bruxelas, Frédéric Delzant opta por uma carreira na ilustração e BD. Ingressa na revista Tintin em 1973. Sob o pseudónimo Éric, desenha séries como Wen e Rorika com argumentos de Jacques Stoquart. Em 1977, inicia Tetfol, uma série sobre uma criança criada por lobos, para a qual escreve os argumentos. Depois de sete episódios da série, Éric produz a trilogia Maître des Brumes com o escritor Jean Dufaux para a revista Circus. Paralelamente, realiza para a Dargaud os álbuns Coup d'Oueil (1984) e Le verrou (1987) com argumentos de Dupa. Em 1990, desenha Les perdus d'Empire, com textos de Franz para a editora Lombard. Um ano depois, assume um episódio da série Dampierre com textos por Yves Swolfs na editora Glénat.

Séries publicadas em Portugal:

[actualizado em 28-12-2014]

26 de maio de 2018

Figuras de Tintin #57: Cabo Díaz um terrorista desastrado

O cabo Díaz pertence ao exército de San Teodoro. Despromovido de coronel para cabo pelo general AlcazarDíaz é incapaz de suportar uma tamanha humilhação. Assim, não hesita um segundo em pôr a mascarilha de uma sociedade secreta para perpetuar a sua vingança contra o general, o que acaba de beneficiar Tintin. Este desastrado aprendiz de terrorista chega sempre atrasado ao atentado ou mal equipado. É um incompetente na arte de matar. Um relógio desregulado acaba de vez com a sua conspiração. Vítima da sua máquina infernal, Díaz acaba por rebentar!

A referência da figura desta entrega situa-se na vinheta D4 da prancha 23 do episódio "A orelha quebrada".

Figuras de Tintin #57: Cabo Díaz um terrorista desastrado, livro de 16 pp. + estatueta + passaporte, Moulinsart, distribuição em Portugal pela Altaya, 12,99€



Figuras de Tintin #58: Haddock coberto de tinta

Na companhia de TintinHaddock chega à Sildávia, ao Centro de Investigações Atómicas de Sbrodj, convidado por Girassol, que está a preparar o seu foguete lunar. Enquanto visita as instalações vestido com o fato-macaco regulamentar, um gesto descontrolado do professor leva alguém a esguichar-lhe um jorro de tinta escarlate, aliás, de muito bom gosto. Com a cara, o dorso e o boné manchados de vermelho, nem conseguiu livrar-se do cartaz muito elucidativo que leva pendurado no pescoço. 

A referência desta figura encontramos na vinheta D2 da prancha 16 do episódio "Rumo à Lua".

Figuras de Tintin #58: Haddock coberto de tinta, livro de 16 pp. + estatueta + passaporte, Moulinsart, distribuição em Portugal pela Altaya, 12,99€


Jacques Stoquart - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(Bélgica) Frameries, 21 de Abril de 1931 - 1 de Maio de 2018

Jacques Stoquart, atraído pela carreira de artista, matricula-se  em cursos de artes decorativas no St. Luke Institute em Mons. Contudo, a morte de seu pai obriga-o a parar e, após o serviço militar, procura uma profissão. Desmobilizado, ingressa numa empresa de venda de duplicadores, Mimeo, tornando-se director de publicidade. Quatro anos mais tarde, encontra o director do jornal Le Scout, tornando-se chefe e educador de um centro de jovens em Marolles, onde conhece MiTacqGeorges Troisfontaines contrata-o, mas Stoquart continua, a tempo parcial,  o seu trabalho com os jovens desfavorecidos de Bruxelas. Em seguida, trabalha para várias agências de publicidade antes de se tornar, em 1973, um copywriter independente. Foi então que a BD toca à sua porta. Praticamente abandonado por Jean-Michel Charlier e por Mitacq, a sua actividade reduz-se a Stany Derval. Será o. encontro com Greg, em 1974, que promoverá a sua carreira de escritor. Para a revista Tintin cria os personagens de Wen e Rorika para Eric (Frédéric Delzant) e Ivan Zourine para René Follet.


Séries publicadas em Portugal:
Edmund BellIvan ZourineRamiroRorikaWen

[actualizado em 12-12-2014]

25 de maio de 2018

Chili Com Carne, Pierre von Kleist Editions, Serrote e STET juntos repetem a Feira do Livro de Lisboa

A Associação Chili Com Carne e a sua irmã MMMNNNRRRG são as enfant-terribles da banda desenhada nacional, não deixando se serem reconhecidas com prémios. Se os títulos dos seus livros poderão trazer os momentos mais hilariantes nos altifalantes Parque Eduardo VII os seus livros não deixam de ser menos sérios por tal.

Este ano a maior aposta será na apresentação da antologia co-editada com a Escola Ar.co., a Pentângulo que publica trabalhos de alunos, ex-alunos e professores desta instituição. Dia 3 de Junho na Praça Laranja estarão presentes Daniel Lima (professor), Pedro Moura (investigador) e Jorge Nesbitt (Director de Departamento de BD e Ilustração ) para falar sobre o projecto. 

Haverá duas sessões de autógrafos, uma de Xavier Almeida com o Pato Bravo (B Fachada) no âmbito de Santa Camarão no dia 27 de Maio, e outra do nosso escritor favorito Rafael Dionísio no dia 7 de Junho. Todas estas acções serão sempre às 18h.

A MMMNNNRRRG lança ainda sem pompa nem circunstância, dado ao anonimato da autoria, o Baralho (de cartas) d'AcontorcionistA do Grupo Empíreo, Sociedade Anónima de Recreio e Prazer. Este é o quarto objecto erótico-lúdico desta série como sempre revolucionando os hábitos íntimos da vida de todos os seus utilizadores. A edição é limitada a 200 exemplares. Devido ao seu conteúdo erótico, o melhor é perguntar por elas para serem vendidas "debaixo do balcão"...

Promoção especial novidades GFloy até 20%!


O Festival de BD de Beja está à porta, e este mês a G. Floy tem 6 novidades disponíveis. Para festejar, uma mega-promoção para fechar o mês em beleza.

Assim, na lista de livros aqui mencionados, as seis novidades, na compra de quaisquer DOIS dos livros, oferta dos portes; de quaisquer três, um desconto de 10% (mas dois livros pelo menos têm de sair da lista indicada); e de quaisquer 4 ou mais 20% (mas dois livros, pelo menos, têm de sair da lista indicada). Ou seja, é OBRIGATÓRIO comprarem duas novidades, mas depois podem comprar qualquer número de livros do catálogo com o respectivo desconto. 

Para aqueles que fizerem o opt-in na nossa lista de emails durante este período, podem aplicar um vale de desconto adicional de 5€ desde que o total da encomenda, depois de todos os outros descontos, mas ANTES do vale, seja superior a 30€.

Esta promoção é válida para as encomendas recebidas até ao dia 31 de Maio. A G. Floy só irá responder a emails de encomenda na segunda-feira dia 28 de Maio.

Os livros são:

Afirma Pereira (160 pgs) - 18€
Viagens Lisbon Studio vol. 3 (128 pgs) - 12€
Uncanny X-Force vol. 2: Saga do Anjo Negro (288 pgs) - 20€
Jessica Jones: Pulsar ed. Integral (360 pgs) - 25€
Ms. Marvel vol. 1: Fora do Normal (136 pgs) - 13€
Harrow County vol. 4: Laços de Família (120 pgs) - 11€

Basta enviarem um email para gfloy.portugal@gmail.com com o vosso pedido, assinalando também nome e morada de entrega, e a editora enviará um email com todas as instruções!

Iniciativa promocional nos termos do regime jurídico do preço fixo do livro', de acordo com a alínea b) do n.º 2 do artigo 14.º da Lei do Preço Fixo do Livro.

Os Vingadores Série II Vol. 7/14 > Nas bancas a partir de 25 de maio

O DERRADEIRO ATAQUE DA HIDRA. 
Depois de meses de manipulação e esquemas, Steve Rogers, o Capitão América original transformado por um Cubo Cósmico num agente adormecido da Hidra, conseguiu finalmente que os Estados Unidos ficassem sob o controlo desta organização criminosa. Para piorar a situação, a Terra prepara-se para ser atacada por uma gigantesca horda Chitauri, tendo sido criado um impenetrável Escudo de Defesa Planetária para evitar a invasão. A criação do mesmo deixou muitos dos seres mais poderosos da Terra fora do Planeta, encontrando se apenas um punhado de heróis em posição de contrariar o sinistro regime do Capitão América… ou arcar com as consequências. O Império Secreto, uma das mais fortes sagas da Marvel dos últimos tempos, em todo o seu esplendor.

COMICS ORIGINAIS INCLUÍDOS:
SECRET EMPIRE (2017) #1-2 – POR NICK SPENCER, STEVE MCNIVEN, ANDREA SORRENTINO E ROD REIS
CAPTAIN AMERICA: STEVE ROGERS (2017) #17 – POR NICK SPENCER E ANDRES GUINALDO
SECRET EMPIRE (2017) #3 – POR ANDREA SORRENTINO E ROD REIS

Os Vingadores Série II #7, 128 pp., cor, capa flexível, 7,90€

Sergio Toppi - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador, Argumentista
(Itália) Milão, 11 de Outubro de 1932 - 21 de Agosto de 2012

Toppi estreia-se profissionalmente em 1953, realizando uma série de ilustrações históricas para a reedição da L’Enciclopedia dei Ragazzi, da editora Mondadori. A estreia na BD dá-se em 1960, ilustrando uma biografia em BD de Pietro Micca, uma personagem histórica italiana do século XVII, escrita por Milo Milani para o jornal Corriere dei Piccoli.
O seu estilo próprio, em que a rígida divisão da página em tiras e quadrados dá lugar a uma planificação mais dinâmica e artística, que considera a página como um todo, tal como o aspecto pétreo do seu desenho, em que as personagens parecem cristalizadas numa natureza ameaçadora, também ela fossilizada, e o ambiente fantástico que emerge das suas histórias, faz da obra de Toppi, algo único e inesquecível, como se pode descobrir com Sharaz-De, a sua pessoalíssima adaptação das Mil e Uma Noites
A sua vasta colaboração com a Bonelli tem o seu ponto mais alto na mítica colecção Un Uomo, un’Avventura.
En 2008, uma grande exposição é organizada em sua honra no Festival de Angoulême.

Séries publicadas em Portugal:
Descoberta do Mundo (A), Julia, Martin Mystére

One-shots publicados em Portugal:

  • A noite dos samurais, Ernesto Ventura (arg.), Jacto #17 a #18
  • A última carga, Ernesto Ventura (arg.), Jacto #42 a #43
  • A queda de Constantinopla (La caída de Constantinopla), Ernesto Ventura (arg.), Jacto #74 a #75
  • Marilyn Monroe - A morte no filme, Milo Miani (arg.), Jornal do Cuto #159
  • Algarve 1460 (Algarve 1460), Selecções BD (2ª série) #8
  • Sharaz-De: Contos das Mil e Uma Noites, Álbum Levoir [2015]
[actualizado em 04.05.2018]

24 de maio de 2018

VIAGENS: The Lisbon Studio Series, vol. 3

O livro será apresentado e lançado já este fim-de-semana no XIV Festival de BD de Beja, com a presença de um grupo grande de autores, e também com uma bela exposição dedicada aos artistas do Lisbon Studio e à colecção. O livro começará a chegar às livrarias, mas estará também disponível já este fim de semana na Feira do Livro, no stand da distribuidora, a Europress. Também vai haver duas sessões de autógrafos em Lisboa durante os próximos 15 dias na Feira do Livro e na livraria Kingpin Book.

Depois do sucesso de CIDADES, (TLS Series vol. 1), já esgotado, e de SILÊNCIO (TLS Series vol. 2), esta colecção de alguma da melhor banda desenhada que se faz no nosso país pelos membros de um colectivo que já se tornou lendário continua a sua programação semestral, e a ser um dos pontos altos do calendário nacional de BD. Relembramos que CIDADES foi distinguido com duas nomeações para os Prémios Nacionais de Banda Desenhada Amadora BD, na categoria de Melhor Desenho (para as histórias de Filipe Andrade e Marta Teives), e venceu o Galardão do Comic-Con para a Melhor História Curta (com a história de Filipe Andrade), para além de ter visto mais duas histórias nomeadas no para o mesmo prémio do Comic-Con (de Pedro Vieira de Moura e Marta Teives, e de Ricardo Cabral).

Uma narrativa é sempre uma viagem, do passado ou presente para o futuro, do mundo limitado para um mundo sem limites, do criador e narrador para o leitor, do dizível para o indizível, do visível para o invisível, ou vice-versa... Sete histórias, que são outras tantas viagens sequenciais para destinos incertos ou certeiros.

De certo modo, a tradução do mundo que a banda desenhada faz é uma redução à sua essência, como se prescindisse do que se revela desnecessário e se ativesse ao que importa a cada forma e cada situação. Mas a banda desenhada não lida apenas com a versão estrutural das formas, ela escolhe também, para a narrativa das situações, instantes essenciais. (...) O desenho é mais do que a representação de formas e gestos, é aproximação ao invisível, indizível, impossível. Como em qualquer arte, ele tem ansiedade pelo sem limite.
É urgente haver mais.
- do prefácio de Valter Hugo Mãe

O The Lisbon Studio é um colectivo de ilustradores, designers e autores de BD, que conta com mais de uma década de existência, e que partilham um espaço com vista para o Tejo, em Santa Apolónia, naquela que é de, de facto, a casa da BD em Portugal. Autores que trabalham para a Marvel, autores que representam alguns dos maiores best-sellers da BD portuguesa, autores que representam estilos e modos de criação muito variados, incluindo autores que trabalham em design, ilustração, web-design, e mais. No The Lisbon Studio - apesar da constituição dos membros do TLS se ter alterado ao longo dos anos - não só se sente a herança dos seus fundadores, como a marca deixada por todos os que por aqui passaram.

SILÊNCIO: The Lisbon Studio Series, vol. 3
Histórias de Filipe Andrade, Quico Nogueira, Pedro Ribeiro Ferreira e Nuno Rodrigues, Dileydi Florez, João Tércio, Ricardo Cabral, e Nuno Saraiva.
Prefácios de Valter Hugo Mãe e André Oliveira.
Capa de Ricardo Cabral.
Uma co-edição G.Floy e ComicHeart
Formato 17 x 24, capa dura, 128 pgs.
(16 a cores, 112 a p/b). 
PVP: 12€

Colecção Bonelli #7: Martin Mystére

Neste volume é apresentado Martin Mystère, uma nova personagem da editora Bonelli. O sétimo volume da colecção chega hoje às bancas, três dias antes do encerramento da Exposição ESCHER, visitada por mais de 80.000 pessoas, em Lisboa. O artista holandês inspirou uma das histórias de Martin Mystère, encontrando-se a revista exposta no Museu de Arte Popular de Lisboa.

Martin Mystère o “detective do impossível”, foi criado por Alfredo Castelli em 1982, sendo uma personagem tão conhecida como Tex ou Dylan Dog.  Martin Mystère é um verdadeiro “Homem do Renascimento”. Antropólogo, arqueólogo, especialista em História da Arte, Línguas e Cibernética, investigador, apresentador de programas de TV, escritor, aventureiro e iniciado nos cultos esotéricos, Martin Mystère utiliza a sua vastíssima cultura para desvendar os mais variados enigmas.

Martin vive em Nova Iorque e viaja pelo mundo numa busca incessante de respostas a um variadíssimo número de enigmas. É numa dessas viagens, que descobre um mosteiro tibetano, onde é treinado numa variedade de artes Marciais pelo mestre Kut Humo e este lhe ensina a despertar a sua “terceira visão. Noutra viagem, encontra aquele que se vai tornar seu parceiro de aventuras e amigo, Java, um homem de Neanderthal.

O livro tem duas histórias: "O Destino da Atlântida" com argumento de Alfredo Castelli é ilustrada por Roberto Cardinale e Alfredo Orlandi.  Nesta história cuja acção se inicia nos Açores, Martin Mystère tem de se aliar ao seu inimigo Orloff para trazer de volta à nossa era o satélite militar que provocou a destruição da Atlântida e de Mu, 10 mil anos antes.

A segunda história, "Questões de família", com argumento de Castelli e ilustrada pelo mestre Sergio Toppi, que também ilustrou Sharaz-De, obra editada pela Levoir na colecção Novela Gráfica em 2015, aborda a descoberta de uma gravação vídeo, traz revelações sobre a presença de extraterrestres no nosso planeta.

Colecção Bonelli #7: Martin Mystére, Alfredo Castelli, Roberto Cardinale, Alfredo Orlando e Sergio Toppi, Levoir, 184 pp., p&b, capa dura, 11,90€

Arturo Del Castillo - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador, Argumentista
(Chile) Conception, 24 de Agosto de 1925 - 5 de Dezembro de 1992

Arturo del Castillo é um autor de banda desenhada nascido no Chile e naturalizado na Argentina. Uma das suas primeiras obras que gozou de grande reconhecimento na Argentina e Europa foi a adaptação de L´homme qui rit de Victor Hugo. Durante a denominada Idade de Ouro da BD Argentina, criou com o argumentista Héctor Germán Oesterheld o seu primeiro grande trabalho, a série western Randall. Posteriormente, com o lento declínio da produção de BD argentina, começa a colaborar com a editora inglesa Fleetway, na qual realizou diversas adaptações literárias, sendo uma das mais reconhecidas Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas, inicialmente publicada na Film Fun e, posteriormente, na Lion Comic. Em 1967, vê o seu trabalho em banda desenhada ser exposto no Museu do Louvre, integrado na exposição Bande Dessinée et figuration narrative. Em 1979, é premiado na Bienal Internacional de Córdoba e em 1980 é galardoado com o Yellow Kid pela sua carreira no festival de Lucca XIV.

Séries publicadas em Portugal:
Dan DakotaGarrett, Mosqueteiros do Rei (Os)Ralph Kendall, Ralph O'Connor, Randall, Tom Delaware

One-shots publicados em Portugal:
  • Sendas da morte, Puma #10
  • Homens e formigas, Del Castillo e Ernesto Ventura, Jacto #4 a #5 
  • A longa marcha do chefe Joseph, Del Castillo e Ernesto Ventura, Jacto #46 a #47
  • Chatanooga, Del Castillo e Ernesto Ventura, Jacto #59 a #61
  • Os três mosqueteiros, Álbum SEL [1978]; Fandaventuras [2017]
  • O homem da máscara de ferro + Os mosqueteiros do Rei, Álbum SEL [1978]
[actualizado em 24.09.2018]

23 de maio de 2018

Jessica Jones: Edição integral

A ex-Vingadora tornada investigadora privada começa um novo capítulo da sua vida - como jornalista para a nova secção sobre super-heróis do Clarim Diário, PULSAR! E a sua primeira missão é descobrir a identidade de um homicida super-poderoso que assassinou uma ex-repórter do Clarim. Qual será o envolvimento de Norman Osborn neste caso? E que efeito terá a descoberta chocante de Jessica no universo Marvel? E Jessica e Luke Cage, que agora vivem juntos, vão ser envolvidos por Nick Fury numa verdadeira guerra - e terão de reagir e lutar pela sua nova vida! E o momento que todos esperavam: o bebé de Jessica e Luke, e o dia do casamento! Convidados especiais? Homem-Aranha, Capitão América, os Novos Vingadores e muitos mais!

Jessica Jones regressa num volume de 360 páginas que nos traz uma fase inteira da saga da heroína, desde o momento em que inicia a sua vida a dois com Luke Cage à espera do seu bebé, até ao final mais esperado de todos, e sempre motivo de festejos, um casamento Marvel! Pelo caminho são vários arcos de história com a marca distintiva do escritor Brian Michael Bendis que continua a explorar os recantos mais escuros do universo da Marvel, e desenhados por artistas variados.

Na primeira história, desenhada por Mark Bagley (colega de longa data de Bendis em Ultimate Homem-Aranha), Jessica começa a trabalhar no Clarim Diário, e a sua investigação ao assassinato de uma outra jornalista levará directamente a um confronto com o Duende Verde, e a uma batalha épica nas ruas de Nova Iorque. Na segunda história, Jessica terá de viver as sequelas da Guerra Secreta de Nick Fury, que irá colocar em perigo a sua bebé, e opô-la à Hidra, com desenho de Brent Anderson (Astro City) e Michael Lark (Gotham Central). Michael Gaydos, o desenhador original da série Alias e criador visual de Jessica Jones regressa para uma curta história, uma homenagem emotiva e inteligente às personagens menores do universo Marvel. E, finalmente, entre casamento e batalhas desenhadas por Olivier Coipel, uma das estrelas da Marvel (Dinastia de M), temos a mais super-heróica das histórias deste volume.

Este é o livro em que Jessica Jones completa o longo caminho de “loser” que se despreza a si própria a membro respeitada da comunidade dos super-heróis que consegue finalmente olhar para si mesma no espelho sem pestanejar!

Jessica Jones: Edição integral, reúne os comics The Pulse #1-9 e #11 a #14 e New Avengers Annual (2006) #1, Brian Michael Bendis, Mark Bagley, Brent Anderson, Michael Lark, Michael Gaydos e Olivier Coipel, G. Floy, 360 pp, cor, capa dura, 25€

Cinco mil quilómetros por segundo

"Cinco mil quilómetros por segundo" da editora Devir vai ser lançado, com a presença do autor Manuele Fior, na Casa da Cultura de Beja, no próximo dia 25 de Maio, pelas 15.00 horas. Este lançamento insere-se nas atividades do Festival de Banda Desenhada de Beja, onde estará patente uma exposição de trabalhos originais de Manuele Fior. O autor fará uma sessão de autógrafos no dia 26 das 18.30 às 19.30h.

"Cinq mille kilomètres par seconde" (2010) é uma história sobre três jovens, Piero, Lucia e Nicola, ilustrada com tons quentes e frios, cores quer vibrantes quer sombrias, cuja alternância traduz as distâncias entre os personagens que habitam este livro: os 5000 Quilómetros que os separam, num espaço e tempo de fugas e reencontros, apenas sugerido.

Somos surpreendidos com toda esta luz que nos inunda o olhar e se reflete no prazer de seguir uma narrativa expressionista, ou apenas contemplar as belas aguarelas de um autor essencial.

A obra obteve os seguintes prémios:
Prémio Melhor Autor – Lucca Comics, 2010
Prémio Melhor Álbum, Fauve d’Or – Festival de BD de Angoulême, 2011
Prémio Micheluzzi, Melhor Banda Desenhada – Comicon 2011

Top das vendas de BD em França de 7 a 14 de Maio de 2018

1º lugar (=) [3ª semana]
The End
Zep
RUE DE SÉVRES

2º lugar (=) [4ª semana]
Les Mondes de Thorgal : La Jeunesse #6: Le drakkar des glaces
Roman Surzhenko, Yann
LE LOMBARD

3º lugar (=) [23ª semana]
Dans la combi de Thomas Pesquet
Marion Montaigne
DARGAUD




Âncora - Ensaio de quadriculografia

Estado: Activa
Morada: Av. Infante Santo, 52 – 3.º Esq.
1350-179 Lisboa
E-mail:  ancora.editora@ancora-editora.pt
Link: www.ancora-editora.pt
Telefones: (+351) 213 951 221

Editora fundada em 1998.

Séries publicadas:
Lusíadas (Os)

One-shots publicados:
  • Pedro Álvares Cabral e o Brasil, 1999, José Pires [1999]
  • Almeida Garrett e a cidade invicta, 1999, José Ruy [1999]
  • História da Guarda - Oitocentos anos da cidade, 1999, José Garcês [1999]
  • História de Seia - A porta da Estrela, 1999, Eugénio Silva [1999]
  • História de Manteigas - No coração da Estrela, 2000, João Amaral [2000]
  • História de Celorico da Beira, 2000, José Garcês [2000]
  • Pêro da Covilhã e a misteriosa viagem, 2000, José Ruy [2000]
  • Levem-me nesse sonho... acordado -  História da cidade da Amadora, 2000, José Ruy [2000]
  • História de Oliveira do Hospital - Povo valoroso, passado heróico, 2001, José Garcês [2001]
  • História de Penamacor - A herança dos tempos, 2001, Baptista Mendes [2001]
  • História de Gouveia - A princesa da Serra, 2001, José Pires [2001]
  • História de Ourém, 2002, José Garcês [2002]
  • História de Pinhel - Falcão guarda-mor de Portugal, 2004, José Garcês [2004]
  • Aristides de Sousa Mendes - Herói do Holocausto, 2004, José Ruy [2004] [existe uma edição em francês]
  • Humberto Delgado - O general sem medo, 2005, José Ruy [2005]
  • História de Trancoso - E assim se fez Portugal, 2006, Baptista Mendes [2006]
  • De António Martinho do Rosario a Bernardo Santareno, 2006, João Amaral [2006]
  • História de Fornos de Algodres - Da memória das pedras ao coração dos Homens, 2008, João Amaral [2008]
  • Mataram o rei! Viva a República!, 1993, José Ruy [2008]
  • A espada desaparecida, 2008, João Amaral [2008]
  • Mirandês - História de uma língua e de um povo, 2009, José Ruy [2009] [existe uma edição em mirandês]
  • Amarante - A heróica defesa da ponte, 2009, José Ruy [2009]
  • A Batalha do Bussaco - A derrota fatal dos marechais de Napoleão Bonaparte, 2010, José Pires [2010]
  • Leonardo Coimbra e os livros infinitos, 2011, José Ruy, [2011]
  • Fernão Mendes Pinto e a sua Peregrinação adaptada a banda desenhada, 1987, José Ruy [2013]
  • O juiz de Soajo - História da vila de Soajo em BD, 1996, José Ruy [2014] [existe uma edição em francês]
  • João de Deus - A magia das letras, 2014, José Ruy [2014] [Existe uma edição em francês]
  • Histórias de Valdevez, 2016, José Ruy [2016]
  • Carolina Beatriz Ângelo - Pioneira na cirurgia e no voto, 2016, José Ruy [2016]
  • Nascida das águas e o 16 de Março de 1974 - História da cidade de Caldas da Rainha em banda desenhada, 2018, José Ruy [2018]
  • A ilha do Corvo que venceu os piratas, 2017, José Ruy [2018]
[actualizado em 4-9-2018]

22 de maio de 2018

Novidades BD da G. Floy


Uncanny X-Force 2, Ms. Marvel 1 e Jessica Jones: Pulsar já começaram a chegar a livrarias e bancas do país inteiro, mas já há mais três novidades a postos, que irão ser apresentadas no Festival de BD de Beja, que decorre já neste próximo fim-de-semana!

A G. Floy irá disponibilizar a adaptação do romance de Antonio Tabucchi, "Afirma Pereira", com a presença do autor no Festival, onde será apresentada uma exposição da sua obra. Durante a semana a G. Floy promove duas sessões de apresentação e autógrafos em Lisboa, cujos pormenores serão divulgados mais para o fim desta semana.

A editora portuguesa irá contar, também em Beja, com mais duas novidades: o novo volume do The Lisbon Studio Series, "Viagens", que conta com uma história em destaque (e a cores) de Ricardo Cabral, que irá certamente deixar boquiabertos os fãs, e com um rol de outros nomes da BD portuguesa: Filipe Andrade, Nuno Saraiva, Quico Nogueira, Pedro Ribeiro Ferreira e Nuno Lourenço Rodrigues, Dileydi Florez e João Tércio. Com um prefácio de Valter Hugo Mãe, que tem a frase decisiva sobre o que é fazer BD: "Pensar o mundo deste modo é um desafio de depuração. Desde logo, porque se caçam ideias com o que é de ver." E outro  prefácio de um ex-membro, o escritor de BD portuguesa André Oliveira.

Finalmente, estará disponível também o quarto volume da série de terror do Sul dos EUA, Harrow County: "Laços de Família", que chega assim ao meio dos seus oito volumes previstos!

Deadpool Minissérie Vol. 1/4 > Nas bancas desde 22 de maio

Sinopse – Volume 1
DEADPOOL E SEUS COMPINCHAS
Deadpool é o anfitrião de uma grande misturada que vai trazer à ribalta alguns dos maiores protagonistas do Universo MarvelLuke Cage, Punho de Ferro e Demolidor – numa história hilariante que vai colocar esta malta a vasculhar uma enorme lixeira no meio de fraldas sujas e papas de aveia fora de prazo. Porquê? Tudo começa quando um grupo de lesados do Banco Starnes decide reaver o dinheiro sujo investido naquela famosa instituição financeira. O problema é que neste grupo vamos encontrar alguns dos gangsters mais perigosos de Nova Iorque, incluindo a vilã Mary Typhoid. Neste volume vamos também encontrar a continuação de Deadpool 2099. Como devem estar recordados, em 2099 o nosso Mercenário Desbocado não passa de uma carcaça velha que tenta sobreviver perante a loucura da filha Warda (da sua relação com Shiklah). Pelo meio ainda temos Ellie Camacho, a outra filha do nosso anti-herói, um Punho de Ferro a cair de podre e uma resma de inocentes em perigo de vida.


Volume 1 inclui:
DEADPOOL (2015) #13 — POR GERRY DUGGAN, CHARLES SOULE, SAVID WALKER, JACOPO CAMAGNI, GUILLERMO SANNA, ELMO BONDOC, PACO DIAZ, VERONICA GANDINI, MAT LOPES, NOLAN WOODARD e ISRAEL SILVA
DEADPOOL (2015) #25 — POR GERRY DUGGAN, SCOTT KOBLISH e NICK FILARDI

Calendário dos próximos lançamentos: 
Volume 02 > 05-06-2018
Volume 03 > 12-06-2018
Volume 04 > 19-06-2018

Deadpool Minissérie #1 (de 4), Goody, 128 pp., cor, capa flexível, 7,90€

Stephen Desberg - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Argumentista
(Bélgica) Bruxelas, 10 de Setembro de 1954

Stephen Desberg é um escritor de sucesso na BD, tanto no género humorístico,  como no realista. Desberg cria ambientes fantásticos, criticando temas como o fascismo e o racismo. Depois de alguns argumentos para a revista TintinDesberg assiste Maurice Tillieux nos textos de Tif et Tondu com desenhos de Will para a Spirou. Após a morte do TillieuxDesberg continua o trabalho para aquela série. De imediato, começa a escrever para outras séries para a revista Spirou, criando séries com Benn (Mick Mac Adam), Stéphane Colman (Billy the Cat), Eric Maltaite (421), Marc Hardy (Arkel) e Daniel Desorgher (Jimmy Tousseul).
Em 1987, escreve Gaspard de la Nuit para Johan de Moor editado pela Casterman, seguido por La Vache, em 1992. Na década de 90, escreve, destinado a um público mais adulto, para o desenhador Will (La Vignt-Septieme Lettre, L'appel de l'Enfer), publicado na colecção Aire Libre de Dupuis e por P & T Productions. Depois de 421Desberg Maltaite continuam a sua cooperação com Carmen Lamour para a P & T Productions. Com Bernard VranckenDesberg produz várias histórias curtas para À Suivre, assim como a série Le Sang Noir e IR$. Inicia  colaborações com Dany (Equador para a Lombard), Enrico Marini (A Estrela do Deserto para a Dargaud Suisse), Philippe Wurm (Le Cercle des Sentinelles na Casterman) e J. Henri Reculé (Le Crépuscule des Anges na Casterman).
Em Outubro de 2000, Desberg inicia O Escorpião com Enrico Marini. Na editora Glénat,  cria séries como Les Immortels (com Reculé) e Tosca (com Francis Vallès), ambos em 2001. Em 2003, veio Mayam com Daniel Koller para a Dargaud, e, em 2005, segue-se Rafales com Vallès para a Lombard.

Séries publicadas em Portugal:
Billy the catEstrela do Deserto (A)Escorpião (O)IR$Vega

[actualizado em 10-3-2015]

21 de maio de 2018

Os Mauzões #3: O bola de pelo contra-ataca

O terceiro volume de Os Mauzões, "O bola de pelo contra-ataca" chegou às livrarias de todo o país… Sr. Lobo, Sr. Víbora, Sr. Tubarão, Sr. Piranha e agora Patas (uma tarântula com talento para o hacking) são muito maus a serem bons. São assustadores, têm má reputação (e um extenso cadastro criminal) e são perigosos (eram!). Mas, agora, eles querem ser bonzinhos. Querem ser heróis.
Mas Os Mauzões vão ter um dia muito mau! O Sr. Lobo e os amigos mauzões meteram-se com o porquinho-da-Índia errado. E esta terrível bola de pelo quer vingança. Depois de terem resgatado mais de 10 mil galinhas presas no Aviário da Felicidade, Os Mauzões vão descobrir (da pior maneira possível) que o porquinho-da-Índia inofensivo que lá encontram…não é assim tão inofensivo. E não vai descansar enquanto não se vingar! Irão eles sobreviver? Serão eles heróis? Irão eles parar de se tentar comer uns aos outros?
Em formato de banda desenhada, estes livros são adequados para todos os leitores mais jovens (e capazes de arrancar gargalhadas também aos menos jovens), prometendo cativá-los com o humor e as divertidas ilustrações deste grupo de (ex) Mauzões.
Recentemente, a DreamWorks Animation, responsável por sucessos como Shrek ou Madagascar, anunciou ter planos para adaptar esta série ao grande ecrã. Etan Cohen, autor dos guiões de Madagascar 2 e Men in Black 3, é o responsável por este projeto.

Aaron Blabey, o autor de Os Mauzões, nasceu em 1974 em Bendigo, Victoria, na Austrália. Era um péssimo actor (ou nem tanto assim, visto ter ganho o Australian Film Institute Award para o Melhor Actor Protagonista num Drama Televisivo em 1994), por isso, decidiu escrever anúncios irritantes para televisão. Depois, ensinou desenho a quem desenhava melhor do que ele. Até que decidiu escrever livros, e adivinhem? Os seus livros receberam diversos prémios e muitos tornaram-se famosos. Então, ele pensou: “Ser autor é excelente! Esta será a minha profissão!” Hoje, Aaron vive numa montanha, na Austrália, com a sua esposa – a atriz Kirstie Hutton -, três filhos e uma piscina cheia de tubarões brancos. OK, é mentira. Ele só tem dois filhos.

Os Mauzões #3: O bola de pelo contra-ataca, Aaron Blabey, Porto Editora, 144 pp., p&b, capa flexível, 9,90€

Frank Bellamy - Ensaio de quadriculografia portuguesa

Desenhador, Argumentista
(Inglaterra) Kettering, 21 de Maio de 1917 - n.d., 5 de Julho de 1976

Frank Bellamy é um artista autodidata, conhecido pelas BD’s de aventura. Começa a sua carreira artística, trabalhando para uma agência de arte em Kettering, onde faz pinturas para um cinema local. Depois de servir na Artilharia Real durante a Segunda Guerra Mundial, regressa à agência, onde trabalha até 1948, quando parte para Londres, tornando-se um ilustrador freelancer para várias revistas. Para a revista Eagle, cria a Commando Gibbs, uma revista de BD de publicidade para a Gibbs, que marca o início da sua carreira na BD. Várias vezes, colabora com o escritor Clifford Makins, criando um número considerável de histórias para várias revistas entre 1950 e 1960.
O seu trabalho para a revista Mickey Mouse Weekly inclui Monty CarstairsSecret in the Sands e Walt Disney's Living Desert. Para a Hulton Press, faz uma série de tiras de aventuras históricas, Swiss Family RobinsonRei Arthur e Robin Hood. Em 1957, desenha uma biografia de Winston Churchill para a Eagle, chamada The Happy Warrior. Em 1960, assume a famosa série Dan Dare do seu criador, Frank Hampson.
Durante os anos sessenta, cria várias adaptações em BD de grandes obras literárias. Assume a série Thunderbirds. O seu último trabalho importante foi a série Garth para o The Daily Mirror, desenhando-a desde 1971 até sua morte em 1976.

Séries publicadas em Portugal:

One-shots publicados em Portugal:
  • David, o Rei Pastor (David, the sheferd king), 1958, Bellamy e Makins, O Falcão (1ª série) #14 a #44
[actualizado em 29-1-2015]