31 de dezembro de 2013

Kim Devil faz 60 anos

Em 31 de Dezembro de 1953, a revista Spirou #820 estreia mais uma série de Jean-Michel Charlier, com desenhos de Gérald Forton. O herói chama-se Kim Devil e é um explorador de cidades e tesouros perdidos, um antecessor do actual Indiana Jones. As aventuras deste aventureiro decorrem na Amazónia, numa zona imprecisa, com a maior parte dos locais com nome castelhano, levando o leitor a pensar que se encontra no Peru, Equador ou Colômbia.

Charlier já havia produzido uma série de aventuras exóticas em 1950, Tiger Joe, com desenhos de Hubinon. Contudo, o cenário é africano, mais precisamente na zona de Oubangui-Chari. Kim Devil será a continuação daquela saga, mas centrando-se na Amazónia, num território impreciso, de forma a minimizar os erros históricos e cénicos que encontramos em Tiger Joe.

Kim Devil surge numa época em que os filmes de aventuras enchem os ecrãs dos cinemas, como "As minas do rei Salomão" ou "O vale dos reis".

 A série termina no número 947 da Spirou em 7 de Junho de 1956 com quatro histórias em continuação e duas aventuras de quatro pranchas que são publicadas no Risque-Tout. Contudo, mal-grado a brevidade da série, Kim Devil é considerada uma das melhores séries belgas realistas após guerra.


Em Portugal, será o Cavaleiro Andante a estrear a série em 7 de Janeiro de 1956, que publicará mais dois episódios. Eis a bibliografia da série em Portugal

  • A cidade perdida (La cité perdue), 1953, Cavaleiro Andante #255 a #302
  • O inferno verde (Le peuple en dehors du temps), 1954, Cavaleiro Andante #210 a #254
  • O explorador perdido (Le monde disparu), 1955, Cavaleiro Andante #315 a #339
  • A fera desconhecida (Le fauve inconnu), 1956, Álbum do Cavaleiro Andante #79

UM BOM ANO DE 2014


26 de dezembro de 2013

Le char lunaire da aventura Explorando a Lua

Sou um apaixonado pelas miniaturas ligadas ao mundo do Tintin. Após ter lançado a colecção de Os carros do Tintin, as edições Atlas começou  a comercializar hors-serie da referida colecção. Hoje recebi o veículo lunar do episódio Explorando a Lua de 1954. O veículo pode ser encontrado entre as pranchas 32 e 43.
Infelizmente, a Atlas não comercializa directamente para Portugal.
E está para breve o lançamento de Os aviões do Tintin.





21 de dezembro de 2013

20 de dezembro de 2013

O pequeno fantasma Artur faz 60 anos

20 de Dezembro de 1953. A Vaillant, revista ligada ao Partido Comunista Francês, apresentava aos seus leitores Arthur, um pequeno e simpático fantasma, que vivia num castelo medieval. Além de, como fantasma que é, poder atravessar quaisquer paredes do seu castelo, também tinha a faculdade de poder viajar através dos tempos. Assim, podemos encontrá-lo em plena Revolução Francesa ou nos primórdios da Idade da Pedra.

A estreia foi tímida num número de Natal da Vaillant (#449), mas o sucesso possibilitou a Jean Cézard, desenhador francês da revista desde 1951, continuar a série em pranchas consecutivas sem separação por episódios que serão publicadas entre 3 de Janeiro de 1954 e 27 de Novembro de 1960. Numa segunda fase, Arthur le fantôme justicier aparecerá a partir de 1969 em histórias independentes na sucessora da Vaillant, a Pif Gadget.

Jean Cézard desenhará a série até ao ano da sua morte em 1977. Contudo, cinco anos mais tarde, haverá uma tentativa pouco convincente de retoma da série da responsabilidade de Roumain Marc Arapu.


Em Portugal, tenho conhecimento da publicação de Artur, o fantasma justiceiro na primeira série da revista O Falcão em todos os números (82) da sua existência, no final da década de 50 do século passado. 


17 de dezembro de 2013

Juvebêdê #55

Graças à amabilidade da Juvemédia, recebi o número de Outubro deste revista de informação de banda desenhada. É de salientar que esta revista já vai no seu décimo sétimo ano de existência, o que por si, já é um marco.

A edição de Outubro apresenta-nos, além do movimento editorial de BD, quer em Portugal, quer no estrangeiro, uma reportagem sobre os 50 anos da Turma da Mónica e três bandas desenhadas de Baptista Mendes: "Pedro Hispano", "A vida de Camões" e " Diogo Cão". Na contra-capa da revista, uma pequena reportagem sobre o lançamento do último álbum de Astérix, com uma pequena entrevista a Jean-Yves Ferry, aquando da sua vinda a Lisboa.

Juvebêdê #55, Outubro de 2013, 24 pp

15 de dezembro de 2013

Catálogo do Festival Amadora BD de 2013

Todos os anos adquiro um exemplar do catálogo do Festival de BD da Amadora. Este ano, por motivos diversos, só agora me chegou às mãos o exemplar da edição de 2013. Como sempre, excelentes textos recheiam esta obra. Com uma reduzida tiragem (500 exemplares), este ano há particularidade de 200 desses exemplares serem em inglês.

Realço os seguintes artigos:

  • Ricardo Cabral - O olhar constrói o mundo
  • 75 anos com o Super-Homem
  • Spirou - 75 anos de grandes aventuras
Catálogo do 24º Amadora BD 2013, direcção de Nelson Dona, Outubro 2013, 192 pp, 8,50 €

13 de dezembro de 2013

Colecção Público/ASA Astérix VIII - Astérix entre os Pictos

O último álbum de Astérix, recentemente editado, já sem a intervenção de Albert Uderzo, «Astérix entre os Pictos» é o 8º volume da colecção Público/ASA dedicada ao gaulês mais célebre da BD.

Nesta aventura, Astérix e Obélix visitam pela segunda vez a ilha britânica, depois de lá estarem na aventura «Astérix entre os bretões». Os pictos são um povo que viviam na Escócia e que se pintavam. Nesta aventura, um picto congelado dá à costa da aldeia gaulesa e depois de recuperada a memória, Astérix e Obélix acompanham-no de volta até à sua terra natal. Como curiosidade, a aventura faz alusão ao célebre monstro do Loch Ness, lago situado em terras escocesas.


10 de dezembro de 2013

dBD #79

Já se encontra nas bancas portuguesas o número duplo da dBD de Dezembro-Janeiro 2013/2014 da revista francesa de informações sobre banda desenhada.

Neste número de fim de ano, destaco o dossiê dedicado a Blake e Mortimer, aproveitando o lançamento do último álbum «A onda Septimus», com entrevistas aos autores Jean Dufaux e Étienne Schréder. Uma outra entrevista a reter é a François Schuiten, com realce para o lançamento da obra «François Schuiten, l'horloger du rêve» de Thierry Bellefroid.

Destaco, como tintinófilo, o balanço sobre os quatro anos do Museu Hergé, com entrevistas aos gestores da obra do autor de Tintin, Fanny e Nick Rodwell.

A ler, igualmente, com bastante interesse uma extensa entrevista ao argumentista chileno Alejandro Jodorowsky, algumas horas após a estreia do seu filme «La Danza de la Realidad», assim como uma biografia de Alberto Breccia, vinte anos após a sua morte.

Finalmente, o habitual artigo de Henri Filippini recai sobre a célebre série de histórias curtas As mais belas histórias do Tio Paulo.

dBD #79, Décembre-Janvier 2013/14, 130 pp, 10,70 € 

8 de dezembro de 2013

Les Trésors de Tintin


A bibliografia tintinófila é abundante e, muitas vezes, redundante. Os temas, as facetas, os ensaios, a análise sobre a obra de Hergé e extensa. Raros são os meses em que não apareça nos escaparates das livrarias mais um livro de análise hergeneana.

Contudo, ainda vão aparecendo obras sobre Tintin ou Hergé que nos surpreendem positivamente. Recentemente, foi colocada à venda mais um livro de Dominique Maricq, um dos historiadores e documentalistas da Fundação Hergé, que tem a novidade de nos apresentar 22 documentos soltos fac-similados extraídos dos arquivos de Hergé, entre os quais o número do Petit Vingtiéme, onde Tintin se estreou.

Além destas belas surpresas, o livro, ricamente ilustrado, retrata-nos a génese das aventuras de Tintin no Petit Vingtiéme e a evolução biográfica do seu criador.

Ao longo dos capítulos, vamos descobrindo, ano após ano, aventura após aventura, alguns bastidores que rodearam a construção de cada episódio.

Les trésors de Tintin, Dominique Maricq, Moulinsart, 2013, 96 pp (contém 22 documentos soltos em envelopes distribuídos ao longo da obra)

7 de dezembro de 2013

Colecção Público/ASA Astérix VII - Astérix na Hispânia

"Astérix na Hispânia" ("Astérix en Hispanie"), décima quarta aventura da série, foi a escolhida para o sétimo volume da colecção Astérix que a parceria Público/ASA editou esta semana.

"Astérix na Hispânia" estreou-se na revista Pilote #498 em 22 de Maio de 1969, sendo editado em álbum nesse ano.

O enredo tem como cenário a actual Espanha, conquistada pelo poderoso Império Romano. Mas mais uma vez, existe uma aldeia (Montilla) que resiste aos invasores. Julio César, enfurecido, rapta Pepe, filho do chefe ibero Caldoverdon y Chouriçon, levando-o para a Gália, onde deverá ter uma educação romana. Cabe aos nossos heróis Astérix e Obélix resgastar a criança e levá-la de volta para a Hispânia.

Ordenalfabetix, o vendedor de peixe, estreia-se na série, dando origem á primeira zaragata. D. Quixote também tem uma aparição nesta aventura.

A estreia em Portugal desta aventura foi num álbum da Editorial Íbis logo em 1969. Em revista, só a Tintin a editou em continuação em 1975, entre os números 52 do sétimo ano e o 21 do oitavo. "Astérix na Hispânia" foi editado em álbum pela Livraria Bertrand, Meribérica e Asa. A colecção Tulicreme também editou um mini-livro com o resumo da aventura.




1 de dezembro de 2013

L'Immanquable nº 35

O interesse da aquisição deste número desta excelente revista francesa dedicada ao pré-lançamento de obras de banda desenhada deve-se à minha tintinofilia. Por um lado, sendo a capa dedicada ao Tintin com uma cena de "Os cigarros do faraó" e, por outro, pela entrevista a Christian de Portzamparc, arquitecto do Museu Hergé, que nos fala sobre o projecto e a ligação à obra de Hergé.

As aventuras em continuação neste número são as seguintes:
Les 7 vies de l'épervier - ciclo 3 #1
Station I6 de Yves e Hermann
Rock & Stone - tomo 1
Barracuda - tomo 4
H.ELL - tomo 1

L'Immanquable #35, 132 pp, 9,80 €